Abrir menu principal

Desciclopédia β

Bancários (Rio de Janeiro)

Bandeira rj.jpg Coé, merhmão, eshte arhtchigo eh CARIOCA!

Não vandalize, senão a chapa vai ficarh quentche, cara. Agora deixa eu irh na praia pegarh um bronze nesse sol de 50 graush, comendo unsh bishcoitosh.

Bancários?

Cquote1.png Você quis dizer: Ilha do Governador Cquote2.png
Google sobre Bancários (Rio de Janeiro)
Cquote1.png É lá que eu sou obrigado a morar? Cquote2.png
Noob em seu primeiro dia trabalhando no Bradesco

Bancários é um bairro de classe média da Zona Norte do Rio de Janeiro. Fica dentro da Ilha do Governador e é daqueles bairros que se você for pegar ônibus e perguntar pro morotista se o busão passa por lá, ele vai dizer ahn!? onde!? ou no máximo ah, na Ilha do Governador?

O bairroEditar

 
Salário de um bancário que mora em bancários. Quando ganha um milhão, é em barras de parabéns, que valem mais do que obrigados.

Surgiu de um amontoado de pessoas, vide, um conjunto habitacional construído por um sindicato de bancários aposentados, para fazer com que esse povo que trabalha lentamente nos bancos e que só mexe com dinheiro, mas não fica com ele, pudesse ao menos ter uma casinha decente (ou não). Daí foi realizado um grande protesto, algo em torno de 3 pessoas, em frante à uma agência do Banco Itaú forçando que os banqueiros construíssem em algum lugar do Rio de Janeiro um santuário de ex-bancários que hoje não passam de suga-grana da Previdência Social.

Depois de muita apelação, e de uma ou duas vidraças quebradas, os bancos se sensibilizaram e decidiram dar uma graninha pro Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Bancários, isso em 1950. Como todo sindicato desses, depois de um pequeno desconto na quantia para o organizador, acharam um terreno na Ilha do Governador e começaram a erguer prédios adoidado.

Os bancários mais ricos, obviamente não vão morar lá, até porque bancário que é bancário ganha 6 mil por mês e pode bancar um lugar mais bonitinho para morar. Mesmo que seja do outro lado do mundo, também pode bancar um carro qualquer e depois é só correr pra caralho no trânsito carioca pra chegar na hora no trabalho. Mas, os desafortunados que trabalham em bancos falidos ou de empréstimo, não tem outro jeito...

Uma curiosidade é que não há nenhum banco por lá. Bom, ter até tem, aqueles suga-dinheiro alheio tipo o Banco BMG, que oferece empréstimo com pagamento parcelado até o fim de sua vida. Uma probabilidade é que os bancários que lá vivem querem ficar o mais distante de banco possível quando estiverem em sua casa. Mas o fato é que só ficam distantes do dinheiro do bando mesmo, porque do banco é impossível ficar longe.

Passatempo do bairroEditar

 
O primeiro bairro do Brasil onde a sede do espírito de todos não está no próprio bairro, mas sim em Santa Cruz: a Casa da Moeda.

Geralmente os filhos dos bancários brincam de fazer aviãozinho com os envelopes de depótito dos estratos de saque dos bancos, além de tradicionalmente queimarem isso na fogueira durante a festa junina. Uma greve também pode ser organizada, onde a ffesta do quebra-quebra, onde um banco qualquer é escolhido para ser todo quebrado e assim os funcionários descontarem sua raiva é escolhido. Mas, como não tem banco em bancários, isso normalmente ocorre na Ilha do Governador. Mas os dois bairros são a mesma bosta mesmo, então...Não tem diferença.

A economia lá é movimentada pela venda de cartinhas de atendimento legal do Banco Santander ou de cartilhas de planos de capitaliação do Bradesco ou Itaú por parte de um bancário para o outro. Golpes contra os aposentados também movimentam a economia, porém o dinheiro acaba sendo gasto em outros bairros. Outra coisa que movimenta dinheiro é o comum roubo de fios elétricos para vender para ferros-velhos, o que também passou a deixar o ramo de clínica de tratamento de queimaduras um negócio interessante para se investir na região.

Ver tambémEditar