Abrir menu principal

Desciclopédia β

Bloodstained: Ritual of the Night

Virtualgame.jpg Bloodstained: Ritual of the Night é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, um n00b faz uma Steel Longsword.


Castlevania: Bloodstained - Ritual Trevoso da Noite
Bloodstained cover.png

Capa do jogo

Informações
Desenvolvedor Konami Koji Igarashi
Publicador 69 Games
Ano 2019
Gênero Castlevania genérico
Plataformas PS4/Xbox One/PC
Avaliação 10/10 (só na cabeça dos fãs de Castlevania)
Idade para jogar Livre

Castlevania: Bloodstained Ritual of the Night é o décimo sétimo jogo da aclamada franquia Castlevania, tratando-se de um remake do clássico da era dos 8-bits do NES, o Castlevania III: Dracula's Curse Bloodstained: Curse of the Moon. Desenvolvido pela Konami (embora posteriormente a empresa tenha preferido manter o anonimato) e com sua produção liderada por Koji Igarashi (que estava desempregado), o jogo pode ser lançado para PlayStation 4, Xbox One e até mesmo para o Nintendo Switch, sem ser exclusivo de nenhum deles.

Índice

DesenvolvimentoEditar

 
Logo no começo do jogo, Miriam já precisa escapar de tentáculos estupradores.

Tudo começou em 2014 quando Koji Igarashi ficou desempregado e decidiu lançar uma campanha no www.mendigando-esmola.com onde prometeu que faria um novo Castlevania se reunisse 5 milhões de dólares. Em apenas um dia de campanha ele já havia angariado 1,5 milhões de centavos de dólar, doados pela Konami, e depois precisou de mais uns 5 anos pra reunir os outros milhões. No meio do caminho, só pra não deixar os fãs esperando, lançou um rascunho do jogo chamado Bloodstained: Curse of the Moon, visto que muitos já até tinham morrido após tanto esperar, muitos por overdose de Doritos com Coca Cola entupindo suas veias e aortas.

A recepção ao primeiro trailer do jogo foi altamente negativa. Gráficos toscos e genéricos davam toda a sensação de que seria só mais um Mighty No. 9 da vida, mas Koji Igarashi não desanimou e adiou o lançamento do jogo para deixar os gráficos menos esculhambados. Todos os cenários, monstros e personagens ficaram como se estivesse besuntados em azeite de tão brilhosos, e aí sim a recepção foi altamente positiva.

JogabilidadeEditar

 
Quando derrotados, os inimigos podem deixar uma pedra de crack para o consumo de Miriam.

Bloodstained é um jogo de plataforma clássico ao estilo Metroidvania, o que significa que o jogador só tem duas opções: ir para a direita, ou ir para a esquerda, enquanto explora um enorme castelo e precisa ficar voltando sempre para os mesmos lugares de novo e de novo, e de novo...

Neste jogo você pode pular, dar golpes de espada (ou de seja lá o que tiver na mão), dar duplos pulos, se teletransportar curtas distâncias, virar o mundo de ponta-cabeça pra poder andar nos tetos, parar o tempo, etc.

Mas o que torna esse jogo tão único são as 127 magias disponíveis. Todas elas são literalmente enfiadas na personagem ao adquirir, e delas, você só vai precisar de uma, chamada: Moedor de Hereges.

EnredoEditar

O jogo se passa na Inglaterra da Revolução Industrial, onde uma jovem donzela sequelada chamada Miriam precisa descobrir como convencer o irmão a deixar de ser um completo emo. Nesta época de grande explosão cultural na Europa, Miriam vai encontrar durante sua aventura diversos tipos de seres altamente odiados e medonhos, como otakus, sadboys, micareteiros, góticos, funkeiros, terraplanistas, pagodeiros, fãs de k-pop e até inscritos do canal do Felipe Neto; em outras palavras, toda a corja do Inferno que agora quer tomar o controle do planeta Terra.

Os culpados de terem aberto as portas do Inferno foram alguns usuários de chan que compartilharam pornografia infantil, também chamados alquimistas. Eles não apenas abusam de crianças, como também tatuam flores multicoloridas em seus corpos, e Miriam e Gebel foram duas dessas crianças abusadas. A diferença é que Gebel cresceu e se tornou um emo incel depressivo que agora quer se vingar da humanidade, enquanto Miriam apenas se tornou uma basic bitch.

Em sua jornada para extirpar os demônios do mundo, matando até lolzeiros na sua missão purificadora, Miriam vai ter a ajuda de Johannes, um nerd élfico que, apesar de ter tirado seu diploma de alquimista em Brasília, também é contra esses lixos como forró e axé. Outra ajuda é a da IURD, que vai mandar uma pastora gostosa chamada Dominique para vender todo tipo de tranqueira religiosa, como sais ungidos de Israel e pedras do Templo de Salomão.

