Armênia

Հայաստանի Հանրապետություն
Hayastani Hanrapetutyun
República Socialista Soviética da Armênia
Bandeira da Armênia
Brasão de Armas da Armênia
Bandeira Brasão
Lema: "Eu quer aquela prédio na chom!"
Hino nacional: Քելե Քելե (Chop Suey)

Localização de República Socialista Soviética da Armênia

Capital Erva Erevan
Cidade mais populosa Ierevan
Língua Armênio, Turco e Rede Globês
Religião oficial Nu metal
Governo Ditadura Sistemática
 - Ditador Serj Tankian
Heróis Nacionais Henrikh Mkhitaryan, Dona Armênia
Área  
 - Total Desconhecido, sabia-se até a invasão árabe. km² 
 - Água (%) 99,99999
Analfabetismo
População Noé, sua família e os árabes 
PIB per Capita 0,01 R$ 
IDH -12 
Moeda PD$ (Pedras)
Fuso horário AZT + 8 (Acre's Zone Time)
Clima Sempre alagado
Website governamental Governo Armênio


Cquote1.svg Nunga agondezeu genozídio algum Cquote2.svg
Turco sobre armênios
Cquote1.svg Eu vou botar a prédia toda na chón! Cquote2.svg
Dona Armênia sobre Armênia
Cquote1.svg Armênia fica na Linha Azul do Metrô de São Paulo, entre as Estações Tietê e Tiradentes Cquote2.svg
Alguém te ajudando achar a passagem secreta para a Armênia

Armênia é um país localizado no Cáucaso que vive em guerra eterna com seus vizinhos, tanto que detém o recorde mundial de invasões por nações estrangeiras da história, superando inclusive países como Afeganistão, Israel e Polônia. O nome "Armênia" é considerado o nome de país mais antigo do mundo, pois o neto de Noé já chamava a região por este nome ao denominá-lo "ar menos" (Ἀρμένιοι) que foi a sensação de sufocamento que ele sentiu ao subir no topo do Ararat.

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História da Armênia

AntiguidadeEditar

 
Arquitetura armênia é a responsável pela invenção dos emojis.

A Armênia foi fundada por Noé em Ararat, o único fabricante de arcas da época. Ele tinha manias de construir arcas gigantes e deixá-las em seu quintal, tanto que um dia chegou a desmantelou a sua própria casa para fazer a maior arca de todas. Ele, sua família e alguns furries começaram a viver lá dentro até que após eles terem acordado da hibernação de 40 dias e 40 noites, viram que o local estava deserto e sem ninguém lá, tinham só umas poças de água que sobraram do dilúvio. Sendo assim, Noé se tornou o primeiro "Rei da Armênia" (e tudo isso foi lembrado cuidadosamente pela Bíblia). Os descendentes de Noé que não eram bobos e sabiam que aquilo se tratava da Armênia, já realizaram a primeira diáspora da história da Armênia mesmo sem nem terem fundado o país direito, nos fazendo entender que esse traço cultural de emigrar para fora da Armênia vem desde Noé, nem os veterinários e biólogos ficaram, estes tiveram que levar os animais da arca para a savana africana (se você reparar, todo desenho da arca de Noé só tem bichos africanos).

O primeiro nome da nação foi Սատրապական Հայաստան, que em armênio significava casa da mãe joana, que na épooca não tinha nenhuma conotação depreciativa, já que era apenas realmente uma Joana que morava lá, mas como inúmeros e incontáveis povos passaram e dominaram aquele pedaço de terra causando balbúrdia e constantes guerras, a expressão "casa da mãe joana" ganhou esse sinônimo de lugar de desordem e bagunça.

Absolutamente todo mundo invadiu a Armênia, nem que fosse só para ficar só 4 anos, como os romanos que conq1uistaram a Armênia só de 114 d.C. a 118 d.C. Até os cristãos, que na época ainda realmente seguiam a palavra de Jesus de paz, amor e tolerância, conquistaram a Armênia e criaram a Dinastia Arsácida da Armênia.

