Abrir menu principal

Desciclopédia β

Arraial do Cabo

Rioband.jpg Coé, merhmão, eshte arhtchigo eh CARIOCA!

Não vandalize, senão a chapa vai ficarh quentche, cara. Agora deixa eu irh na praia pegarh um bronze nesse sol de 50 graush, comendo unsh bishcoitosh.

NovoWikisplode.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Arraial do Cabo.
Duvido que você conquiste no War

Arraial do Cabo é localizado a esquerda do fim do mundo, próximo do nada e é aonde a estrada acaba.

Cquote1.png Você quis dizer: Cabo Frio Cquote2.png
Google sobre Arraial do Cabo

Cquote1.png Foi lá onde perdi as minhas botas...eu tava muito doido! Cquote2.png
Judas sobre Arraial do Cabo

Cquote1.png É minha propriedade! Cquote2.png
Melman - ex-prefeito de Arraial do Cabo sobre Arraial do Cabo

Cquote1.png Arraial 1 real é a cabeça do meu pau! Cquote2.png
Salineira - única empresa de transporte público da cidade sobre Arraial do Cabo

Cquote1.png Você traiu o movimento cabista, véio. Cquote2.png
Dado Dolabella sobre Arraial do Cabo

Cquote1.png Isso no Ecziste! Cquote2.png
Padre Quevedo sobre as praias de Arraial do Cabo

Cquote1.png É onde o vento faz a curva! Cquote2.png
Ventiladores Arno sobre Arraial do Cabo


Índice

DescriçãoEditar

Arraial, ao contrário do que você pensa, não é uma festa Caipira com quentão e milho verde que acontece nos meses de Junho e Julho. Arraial é uma pequena cidade no Litoral Fluminense, onde encontramos sua incrível infra-estrutura que conta com 2 mercados, 1 padaria, 3 botecos, 2 praças, 50 praias e 130 igrejas. Arraial do Cabo foi o primeiro local onde os Portugueses se meteram a besta no Brasil.


O nome diz tudo, ainda pertence a Cabo Frio, o município da Região Carioca-Mineira-Brasileira que já foi dono de quase todas as cidades, e virou um povoado perdido no tempo e no espaço, colonizado no passado por vários povos (Tangarês, Mongóis, Hackers, Jogadores do Vasco, moradores de Nárnia...), mas todos que foram para a pequena cidade, eram a escória de cada povo, com isso o povo dessa cidade cabofriense tem muita história pra contar...

 
Repare que o pobre cabo está partido.

Povo pescador e pescador, um cabista (quem nasce em Arraial do Cabo Frio) de verdade não sabe para que serve uma calçada, por isso só anda no meio da rua, também não podem ver uma gaivota (Gaviota) mergulhado em busca de seu alimento (peixe) de bico vazia, que o povo num tom harmonioso dá uma bela usca galo (vaia local), e também não podem ver um outro semelhante (cabista) crescendo que logo ficam de olho grande com o crescimento do seu semelhante, chegando a esquecer si próprio e apenas ficando preocupado com o crescimento alheio, muitas vezes ficando feliz com o afundamento alheio.

O TurismoEditar

Ultimamente a cidade vem sendo alvo de um grande estudo ufológico. Depois do carnaval de 94, a cidade vem estranhamente sofrendo ataques de uma espécie que até então eram apenas vistas em Nova Iguaçu, Belford Roxo, Madureira, Bangu, São Gonçalo e outros territórios espaciais como a galáxia de Kellys Greicy e orion de Uóxitom. Esses seres, tem o período de ovulação que geralmente ocorre em todo feriado ou férias coletiva de verão,acredita-se que fazem rituais de acasalamento. . Cientistas da Estáfácio de Sá Genius University tentam descobrir o motivo da causa, mas ja foi comprovado que existe um dialeto ritmico e gestual que a semiótica tenta explicar com os nomes Funk, axé e Pagode e ja se sabe que há um grande bando que chega a cidade utilizando uma vestimenta que remetem a uniformes com listras preto e vermelho em naves transformers que se passam por kombis, ônibus, vans, fuscas e chevetes. Outra forma de identificar esses alienígenas, é pelo grito de guerra que aterroriza a população com frases apocalípticas como " uh é furacão, uh uh é furacão". Velhos moradores da cidade acreditam que esse é o motivo por ventar tanto na cidade.

