Abrir menu principal

Desciclopédia β

AIBS

Atenção! Este artigo foi desenvolvido pela Microsoft! Menu canto windows.gif
E seu autor o programou no setor de R&D da Microsoft, por isso, pode conter slowdowns, travamentos, consumo excessivo de RAM, spam e Tela Azul da Morte.
Para ajuda, acesse o Centro de Ajuda e Suporte da Microsoft.
Process-stop.svg.png
Menu canto windows.gif
Atenção!
Erro crítico

Você caiu em uma cilada. Um vírus está sendo baixado para seu computador enquanto você está lendo isto.

Carregando...


OK

Asclepius.png A Desciclopédia não é um consultório de medicuzinho.
Por isso, tome vergonha e vá procurar um para fazer seu check-up.

Cquote1.png Você quis dizer: AIDS? Cquote2.png
Google sobre AIBS
Cquote1.png Eu não tenho pinto, não sei se você sabe disso. Eu sou eunuco! Cquote2.png
Batimã sobre os sintomas da doença

AIBS é uma infecção mental que ataca as áreas cerebrais que envolvem a elaboração da fala e o senso de humor, causando perdas neuropscicológicas múltiplas, levando o paciente à um estágio psciosomático chamado de "Imbecilidade Crônica".

Um Aibético em estágio avançado, suas últimas palavras: HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA Vou comer a tia do Batimã!!!. (na verdade é seu pai vestido para o baile dos enxutos, seu corno manso!)

Índice

A CausaEditar

Historicamente, A AIBS é a primeira doença veiculada exclusivamente pela Rede Mundial de Computadores (Internet). Surgida nos confins da internet e rapidamente espalhada por todos os meios virtuais possíveis, o agente infectológico ficou conhecido como "Filme do Batimã". Acredita-se que quem assiste esse vídeo é exposto a agentes virulentos que invadem o encéfalo pelas vias visuais. Combinada com a trilha sonora, Feira da Fruta, o vídeo surte um efeito hipnótico no espectador.

EstágiosEditar

Primeiro EstágioEditar

Acontece quando o indivíduo assiste o dito vídeo "Filme do Batimã". Todos aqueles que assistem apresentam catatonia leve com breve risadas durante a exibição do vídeo. Nenhuma mudança de personalidade aparente.

Segundo EstágioEditar

Horas depois da exposição do agente patogênico, com a presença de risadas involutárias e citações do texto apresentado no vídeo.

Exemplo:

Hipoteticamente, dois indivíduos estão conversando às três da tarde. Se eles forem completamente saudáveis, um deles pergunta: Que horas são? e o outro responde normalmente. Então o indivíduo 1 tira um pacote de bolachas do bolso e oferece para o outro sem maiores comentários.

  • Se os 2 indivíduos tiverem AIBS, a situação é bem diferente:
   Indivíduo 1: Falando em palhaço, que horas são?
   Indíviduo 2: Porra, já são duas horas, caralho!
   Indivíduo 1: Eu sei ver hora, porra.
   
   Então o Indivíduo 1 tira o pacote de bolachas do bolso e o outro diz, surpreso:
   
   Indivíduo 2: Daonde tu tirou essa bolacha, daonde tu tirou essa merda?
   Indivíduo 1: Tu tá muito engraçadinho ein, lógico que foi do cu, poderia ser mais donde?
   Indivíduo 2: Vou saber onde você guarda essa porra ?

Perceba que, além do linguajar de baixo calão e da impaciência mútua, os viadinhos ainda são incapazes de ler hora direito, porra. Afinal, são três horas, não duas, seus bichas.

Terceiro EstágioEditar

O infectado faz o possível para levar o agente Virótico (O Filme do Batimã, porra!) para todos os seus conhecidos. Neste estágio, a palavra puta é uma presença constante no vocabulário. (Se você tu não acredita nessa merda, vai tomar no meio do seu cu)

Observa-se também incapacidade de prestar atenção em uma mesma coisa por muito tempo. Por exemplo, mesmo depois de ter visto aquela merda mais de 500 vezes, são incapazes de ver que a mesma biscate foi chamada de Susie e Clotilde em um intervalo de 20 minutos.

 
Dois Aibéticos sofrendo em estado terminal. (Eles são dois viados, né?)

