Abrir menu principal

Desciclopédia β

Americano Futebol Clube

Americano Futebol Clube
Escudo do Americano.png
Brasão
Hino '
Nome Oficial Amerdicano Futebol Clube
Origem Bandeira do estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro - Campos dos Goytacazes
Apelidos
Torcedores
Torcidas
Fatos Inúteis
Mascote mosquiteiro
Torcedor Ilustre
Estádio Estádio Godofredo Cruz
Capacidade demolido por falta de público
Sede
Presidente
Coisas do Time
Treinador
Pior Jogador da história Nuvola apps core.png
Melhor Jogador da história Crystal Clear action bookmark.svg.png
Patrocinador esmolas da prefeitura
Time
Material Esportivo
Liga Campeonato Carioca / Campeonato Brasileiro Série D
Divisão Série A, Série B, fica trocando
Títulos
Ranking Nacional
Uniformes



Cquote1.png Icso ecziste! Mas non deveria... Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Americano Futebol Clube
Cquote1.png Essa turminha do barulho vai arranjar muita confusão enfrentando adversários barra pesada e fazendo coisas que até Deus duvida para se manter na primeira divisão do carioca! Cquote2.png
Narrador da Sessão da Tarde sobre Americano Futebol Clube

Americano Futebol Clube é um time de futebol secundário do Rio de Janeiro, embora alguns lunáticos de Campos dos Goytacazes afirmem veementemente que se trata de um tradicional clube futebolístico, qualquer um na verdade sabe muito bem que Americano é aquele time que é obrigação ganhar. Perder para o Americano é sempre uma grande humilhação e motivo de chacota, por isso o Botafogo é zoado por ter sido eliminado pelo Americano em 2009 e não pelo Grêmio em 2017.

Índice

HistóriaEditar

FundaçãoEditar

Na época que o America Football Club era bom e campeão carioca, ou seja, no ano de 1888, o time da capital foi fazer um passeio na cidade de Campos dos Goytacazes para golear uns peladeiros durante a sua pré-temporada. O combinado de jogadores campistas ficaram maravilhados sobre como um time tão ruim daqueles conseguia os golear e ser campeão carioca, então tiveram a genial ideia deles próprios fazerem o seu próprio time, então optaram pelo original nome de "Americano". Começava ali a saga de um dos mais tradicionalmente derrotados times do interior fluminense.

Campeonato Fluminense de FutebolEditar

Antes da criação da CBF e de Brasília, o Americano jogava no estadual do Campeonato Fluminense de Futebol (atual campeonato carioca sem times grandes e fortes) visto que os times realmente bons da cidade do Rio de Janeiro tinham adversários mais interessantes para se preocupar em seu campeonato da guanabara. Para se ter uma ideia da baixíssima qualidade desse torneio fluminense, ele era considerado mais fraco que o campeonato capixaba, visto que os maiores rivais do Americano eram coisas como Byron FC e Eletrovapo. Aí fica difícil não se destacar, por isso o Americano tornou-se o maior campeão desse tal Campeonato Fluminense de Futebol (equivalente a Série B2 do atual campeonato carioca)

Suposto augeEditar

Sua primeira atuação numa competição nacional foi sua participação na Taça Brasil de 1966, que parecia mais a Copa do Brasil leprosa de tão mal feito que era o regulamento da competição mata-mata. Para se ter uma ideia, os dois adversários do Americano antes da final foram Desportiva Ferroviária da Cisplatina (então ainda possessão brasileira) e depois Anápolis FC do ainda Tocantins. Após vencer essas tradicionalíssimas equipes, fez a "final" contra o Cruzeiro EC, aí deu a lógica e perdeu de 10x1 no placar agregado (porra!), e isso foi considerado um auge para o Americano, imagina como ele está hoje.

Mas analisando-se bem, quando dizem que o auge do Americano foi nas décadas de 60 e 70, talvez seja porque conquistou o enea campeonato consecutivo do campeonato campista de 1967 e 1975, mas jogando contra quem? O Goytacaz FC? Que bosta.

BrasileirãoEditar

O Americano jogou algumas edições da Série A do Brasileirão, não que isso seja qualquer mérito. Por exemplo, no Brasileirão de 1975 jogaram os 445 times existentes no Brasil, já que não existia Série B, e a ideia da recém-criada CBF era punir os times tradicionais visitando as cidades mais infames do Brasil (inclui-se Campos dos Goytacazes). Obviamente o Americano foi lanterníssima do grupo com apenas 3 vitórias e 8 derrotas, mas como rebaixamento ainda não existia, ficou por isso mesmo.