Idade MédiaEditar

 
Um monumento ao nariz armênio.

No início dos tempos medievais o oeste da Armênia era governado pelo Império Bizantino e a parte oriental pelo Império Sassânida. Durante esse período uma importante figura histórica apareceu. Era Mesrobes Malandrops, um sábio monge, teólogo e linguista conhecido por seus estranhos apetites sexuais e que no século IV estudou em Antióquia onde inventou o infame alfabeto armênio após uma ressaca resultado de uma noitada de orgias pederastas. A invenção do alfabeto no ano de 406 marca o início da literatura armênia e prova ser um fator poderoso na construção de um espírito nacional. Nenhum outro país no mundo tem um alfabeto tão bizarro com apenas duas letras (w, u) repetidas incessantemente e qualquer armênio é entendido apenas por outro armênio, ficando fácil diferenciar um colega armênio de um novo invasor.

O Reino Armênio da Cíclica foi uma segunda tentativa de criação de Armênia, com uma invasão de integrantes do MST no sul da Turquia e considerado o primeiro reino da história cujo povo estava fora de seu território. Este reino durou de 1078 a 1375 quando os turcos se encheram e decidiram criar um novo esporte nacional, a caça de armênios.

Domínio estrangeiroEditar

 
Persas invadindo a Armênia

Armênios são chamados frequentemente de "Povo escolhido de Deus", entrando em concorrência com os Judeus que conseguiram roubar este título depois de 1945. Tudo ia bem no Reino Armênio da Cíclica até que aquele monte de país muçulmano percebeu que era maioria e invadiu a Armênia. Essa foi datada como a centésima das mais 100.000 invasões que os armênios sofreriam. A confusão foi tanta (porque eles eram judeus e os árabes... eram árabes) que tiveram que criar uma nova nação: o Azerbaijão.

Tudo ocorria bem com os novos dois vizinhos (mais tarde viriam alguns russos refugiados de Super Mario e formariam a Geórgia), mas os turcos queriam anexar mais territórios. Donos de todo o Oriente Médio, queriam tudo que era dos árabes. Logo invadiram a Armênia achando que o país tinha árabes lá. Não tinha tantos árabes assim, mas bastante petróleo que foi saqueado e as prostitutas dos armênios que foram todas capturadas, ficando criado o Sultanato Jalairida.

A vocação em ser invadido pelos outros é tamanha que a Armênia é o único país do mundo que foi invadido e conquistado pelo Turcomenistão. A punição por essa humilhação foi ser dividido em dois e ser chamado pelo nome mais idiota do mundo. Por isso a Confederação do Cordeiro Negro e a Confederação do Cordeiro Branco foram o nome da Armênia por 1 século.

Genocídio armênioEditar

 
Maneira cultural com que os turcos tratam os armênios.

Embora a Primeira Guerra Mundial tenha ocorrido em outros lugares, a paz reinou na Armênia entre 1914 e 1918. Inexplicavelmente, após esses anos, todos os armênios desapareceram repentinamente da parte turca da Armênia. Muitos historiadores já tentaram descobrir o que exatamente aconteceu e para onde os armênios foram nessa época - mas sempre tiveram que parar de trabalhar assim que Recep Tayyip Erdoğan começava a ameaçar esses historiadores com processos jurídicos por difamação e ataques balísticos aéreos contra as famílias dos pesquisadores.

O que se especula é que o genocídio armênio ocorreu quando uma banda turco-nazista chamada Gogol Bordello cansada da discriminação que sofria, decidiu discriminar alguém, e o povo eleito para ser discriminado pelos turcos foram os armênios, que no final da deportação forçada para fora do Império Otomano, mais de 1 milhão de armênios resistentes foram todos fuzilados com ursinhos de pelúcia (era fofo demais para os armênios, que eram machos e morreram instantaneamente).

