Aporé é uma cidadezinha isolada, inóspita, desconhecida e insignificante localizada 5.000 quilômetros a noroeste de Birigui, a cidade grande mais próxima.

HistóriaEditar

 
Você chegando em Aporé pelas belas estradas locais.

De acordo com os confiáveis registros do IBGE retirados da Wikipédia, Aporé já era habitada em 1926 por eremitas e outros alienígenas. Aquele povoado de neandertais entrou em decadência, momento quando um paraibano conquistou aquelas terras bem ao estilo faroeste e iniciou a construção de sua aldeia.

Graças ao dízimo em dia com a igreja, foi cedido um patrimônio de terras para a construção de uma fazenda, além de uma ponte sobre o Rio Aporé para ligar o nada com lugar algum e facilitar o transporte de bananas pelo Brasil. Tal ponte, entretanto, permitiu que Aporé fosse pelo menos encontrada.

Depois disso os caipiras chegaram por ali, aí o resto você já sabe, se transformou numa típica cidade goiana.

O nome Aporé em tupi significa "Rio de Ré", devido ao curioso curso do Rio Aporé que corre se afastando do mar.

GeografiaEditar

Destaca-se na geografia da pacata aldeia o Rio Aporé, que serve para dividir Goiás e Mato Grosso do Sul, ou seja, ele não tem importância alguma.

PolíticaEditar

Aporé é uma cidade que já pode se orgulhar de ter seu escândalo de corrupção, o que basicamente é um requisito para ser considerada uma cidade genuinamente goiana, pois as cidades goianas que não dão trabalho ao MP-GO pode notar que a cultura é bem longe da cultura goiana. No caso, Aporé já teve prefeito, primeira-dama e irmão do prefeito presos ao mesmo tempo acusados de falcatruas quilinguentas com compra de combustível para cidade.

EconomiaEditar

Apesar de a primeira vista parecer apenas uma cidade humilde, Aporé é a terceira maior concentração de ricos do Brasil, atrás apenas de Nova Lima e Santana de Parnaíba. Esse curioso status ocorre devido à sua diminuta população comparada à meia-dúzia de fazendeiros podres de ricos

TurismoEditar

Pontos Turísticos:

  1. Matagais.
  2. Buracos na estrada.
  3. Ilha do Pescador, um brejo onde os caipiras de Aporé reúnem-se para um ritual de acasalamento.

CulturaEditar

Aporé é atormentada pela lenda do espantalho morto-vivo, do homem do saco e do boi da cara preta. Muito cuidado ao sair na rua a meia-noite, você pode ser atacado por uma onça também.