Ambroise Paré

Uma das ferramentas de trampo de Ambroise Paré; ele fazia a barba dos soldados com esta ferramenta

Ambroise Paré foi um gênio francês, considerado o pai da cirurgia médica e da mutilação médica. Graças a ele é que um membro amputado pode ser costurado de volta e ainda continuar funcionando.

Apesar de sua genialidade, ele não é um gênio tão falado nas escolas devido a sua mórbida personalidade de açougueiro de carne humana. Sua vida daria mais certo para um filme de terror do que uma biografia bonitinha tipo a do Alan Turing, gay e pai da computação.

HistóriaEditar

 
Quadro renascentista representando a genialidade de Ambroise Paré prestes a abrir um corpo e remover os órgãos, o que será considerada a primeira tentativa de medicina legal da história

Ambroise Paré se tornou cirurgião porém sempre autodidata pois sua profissão mesmo era de açougueiro no período da tarde e mutilador de corpos no período noturno. Depois foi convocado para a guerra para trabalhar como barbeiro-cirurgião (e essa profissão não é piada).

Como convocado não poderia desistir da guerra ou seria expulso do território francês, Ambroise Paré teve que largar sua vida de açougueiro profissional para seguir no caminho sem volta das batalhas e corpos mutilados. Logo ele, o grande açougueiro, teria que usar suas técnicas de corte de carne para cortar uns braços e pernas, talvez até uns pedaços de intestino.

Nas guerraa, Ambroise Paré pegou o jeito da coisa e fazia barba, cabelo, bigode e cortes na carne melhor que qualquer outra pessoa, mesmo tendo pouca experiência. Pode-se dizer que ele foi o melhor barbeiro-cirurgião de toda a França pois cortava uma barba da mesma forma como cortava um braço destruído.

 
O próprio

Ambroise Paré nunca teve formação adequada para exercer a medicina, mas seu talento como mutilador profissionais e barbeiro chavoso o tornaram um sujeito com habilidades motoras impressionantes, capaz de costurar o ânus de volta ao corpo humano do paciente em poucos segundos. Ali começava uma nova área da medicina, conhecida como cirurgia. Antes, se a pessoa tinha um machucado no braço, cortava-se logo o membro.

Sua história de vida gerou várias adaptações biográficas como os filmes O Mutilador, Navalha na Carne, O Homem que Serrava Membros, O Cirurgião, e Ambroise Paré: O Homem que Mutilava.

DescobertasEditar

 
No início usava-se a técnica da amputação pra tudo, mas Ambroise Paré criou o lema   não corte, reimplante!  

Paré descobriu e inventou tantas coisas na área da medicina que até o Dr. House fica de queixo caído. Foi Ambroise Paré quem fez a primeira separação de gêmeos siameses, foi ele quem amputou o pênis de uma transexual, inserindo uma vagina realística no lugar, e ele quem conseguiu recuperar pela primeira vez membros amputados.

 
Para qualquer um isso não teria mais volta, mas para Paré seria só mais um trabalhinho

Seu maior talento era o de reimplantar membros mutilados e amputados na guerra. Começou testando reimplantação de dedos, até que teve sucesso, depois passou para braços e pernas, e durante seu auge, até uma vítima que havia perdido a cabeça teve a parte reimplantada ao corpo e sobreviveu por mais alguns dias, até ser fuzilada no meio da batalha.

Ambroise Paré também foi o inventor das próteses de olho, membros e de pênis. A prótese ocular ele inventou para sua própria mãezinha que tinha perdido o olho dentro de uma panela de sopa, que deu uma temperada especial, porém ela havia ficado com um oco no rosto; o amado filho fez uma prótese então, e sua mãe deixou de ser caolha.

 
O próprio pai da medicina legal

Não apenas inventor da prótese ocular, Ambroise Paré também foi longe e, usando seu próprio corpo humano, criou também a primeira prótese peniana, a alegria das lésbicas feministas. Depois aperfeiçoou as próteses, que ficavam eretas ao primeiro sinal de excitação. Esta tecnologia infelizmente foi perdida e até hoje não se conseguiu uma prótese como a de Ambroise Paré.

Não foi só na medicina que Ambroise Paré deixou seu frutos milagrosos. Na barbearia também ele criou várias técnicas. Ninguém imaginava que era possível fazer uma pequena linha de corte no cabelo ou barba com uma navalha, uma linha paralela fininha então era fisicamente impossível naquela época. Ambroise Paré mandou todos calarem a boca e mostrou sua arte. Hoje isso é uma maravilha capilar, usada pelos manos das periferias e pelos assaltantes.

Ver tambémEditar