Dos armênios que sobraram em 1918 foi criada a República Democrática da Armênia que durou tanto tempo quanto o tempo que você lê esta linha.

Segunda Guerra Mundial e Armênia SoviéticaEditar

Depois de passar alheio à Primeira Guerra Mundial, a Armênia foi mais participativa na Segunda Guerra Mundial quando foi usada como um grande bunker de guerra. Os armênios tiveram a sorte de poder viver sob o teto aconchegante da União Soviética nessa época, Lenin e Stalin guiaram o país com amor, mas com firmeza, na construção do socialismo ao submeter os armênios a um século de pobreza e fome, pois é na adversidade que surge uma nação forte com população forte. A maior conquista desta época foi a industrialização realizada com mão gentil e de forma extremamente ecológica. A ideia inicial era ter apenas a República Socialista Federativa Soviética Transcaucasiana, mas logo os russos perceberam que juntar Armênia, Geórgia e Azerbaijão numa coisa só seria pedir uma terceira guerra mundial dentro da segunda guerra, então separou todos e criou a República Socialista Soviética da Armênia.

O governo comunista provou ser um bálsamo calmante em contraste com o pesadelo sanguinário da era otomana. É bem verdade que Stalin não gostava muito dos armênios e iniciou uma era de medo e terror onde dezenas de milhares de armênios foram executados ou enviados para gulags, mas ainda assim eram melhores suseranos que os otomanos. Apesar de serem obrigados a comer só feijão enlatado, os armênios ainda são gratos a Stalin que defendeu Stalingrado com todas as forças dos nazistas impedindo-os de chegaram ao Cáucaso, protegendo assim os armênios de outro genocídio destrutivo. Imagine o que teria acontecido se Hitler conquistasse a Armênia. Por falar em genocídio, foi nessa época que um terrível terremoto destruiu completamente o Memorial do Genocídio Armênio, o que leva a muitos mal entendidos hoje em dia e por isso os turcos não acreditam nesse acontecimento.

Em 1991 a União Soviética colapsa VOCÊ!! De seus restos mortais um pedacinho de nada vem a se tornar a República da Armênia, cujo principal passatempo de seus habitantes é ficar em seu mundinho disputando com a Geórgia e o Azerbaijão quem é menos pior, surgindo assim a nação da Armênia.

Eventos recentesEditar

Os primeiros anos pós-soviéticos foram marcados por dificuldades econômicas porque pela primeira vez em 2500 anos de história os armênios se viram como nação independente e não sabiam bem como fazer e como funcionava esse tal negócio de democracia e independência. Por não saber direito o que fazer com sua independência, a primeira coisa que os armênios quiseram fazer então foi invadir os outros países pela primeira vez, ao invés de serem invadidos, o que deu início à Guerra do Alto Carabaque. Talvez pela primeira vez em sua história os armênios quase conseguiram vencer uma guerra, embora os territórios supostamente conquistados pela Armênia tenham apenas sido transformados em regiões autônomas, ou algo assim, e todo atlas continua mostrando como sendo parte do Azerbaijão. Mas a Guerra do Alto Carabaque 2.0 humilhou o exército armênio que voltou à sua normalidade de ser invadido e perder guerras e todo o controle do Carabaque voltou ao Azerbaijão.

GeografiaEditar

 
Mosteiro de Khor Virap onde os armênios podem visitar e observar de longe o Monte Ararat que na verdade pertence à Turquia.

A Armênia atualmente localizasse no centro do Cáucaso ficando para eles apenas uma montanhas de um solo nada fértil e sem nenhum 1 centímetro voltado para o mar de tal forma que toda marinha armênia está toda no Lago Sevan. O país faz fronteira com quatro estados pacíficos: Turquia a oeste, Irã ao sul, Geórgia ao norte e Azerbaijão a leste. Estes quatro países são os responsáveis pela Armênia ser praticamente inexistente no mapa, já que a cada novo século conquistam um pedacinho a mais da Armênia até o dia que esse país sumir de vez.