Quarto EstágioEditar

O indivíduo já decorou todo o script do Filme do Batimã. A partir desse estágio a doença é irreversível, ou seja, ele que começou e agora se fudeu!

Os demais estágiosEditar

Não se sabe se há mais estágios dessa doença, porque ninguém conseguiu analisar indivíduos sem ser contaminado pela doença. (Puta que pariu, e então eu sou um viado. Tô fudido, preciso embora pra casa...)

Lendas sobre o "Filme do Batimã" (Bátima Movie Facts)Editar

1. É impossível comer assistindo o Filme do Batimã, é cienfiticamente comprovado que o vídeo estimula gargalhadas involuntárias.

2. Não! Correção: Todos os movimentos, além de rir, são impedidos durante a exibição do Filme do Batimã.

3. A única ocasião que o Chuck Norris deu uma risadinha discreta foi quando ele assistiu o Filme do Batimã.

4. Dizem que o Silvio Santos ri daquele jeito porque ele assistiu o Filme do Batimã.

5. Os presidiários começaram a enfiar coisas no cu pra passar pela revista depois de assistir o Filme do Batimã

6. Na verdade, o Materazzi falou pro Zidane: "Manda lembranças pra putinha relaxada da tua irmã, eu como ela ainda", totalmente inspirado no Filme do Batiman

7. Alguns relatam que um dos últimos estágios da doença é colocar a cueca por cima das calças e usar máscaras, achando isso completamente normal.

8. Acredita-se que o Lico de Cair Pinto realmente existe e que a Maria passou no Pinto do José e por isso que ela teve quer ter o filho ainda virgem.

9. Acredita-se que se o Batiman assistir o Filme do Batimã, ele vai deixar de ser um viadinho do caralho.

10. O Filme do Batimã foi feito por um cineasta que odeia o Orkut e os Brasileiros, por isso que essa merda de vídeo só existe e só tem efeito na língua portuguesa.

Perguntas FrequentesEditar

Hein, Como pode ser verdade um porra dessa, hein Batiman? Me explica essa porra!

É a verdade, puta e nua. Ou puta e paga, igual a tia do Batiman. (Então vamos fazer uma coisa, vamos buscar umas putas pra trazer cá, vai.)

A AIBS, Síndrome Idiotizante do Batiman Adquirida (Acquired Idiotized Batiman Syndrome) é uma demência caracterizada por distorção do vocabulário do infectado e o acréscimo anormal de palavras chulas na conversação do indivíduo.

Palavras Chulas? Vai te fuder, seu filho da puta!

Seu maconheiro do caralho, Cala a boca!

Eu percebi que estou infectado. E agora, o que eu faço?

Não faz nada, comissário. Vai dar pro seu pai, vai bater uma punhetinha pro Batman...

Daonde você tirou essa história de merda?

Humm... Tu tá muito engraçadinho hein. É lógico que foi do cu, porra! Podia ser mais daonde?


  Modere o linguajar, por favor.  
Batimã sobre o baixo calão do artigo

ConclusãoEditar

 
Esse Documento não prova nada, só prova que quem assistiu essa merda é um filho da puta!

Depois de passar por todos os estágios, a AIBS só sai com simpatia: ligue para a Tia do Batiman, quando ela quiser que você a coma na mansão Wayne, diga que sim. Depois disso, você precisará de um copo de leite. Não leite, mas... dinheiro! E com o dinheiro, aposte num jogo diabólico até tirar três limões, que dão direito a 50 mil volts. Em seguida, fume um cigarro, mas só se for maconha, porra. Você deverá ficar um pouco peidorrento, mas faz parte.

Se essa merda falhar, a única porra que resta para um Aibético tentar se curar é a receita do Dr. Cesar Romero (o palhaço, o Coringa, o palhaço; o Jóker, o palhaço): virar eunuco, especialmente se tiver um pintão. Recomenda-se a utilização do Lico de Cair Pinto, seus bichas! Quanto à localização, não perguntem pra mim: vou saber onde cê guarda essa porra?

Para as biscates, não há salvação. Elas terão de viver o resto da vida como putas pagas e vão dar o cu para todo mundo hoje. Serão putinhas relaxadas, dando a buceta no andar de cima da bat-caverna: é a vida fácil!

v d e h
Tipos de vírus