Abrir menu principal

Desciclopédia β

Bóhrio

Massacration.jpg Este artigo é metálico!

Ele é revestido ou banhado a algum metal ou liga que se encontra na tabela periódica. Se você corroer este artigo, Mordekaiser vai exterminá-lo!

Cquote1.png Você quis dizer: Bário Cquote2.png
Google sobre Bóhrio

Bóhrio (em homenagem a Niels Bohr, um físico dinamarquês viciado em chocolates) é um elemento químico de número atômico 107, que serve apenas para fazer lembrar desse cientista que contribuiu para a química aumentando a preguiça dos alunos do ensino médio.

Bohr e Einstein: "Pois é Bertinho, eu sei que você tem fama de garanhão aqui na Alemanha, mas lá na minha Copenhague sou eu que pego geral"

HistóriaEditar

O bóhrio (eita nome difícil de soletrar) foi sintetizado pela primeira vez em 1976 pela mesma equipe do Instituto de Pesquisas Nucleares de Dubna, que era formada pelas únicas pessoas autorizadas pelo governo comunista a estudar química. Foi produzido o isótopo Bh-261 bombardeando bismuto rosa-204 com cromo colorido-54 que vivia apenas de 1 a 2 minutos, quase o prazo de preparo de um macarrão q-nojo.

Só que em 1981 uma equipe de pesquisadores trolls de Darmstadt na Alemanha confirmou as pesquisas soviéticas, porém criando um isótopo totalmente diferente, o que fez os russos dizerem FFFFFUUUUU e terem que repetir as pesquisas.

Os alemães que pegaram carona no serviço alheio sugeriram para o elemento esse nome bóhrio, um tributo ao supracitado físico dinamarquês que complica a vida dos estudantes de química com seu modelo atômico do elétron que fica dando rodadinha no núcleo, porém os russos queriam dar esse nome ao elemento 105, o que não fazia a menor diferença.

O nome do elemento só foi decidido em 1994, quando os pesquisadores nem se lembravam mais dele. O nome escroto acima foi confirmado, recebendo o símbolo atômico Bh de Belzonte.

CaracterísticasEditar

O bóhrio é um elemento radioativo, transurânico, de aspecto prateado, provavelmente metálico, provavelmente sólido e verdadeiramente inútil. O Bh-262 é o seu isótopo mais estável com uma meia-vida de 102 minutos, que é o tempo suficiente para se comer um grande chocolate dinamarquês.