A Armênia está claramente na Ásia, mas se vê como um país europeu porque acha que isso os trará status, quando na verdade os europeus veem a Armênia igual veem o Turcomenistão (ou seja, nem sabem que existem). Geógrafos ainda tentam entender como é possível a Armênia se considerar europeia quando há definitivamente uma Turquia não europeia entre a verdadeira Europa e a Armênia. A insistência em ser europeu e não asiático é tanta que a seleção e os times da Armênia prefere jogar na UEFA onde só apanham e perdem de goleada do que na Confederação Asiática onde pelo menos ganharia alguns jogos

A paisagem da Armênia consiste exclusivamente nas cordilheiras inóspitas do Cáucaso. A montanha mais alta é Monte Ararat (atual Turquia), o maior lago é o Lago Van (atual Turquia) e as cidades mais importantes são Van, Erzurum e Kars (todas atuais Turquia).

PopulaçãoEditar

 
Kim Kardashian, uma armênia... E ainda tem gente que não sabe porque a Armênia foi invadida tantas vezes.

Com apenas 3 milhões de habitantes, a população do país é demasiadamente baixa porque os turcos são filhos da puta e fizeram um genocídio e dizem agora que são bonzinhos e querem tirar o país da crise e que nunca dizimaram um país até sua quase extinção. Visto que a Armênia está permanentemente ameaçada de extinção por seus vizinhos, ninguém quer viver lá, por isso sair da Armênia é um ato aceito.

Por falta de armênios, este é o único país do mundo que permite que você se considere armênio mesmo sem ter nascido na Armênia, bastando afirmar ser armênio para já ser aceito como um. As vezes nem é necessário se considerar armênio, pois se seu sobrenome termina como "yan" ou "ian" a embaixada da Armênia já te considera como sendo um armênio vivendo no exterior. Por isso 90% dos cidadãos armênios vivem como emigrantes em todo o mundo, incluindo várias celebridades. No entanto, muitas vezes estas pessoas são forçados a esconder suas origens para não serem linchados por nacionalistas turcos ou azerbaijanos exceto a Kim Kardashian que luta constantemente pelo reconhecimento do genocídio armênio. Outros armênios que lutam constantemente pelo reconhecimento do genocídio armênio são Serj Tankian, Daron Malakian, Shavo Odadjian, John Dolmayan, Henrikh Mkhitaryan (melhor jogador de futebol da Armênia e o maior herói da história do país) e Armen Hayrapetyan (um cantor brega). Como podemos ver, a maioria deles possuem poucas motivações, além de nem serem armênios, apenas descendentes. Mas pelo menos o System of a Down colocou a Armênia no mapa.

Porque os armênios não conseguem sequestrar um avião em 10 motivosEditar

  1. 8:45 da manhã é tarde demais para eles acordarem.
  2. Eles estão sempre atrasados, logo perderão todos os voos.
  3. Gostosas no avião distraem eles.
  4. Vão falar muito alto e atrair atenção demais para si mesmos.
  5. Com comida e bebida no avião, vão esquecer o sequestro.
  6. Vão falar com as próprias mãos, logo colocarão a arma no bolso na hora do sequestro.
  7. Eles todos vão querer curtir o voo de avião.
  8. Eles vão começar a brigar e discutir no avião.
  9. Vão contar para a mãe deles antes de irem, que logo contará a todo mundo, e o ataque vazará para a CIA e FBI.
  10. Eles não sabem operar nenhuma arma.

SubdivisõesEditar

A Armênia subdivide-se em 10 marzer (singular, marz) que traduzindo significa "currutelas" no antigo idioma armênio. Como o país já é minúsculo demais e cada "província" dessas só tem uma ou duas cidades (a não ser que algum dia os cariocas explique para os armênios como criar casas em morros e encostas) eles só elegem um prefeito.


EconomiaEditar

A economia da Armênia é grande em diversas coisas: grande em miséria, grande em guerras e grande em gastos militares. É uma fartura também: farta saúde, farta educação e farta vergonha na cara de seus políticos.