Outras participações vexatórias foram ocorrendo nos anos seguintes, em 1976 mais figuração com um desprezível 39º final. Em 1977 mais pouca produtividade com um mero 36º lugar. A 27° colocação em 1978 foi a melhor mesmo sendo assim tão ruim, porque comparado a 1979 quando terminou em 57º parece brincadeira. O Brasileirão de 1980 foi o último do Americano nessa saga vexatória quando finalmente foi arremessado para o seu lugar de direito, a segunda divisão que havia inicialmente sido criada para times como Sport e Guarani, mas como ainda não existia Série C, tiveram que incluir o Americano também.

Série BEditar

Por falta de times no Brasil o Americano passou a amargurar a série B do Brasileirão durante as décadas de 80 e 90 sendo um dos recordistas de participações, nunca rebaixando porque a Série C seria criada bem depois.

Nessa época destacou-se em particular no ano de 1987, quando por falta de competições a participar ajudou a faliu o antigo Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais quando o time foi representar a Seleção Carioca de Futebol daquela edição. O pior é que os cariocas ainda foram campeões, então a CBF decidiu encerrar aquele torneio que ninguém mais se importava e qualquer um podia ser campeão.

Figuração no campeonato cariocaEditar

A partir dos anos 1990, com o maior estruturação do futebol nacional brasileiro como um todo, o Americano recolheu-se a sua insignificância de ser um figurante nos torneios cariocas e sumindo das competições nacionais gradativamente. Conseguiu alguns anos de sobrevida a nível estadual graças ao Caixa d'Água, imperador vitalício da FERJ durante os anos em que viveu, de 1984 até 2006. Torcedor do Americano, sempre dava um jeitinho de seu time nunca rebaixar. Nessa época o Americano ficou em 5º no estadual carioca muitas vezes, o que para eles é título.

A pequeneza do clube, porém, ficou bem evidente nessa época em que pequenas falcatruas ajudavam o Americano a não falir, mais especificamente no bizarro campeonato carioca de 2002, quando o Americano foi campeão do primeiro turno, campeão do segundo turno e campeão do terceiro turno. Mas na hora do único jogo realmente decisivo, que foi a final contra Fluminense, perdeu os dois jogos e amargou o vice.

Copa do Brasil de 2009Editar

Time muito assíduo na Copa do Brasil, competição nacional que permite que times merda participem, sempre acostumou-se a ser eliminado rapidamente nas suas decepcionantes dezenas de participações. A campanha de maior destaque foi a de 2009, quando foi eliminado pela porcaria da Ponte Preta logo nas oitavas-de-final. Agora porque chamam essa campanha de destaque ninguém sabe, afinal nas fases anteriores eliminou apenas dois times pequenos, Santa Cruz e Botafogo.

A famigerada Série B cariocaEditar

 
Prefeitura de Campos dos Goytacazes fazendo um favor com a população de sua cidade e apagando o Estádio Godofredo Cruz da existência.

Sem mais o apoio de Caixa d'Água, o Americano entrou em declínio rapidamente. Já perdia tudo na época que era ajudado, agora sem qualquer auxílio da FERJ o time passou a caminhar em passos largos rumo a sua extinção. Em 2012 chegava ao ponto de rebaixar no campeonato carioca, mesmo não havendo um time bom sequer nessa competição, e nunca mais conseguiu subir.

De 2013 em diante não sai da série B carioca, fica perdendo semifinal para Goytacaz FC, ficando atrás do Itaboraí na fase de grupos, e outras pequenezas, além de reclamar muito, dizer que sobem muito poucos times para a Série A e que isso é injusto, mas nem a Copa Rio consegue vencer direito, sendo vice em 2017, tendo que contar com a sorte de que o campeão Boavista SC desistiu da vaga na série D de 2018 que ficou com o Americano.

TorcidaEditar

Em Campos dos Goytacazes todos só torcem pra Flamengo ou Fluminense, então não há torcida real do Americano, apenas alguns simpatizantes, mas mesmo esses já desistiram do clube tem muito tempo. Se 50 torcedores vão aos jogos já é muito. Estes últimos torcedores só sabem reclamar, dizem que tudo favorece os times da capital, reclamam que poucos times sobem da série B, reclamação de time pequeno mesmo.

Desde 2013 nem estádio tem mais, não tinha público mesmo, isso beneficiou muito aquela área nobre de Campos dos Goytacazes, ninguém mais seria obrigado a se humilhar em ver um time tão ruim representando a região.

TítulosEditar