No final Miriam descobre que Dominique virou ateia, e como todo bom ateu recém desconvertido, a loira se tornou uma insuportável, soltando aquelas velhas frases de que "Deus é só um amigo imaginário", que "quer matar deuses" e toda aquela baboseira. Como ela se tornou mais um ateu de Facebook, automaticamente virou um ser altamente odiado, enchendo até a cabeça do último chefão do jogo.

PersonagensEditar

 
  Bandido bom é bandido morto!  
Os NPCs do jogo são muito determinados sobre o que desejam...
  • Miriam - A protagonista do jogo. É uma hipster que, ao contrário de todos seus amigos de infância, é imune à qualquer modinha. Ela é o tipo de pessoa que jamais gostou de LoL, Fortnite, k-pop, canais ateus de Youtube, canais religiosos do Youtube, enfim, nunca apoiou qualquer tipo de porcaria. Por ter perdido só uns dez anos dormindo, quando acorda não entende porra nenhuma dessas coisas, e acaba tornando-se a única capaz de impedir que os demônios (otakus nervosos, cornos irritados, forrozeiros, funkeiros que escutam som alto no ônibus e toda sorte de capeta) dominem a Terra.
  • Johannes - Nerd virgem que é o escravoceta de Miriam. O cara cozinha para ela, cria itens para ela, melhora os cristais dela, forja armas pra ela, e até desmonta os bagulhos, mas vai morrer tranquilo na friendzone mesmo.
  • Dominique - Pastora gostosa que passa 99% do tempo do jogo em sua lojinha vendendo porcarias da igreja... até que, numa incrível reviravolta nos 45 do segundo tempo, ela se revela a grande vilã e vira uma ateia de Facebook, militando contra a crença de Deus com aqueles mesmos velhos argumentos de que "Deus nos esqueceu", "como Deus pode permitir o mal no mundo", "Deus não faz nada", "Deus é amigo imaginário" e outros jargões de ateu recém desconvertido. Termina tomando um monte de porrada e morrendo empalada numa suruba com um índio pele vermelha, um gato gigante e um sapo.
  • Zangetsu - Um personagem de outro Castlevania que acabou por engano nesse jogo. É o samurai bombado que tem algum senso de honra mas fica variando entre ser amigo e inimigo (típico anti-herói). Perto do fim, ele deixa Miriam pegar na sua espada (ui) e vai embora, alegando que o jogo ficou chato demais... Contudo, também é um personagem jogável (no modo "seresteiro das noites").
  • Gebel - Irmão de Miriam que, ao contrário dela, não lidou muito bem com os abusos sexuais que sofreu quando criança. Por isso se tornou um emo incel que quer se vingar da humanidade soltando demônios de todas as espécies no mundo. Ele então organiza um baile funk em seu castelo, e agora cabe a Miriam coibir essa atrocidade. Independentemente do final previsto, ele acaba seduzido por um pokémon lunático de 10 braços chamado Gremory, e morre miseravelmente após tomar dez dedadas no cu duma vez.

Alguns chefesEditar

 
Imagem raríssima de Miriam em uma sessão espírita - 1857, colorida.
  • Vepar - Uma mocreia das águas, que tava lá no mar de boas até ser invocada pelo Gebel para que ele pudesse se escafeder e não tomar um cacete logo no início do jogo.
  • Samurai doidão que sai fatiando todo mundo - Olha, o nome mesmo do sujeito é Zangetsu Philips Walita, mas como esse aqui já foi citado, é melhor não ficar repetindo.
  • Craftwork - Um negócio que não se sabe ao certo se é uma aranha, ou um monte de cacos; porém Miriam sabe e usa isso posteriormente como uma mão gigante (o resto fica por sua imaginação).
  • Andrealphus - Chefe que entrou no jogo pelas cotas LGBT disponíveis e que por isso dispensa comentários.
  • Valac - É um tipo de dragão de duas cabeças, cujos objetivos principais são guardar as torres gêmeas e tentar comer a Miriam por cima e por baixo.
  • Glutton Train - Máquina do capeta que só deixa você a derrotar se tiver uma foto 3x4 bonita pra embarcar. É o mesmo trem que certa vez inspirou Ozzy Osbourne.
  • Bathin - Chefe que acha que é o mais rápido do mundo. Solta raios laser pra tudo que é lado, e eles saem até do rabo do bicho.
  • Bloodless - Este nome com certeza não faz jus ao demônio em questão. Assim como Elizabeth Báthory, ela é a mardita de vermelho que adora se banhar no sangue de virgens feito o jogador.

A lista de chefes continua, dependendo de quantas DLCs foram compradas. Ela chega a incluir até mesmo o próprio Igarashi que, após concluir os detalhes finais do jogo, se escondeu em algum lugar do castelo e tá só esperando a melhor hora para pegar os noobs.