Sem mar, sem solo, sem recursos naturais, só com montanhas, a Armênia depende, portanto, fortemente de investimento e apoio de armênios no exterior. Mas por que um rico armênio-americano ou franco-armênio investiria seu dinheiro naquela terra montanhosa que só exporta lágrimas por seu passado? Não existe nenhuma vantagem pro investidor, então a única coisa que o governo armênio faz é vender imagem de pobre coitado e conquistar investidores na base da dó. Tudo bem, eles têm alguma agricultura e produzem chumbo, mas isso não é suficiente... Por outro lado, o governo armênio está considerando lucrar com sua história sangrenta pois eles planejam processar todos os países que os conquistaram desde os tempos antigos, aproveitando-se do politicamente correto que assola o mundo para conseguir pelo menos uma vantagem com isso. Pode parecer uma ideia ridícula, mas se o governo armênio cobrar 5 dólares por morto, eles ultrapassam a China e Estados Unidos e se tornam a maior economia do mundo.

TurismoEditar

95% dos estrangeiros que visitam a Armênia na verdade são filhos de emigrantes armênios que decidiram visitar o país dos pais que agora é um país independente e entender o motivo dos pais terem saído dali para nunca mais voltar. Os altos índices de tédio unidos aos altos índices de coisas proibidas e as guerras que acontecem toda hora fazem da Armênia um destino turístico bem peculiar.

Como as principais prostitutas armênias hoje vivem nos Estados Unidos, mais abundantemente em Las Vegas, nem para turismo sexual o país serve. O estrangeiro que chega na Armênia só tem uma coisa para ver: Mosteiros isolados em montanhas, se você é uma pessoa que ama mosteiros isolados em montanhas, então visitar a Armênia é uma obrigatoriedade.

CulturaEditar

 
Os armênios adoram demonstrar em público o carinho que tem pela Turquia.

A cultura na Armênia envolve três pilares: Afirmar ser o país cristão mais antigo do mundo, se mudar para o exterior assim que possível, e ser invadido por nações estrangeiras. Ser o país cristão mais antigo do mundo quer dizer nada se a única coisa que você faz é guerrear com os outros. E desde 600 a.C. a Armênia vem sendo invadida, e mesmo no século XXI quando invadir os outros saiu de moda graças à internet, mesmo assim em 2020 foi invadida pelo Azerbaijão.

E como virar um armênio honorário? Simples. Existem dois passos para virar um deles: Primeiro adicione o sufixo -ian ou -yan em seu sobrenome; Em segundo investigue o histórico da Armênia, diga que aquele é o melhor país do mundo, defenda o seu país como os libaneses defendem o deles, odeie os turcos, compare o genocídio armênio com o Holocausto e o Holomodor e pelo menos finja estar bêbado. E se você não conseguir achar a Armênia no mapa, não tem problema, ela é menor que o Acre e ninguém vai te culpar por isso.

ReligiãoEditar

Na época dos romanos muitos cristãos perseguidos e como última alternativa fugiram para a Armênia porque podiam ter certeza de que nenhum de seus perseguidores colocaria os pés voluntariamente neste país, seja por seu aspecto isolado, seja por simplesmente ser a Armênia. Então aconteceu que a Armênia se tornou o primeiro país cristão do mundo e por isso em cada montanha do país há pelo menos um mosteiro no topo.

O resto do cristianismo, no entanto, confundiu a bizarra escrita armênia ( Արեւմտահայերէն ) com um árabe esquisito por causa de sua ilegibilidade assustadora de modo que os armênios eram comumente confundidos com muçulmanos, e até hoje o são, e por isso nenhum europeu se incomodou quando eles foram ou são massacrados.

