Abrir menu principal

Desciclopédia β

Aurora (Santa Catarina)

Ponte-HLuz.jpg Se quésh quésh, se non quésh, dish!

Este artigo é catarinense! Já entrou em coma alcoólico na Oktoberfest, sabe o que é boi-de-mamão, tem um poster do Guga e pensa que é alemão!

Venha para o lado barriga-verde da força você também!

Cquote1.png Aqui por acaso é o Rio Grande? Cquote2.png
Noob sobre Aurora

Os laços são os tradicionais intestinos de porcos pintados e pendurados que decoram aurora

Aurora celestial é mais um dos município brasileiro do estado de Santa Catarina. Sua população estimada em 2004 era de 5.170 habitantes, ou seja, ela é menos de 8 mil pessoas que moram nesse fim do mundo.

Suas características

Numa cidade em que apenas 10% da população vivem nas áreas urbanas, destacam-se os belos jardins, herança dos colonizadores. Outras 90% da população vivem nas favelas (ou não).

A sua história

O primeiro colonizador a chegar na localidade foi o alemão Otto Wehmuth que não tinha mais nada de importante de sua vida para fazer, descobriu isto em 1910. Otto morreu em um desastre pouco depois bebendo gasolina pensando que era álcool de cachaça, mas logo vieram as famílias Strey, Schoeninger, Gunther e Kruger, tendo os mesmos costumes de bebedeira que o Otto tinha. Os colonos bebados denominaram o lugar de Lautembarch e somente em 1943 o nome foi trocado para Aurora. No início, a mata fechada da região dificultou o estabelecimento dos imigrantes, que praticavam a agricultura de subsistência. Com o tempo, ampliaram as terras cultivadas. A principal fonte de renda continua sendo a agropecuária, pois carne de boi vale mais do que venda de drogas, ao menos naquela região.

E o seu turismo

Flores mal-cheirosas nas janelas, jardins bem-tratados com ervas-daninhas e organização embelezam Aurora, fazendo da própria zona urbana um local agradável para passeios, menos nos dias de alagamento existentes naquella cidade. Cerca de 90% dos habitantes vivem no campo, onde se produz cebola, fumo, batata-doce, batata-inglesa, milho, melancia, uva, tomate e arroz, além de maconha e coca, apesar desses 2 itens nunca serem incluidos por certos motivos judiciais. A piscicultura e a criação de caprinos, coelhos, gado de corte e leiteiro, suínos, aves e abelhas com ferrões venenosos contribuem para a economia do município, embora a venda de carnes de animais valerem mais do que produtos removidos na terra, tipo trigo e milho que não vale nada, NADA... ao menos por aqui.