Abrir menu principal

Desciclopédia β

Actínio
Actínio.jpg
Pedaço de actínio que pode te matar der duas formas. Por pedrada ou por queda de sua genital em decorrência da radioatividade
Símbolo, número Ac, 89
Série Actvídeo
Principal isótopo Activia
Propriedades atômicas
Massa atômica 227,0278 cus
Dureza O bastante para não quebrar fácil
Nível de radioatividade Altíssima nível Hulk
Nível de toxicidade Desconhecida
Propriedades físicas
Comestível? Não recomendado pela OMS
Inalável? Não
Posso passar na pele? Sim, como purpurina fosforescente
Onde encontrar Uranita
ponto de fudição Dado irrelevante
ponto de rebuliço Dado irrelevante
Coisas de quadrinhos
Probabilidade de te transformar num super-herói Alta; no Hulk



Actínio é um elemento químico artificial, inventado por seres humanos para nenhum propósito em específico, só mesmo para preencher uma lacuna lá na tabela periódica. Localizado entre o rádio e o urânio, como é de se esperar é um elemento altamente radioativo com propriedades e capacidade de fazer cair até os cabelos do seu ânus, sendo bem útil para quem gosta de ficar raspadinho lá embaixo (e depois ter uma morte lenta, agonizante e dolorosa).

CaracterísticasEditar

Tal qual o seu primo lantânio, o actínio também tem seu próprio grupinho a parte na tabelinha de Mendeleev, mas enquanto o lantânio reúne os elementos metálicos mais inúteis da natureza, o actínio reúne os elementos metálicos mais mortíferos da natureza. Assim, juntamente com 14 outros elementos, forma o grupo dos actinídeos, elementos que caso ingeridos fazem com que o ser humano defeque seus próprios intestinos antes de ter uma morte trágica e agonizante.

Como metal, é um elemento altamente radioativo que portanto brilha azulado no escuro, denunciando sua periculosidade. Ao ser tocado tem a propriedade de derreter uma mão vagarosamente, então seria necessário segurar uma rocha de actínio puro caso precise ficar aleijado da mão por algum motivo. Ao ar livre, todavia, rapidamente oxida e decai, e por isso quase não pode ser encontrado por aí.

HistóriaEditar

Após a morte trágica de Marie Curie, uma exímia funcionária Nestlé e inclusive ganhadora de Nobel de química, muitos avanços ocorreram na descoberta dos actínios. Curie morreu sem conseguir desvendar a fórmula secreta do achocolatado Toddynho, mas deixou como legado o misterioso pó que a infectou e a fez morrer por radioatividade, cabendo ao químico francês André de Bruços, em 1899, pesquisar e desvendar as propriedades daquele pó e determinar, através de chutômetro, técnica muito utilizada pelos químicos desde a invenção do "mol", que aquele pó era um elemento totalmente novo chamado actínio. É bem verdade que com os avanços da tecnologia da fabricação de Toddynho, com o advento da invenção do Guaraná Dolly que é feito com urânio empobrecido, desocobriu-se que na verdade aquele pó de Marie Curie e Debierne talvez sempre tenha sido apenas protactínio, substância presente no leite de vacas ucranianas, então alguns creditam a descoberta do actínio ao estoniano naturalizado moldavo Friedrich Oskar Giesel, inventor do Activia, famoso iogurte para fazer velhos cagarem, que contém traços de actínio dentro.

AplicaçõesEditar

Até agora nenhuma aplicação para o actínio foi encontrada, exceto pelo fato de que o elemento brilha no escuro e acaba tornando-se ideal para que você possa usá-lo como uma lâmpada de cabeceira que lentamente produz câncer em seu corpo e te garante uma morte certa e nojenta na qual pedaços de seu corpo começarão a cair e a pele desgrudar de seu organismo. Fora isso, não há conhecimento de algum outro uso para este elemento.