IdiomaEditar

Na Armênia se fala a língua armênia com o alfabeto armênio, um idioma que usa apenas quatro letras: O "u" (Ա), o "h" (հ), o "n" (ր) e o "w" (ա). Por possuir tão poucas letras é o idioma mais difícil do mundo, comparável ao código binário, pois a repetição das mesmas letras é exaustiva. De toda forma, há um dicionário fonético das principais frases armênias (o alfabeto ninguém entende, nem o Google Translate que traduz tudo errado):

  • Inch Astvatz! - "Ai meu Deus" - ou - "Vai cavalo"
  • A-PUSH! - "Você é uma pessoa iluminada"
  • Barev! - "Me deixe sozinho" - ou - "Me traga um uísque"
  • Barodar gini. - "Vinho amigo"
  • Hatzet ker aziz. - "Você é legal, agora coma!"
  • Atchkut Djadjem! - "Para a sua saúde" - ou - "Pudim com catchup"
  • Hyevahn! - "Seu Animal!"
  • Kharnadzeen. - "Estrangeiro"
  • ESH HERYA. - "Eu amo Você" - ou - "Sua mãe é gorda como um trem"
  • Turka Turka. - "Encontre um turco para por a culpa" - ou - "Foda-se"
  • Toooooooooo! - "Ebaaa!"
  • Doo kahtz ess. - "Gostosa"
  • InchNeretz Vorick - Vai tomar no cu
  • Grababrushandputalittlemakeup - Não enche
  • Digbipoiafiatlupoikukte - oi
  • Ehska shure heyras ju iskej - Como vai você?
  Armênia
HistóriaGeografiaDemografiaPolítica
SubdivisõesEconomiaMoedaTurismo
CulturaBandeiraBrasãoHino
Europa
v d e h

Países: Albânia | Alemanha | Andorra | Armênia | Áustria | Azerbaijão | Bélgica | Bielorrússia | Bósnia e Herzegovina | Bulgária | Cazaquistão | Chipre | Croácia | Dinamarca | Eslováquia | Eslovênia | Espanha | Estônia | Finlândia | França | Geórgia | Grécia | Hungria | Irlanda | Islândia | Itália | Letônia | Liechtenstein | Lituânia | Luxemburgo | Macedônia do Norte | Malta | Moldávia | Mônaco | Montenegro | Noruega | Países Baixos | Polônia | Portugal | Reino Unido (Escócia - Inglaterra - Irlanda do Norte - País de Gales) | Romênia | Rússia | San Marino | Sérvia | Suécia | Suíça | Tchéquia | Turquia | Ucrânia | Vaticano

Territórios: Abecásia | Açores | Akrotiri e Dhekelia | Åland | Chipre do Norte | Crimeia | Gibraltar | Ilha da Madeira | Ilha de Man | Ilhas Canárias | Ilhas do Canal | Ilhas Faroé | Jan Mayen | Kosovo | Ossétia do Sul | País Basco | República de Artsaque | Svalbard | Transnístria

Ásia
v d e h

Países: Afeganistão | Arábia Saudita | Armênia | Azerbaijão | Bahrein | Bangladesh | Brunei | Butão | Camboja | Cazaquistão | China | Chipre | Coreia do Norte | Coreia do Sul | Egito | Emirados Árabes | Filipinas | Geórgia | Iêmen | Índia | Indonésia | Irã | Iraque | Israel | Japão | Jordânia | Kuwait | Laos | Líbano | Malásia | Maldivas | Mongólia | Myanmar | Nepal | Omã | Paquistão | Qatar | Quirguistão | Rússia | Singapura | Síria | Sri Lanka | Tadjiquistão | Tailândia | Timor-Leste | Turcomenistão | Turquia | Uzbequistão | Vietnã

Territórios: Abecásia | Caxemira | Chipre do Norte | Coreia | Curdistão | Estado Islâmico | Goa | Hong Kong | Ilhas Spratly | Macau | Manchúria | Ossétia do Sul | Palestina (Cisjordânia e Faixa de Gaza) | República de Artsaque | Taiwan | Território Britânico do Oceano Índico | Tibete