Abrir menu principal

Desciclopédia β

Barra do Corda

Barra do Corda é uma cidade que, apesar de ser razoavelmente grande, é extremamente sem graça, pois não possui sequer uma balada decente para os adolescentes encherem a cara e ficarem dançando a noite inteira. Na verdade, além de não possuir baladas, Barra do Corda também não possui barzinhos, pontos de encontro badalados, restaurantes legais, praças públicas movimentadas, teatros... Enfim, a única coisa que tem nesse fim de mundo são alguns poucos lugares públicos onde a população pode fazer piqueniques com bolo de cenoura e bebidas suspeitas sem pagar nada, já que o povo de lá também não tem dinheiro... Enfim, Barra do Corda não possui porra nenhuma além de dois rios poluídos pelas fezes daqueles ribeirinhos imundos. Em outras palavras, se você, caro leitor, tiver menos de 100 anos, não vá para esse fim do mundo, pois irá se arrepender amargamente.

Índice

HistóriaEditar

 
Caminhão-pipa chega em Barra do Corda - Momento de emoção e alegria geral na cidade, que dura até o próximo período de seca.

Apesar de ser apenas uma bostinha que não possui nada de interessante construído, Barra do Corda é mais velha do que muita gente pensa. Afundada em 1835 por um jagunço atoa, Barra do Corda sempre foi um terreno improdutivo. No princípio, o tal jagunço até tentou plantar algumas mandiocas e bananas por lá para se divertir, porém, não obteve sucesso.

Apesar da decepção de não ter conseguido os seus alimentos fálicos, o tal jagunço, que era bem cabeça-dura, decidiu que iria tentar transformar aquele latifúndio inútil em uma verdadeira cidade. Infelizmente, ele morreu estando bem longe de conseguir tal feito, porém, lá do inferno, ele ainda acredita, que algum dia, Barra do Corda será uma cidade tão grande quanto Mirandópolis. Só em sonho mesmo...

Alguns anos após a morte desse jagunço, alguns lobos-de-guerra que tinham tomado tiros de carabina no peito após uma rixa caipira chegaram no terreno de Barra do Corda. Obviamente, eles não queriam ficar naquela corrutela, porém, como os ferimentos estavam muito profundos, eles não teriam forças suficientes para chegar em São Luís. Então, mesmo estando às portas do inferno, onde o antigo jagunço os esperava, esses bravos guerreiros caipiras construíram alguns barracos, o que serviu para eles descansarem e tratarem os ferimentos.

Estando curados, como bons caipiras, esses sujeitos começaram foram até a cidade vizinha e pagaram por algumas putas pagas, afinal, eles já estavam na seca faz tempo. Nove meses depois, nasceram os descendentes desses caipiras, que eram legítimos filhos da puta. Quando cresceram, esses descendentes provaram que não eram nada espertos, pois, ao invés de fugirem para alguma cidade melhor, eles resolveram permanecer em Barra do Corda, para ajudar no desenvolvimento da região (Ai, que burros, dá zero pra eles!).

Nos dias de hoje, esses descendentes que começaram o desenvolvimento de Barra do Corda já foram completamente devorados pelas minhocas após terem sido enterrados em túmulos rasos após suas mortes, porém, os filhos deles, que também provaram não ser nada espertos, continuam se ferrando em Barra do Corda, tentando transformar essa fazenda isolada em uma cidade decente - Coisa que está bem distante.

EconomiaEditar

Acha mesmo que esse lugarejo no meio do nada possui uma economia? MWAHAHAHAHAHA! HAHAHAHAHAHAHA MWAHAHAHAHAHA! Até a economia de Araponga é mais forte que a de Barra do Corda.

PolíticaEditar

Nada de mais, apenas muita compra de votos por todos os lados. O prefeito de lá é um cara que apesar de ter a única mulher bonita da cidade, fica dando ré no kibe.

EducaçãoEditar

 
A escola mais moderna (e a única) de Barra do Corda.

A educação em Barra do Corda é muito boa. Todos os dias, os moradores da cidade tem aulas de matemática, quando são obrigados a contar em quantos milharais já passaram a peixeira.

SaúdeEditar

É muito boa. Quando alguém espirra, a cidade inteira fala "Saúde!".

TransportesEditar

Atualmente, a prefeitura de Barra do Corda juntou a carroceria de um ônibus que foi queimado em São Paulo com o motor de um Chevrolet Opala semi-novo. O resultado disso é que Barra do Corda ganhou o seu primeiro transporte público em 200 anos de existência.

Também tem os Costo-táxi que são 3 caras que cobram para levar as pessoas nas costas de um lado ao outro da "cidade". E há uma previsão de que chegue uma frota de jumentos novos na cidade para funcionar o aplicativo Juber no ano de 2027.

Barra do Corda não possui, como já era de se esperar, asfalto. Pavimento só passa em frente a casa do prefeito, de seus familiares e amigos, saneamento nem se fala, só mato e jumentos soltos pelas ruas.