Apesar desse desconforto intergaláctico que a cidade vive em épocas de veraneio, a cidade de Arraial do Cabo tem muito valor histórico. O primeiro cara a vim curtir uma praia em Arraial do Cabo foi Pedro Alvares Cabral, muito conhecido na cidade como Pedrogas ou Pedro de finado Fernão Gigante (pai do rapaz). Pedrogas, muleque doido e jogador do Clube de Regatas Vasco da Gama, em umas de suas viagens muito doidas, acabou parando em Arraial do Cabo, que na época ainda se chamava em Tupi/Guarani de friacanopau, ou em português de Portugal, Cabo Frio. Depois da chegada histórica de Pedrogas naquelas dunas muito doidas, muita gente também quis saber o quê que o cabista tem.

 
Posh depois de visitar o Arraial do Cabo, aproveitou e provou da comida local. No pescoço da mais bela representante deste fim de mundo, Flávia Alessandra.

O PovoEditar

 
Morador do Arraial do Cabo aproveitando a safra de banana

Segundo o Orkut, Arraial tem 12 mil habitantes, sendo 8 mil com foto e 4 mil sem foto, todos com sexo indeterminado, porque no Orkut não tem as opções "bate bife", baitola ou assexuado, digo, otaku. Chame alguém de Galo que fará parte dessa rica nação ou seja, o povo é um galinheiro. Já que estamos num arraial tem muito milho verde no paiol comunitário da cidade onde são feitas exelentes pamonhas. Esse arraial tem também uma plantação de mandioca muito gigante e um monjolo para fazer farinha e a refinaria é do Comando Vermelho

Distrito de FigueiraEditar

 
Sinal de celular em Figayra!

É um lugar frio pra caralho, que só passa onibus uma vez por dia, que consiste numa faixa litorânea de 30 cm de areia entre o Oceano Atlântico e a bacia de esgoto, digo, a Lagoa(Laguna para os nerds) de Araruama. Tem uns matagais esquisitos onde se escondem viados, chupa-cabras, e onde geralmente as minas visitam antes de ficarem grávidas porque lá não tem motel, só moitel.

LinguagemEditar

O cabistez é descendente do guatemalês de Portugal da parte dos otakus, ele é falado fluentemente por todos que lá moram. O cabistez original tem como exemplo as palavras "atcheza", "galo", "usca" entre outros verbetes, e possui frases de gírias como "quié djele", "uh edjia!", "cala boca com isso", "peixiniu fritu", "tomei café agora", "pãozin com mantchega ou intão com carnindentro", "lasca e bréia", "desalteia um tim tim o som", " A imprenssadeira do computador", entre outras maravilhas da linguagem rústica local. Mas o hábito mais idiota mesmo é o de vaiar. Eles começaram vaiando gaivotas (Gaviotas) na Praia dos Anjos. Quando viram que as gaivotas (Gaviotas) não davam a mínima pra eles, então começaram a vaiar uns aos outros. Vaiam visitantes, turistas, artistas que vem fazer show na cidade, autoridades em seus palanques. Enfim, como eles notam que ninguém fala a língua deles, então eles usam a vaia. Só que a vaia cabista é diferente também. Em todo o mundo a vaia é a mesma: "Uuuuhhhhhhhhhh". Mas o cabista vaia falando "Usca". Isso mesmo. Usca. Não é um barato? Outro ponto interessante é uma gíria usada como ofensa local. Chamar alguém de "cu cagado" é como insultar todas as suas gerações passadas, ofender sua mãe duas vezes e chutar seu saco. Em sua próxima viagem não perca a oportunidade de visitar essa tribo que fica logo alí depois de Niterói no final da Região dos Lagos.


...e até hoje ninguém sabe quem pegou no cabo para ver se é frio.