Botswana

Boer-Tswana
Endland of Botswana
Safari Zone da Botswana
Bandeira do Botswana
Brasão de Armas do Botswana
Bandeira Brasão
Lema: Elefantes! Protejam-nos
Hino nacional: Olha o Gnu!! Ali tem um Leão!!

Localização de Safari Zone da Botswana

Capital Gaborone
Cidade mais populosa Safari África
Língua Rugidos, gritos e gestos
Religião oficial Crença no Deus-Elefante
Governo Militar
 - Dono do Safari Festus Mogae
Heróis Nacionais Dumbo, o super elefante e o macaco Zina
Área  
 - Total 600.370 km3 km² 
 - Água (%) 0
Analfabetismo 90 
População 12 
PIB per Capita 1.000 
IDH
Moeda Gramíneas
Fuso horário Animais não calculam hora
Clima Seco de cerrado
Website governamental Animais não entram em internet


Botswana é uma vila de 581.730 km² que fica no interior da África. O país é constantemente mostrado naqueles programas aleatórios de vida selvagem em canais de pessoas que usam Gatonet em suas residências. Por muito tempo uma região desconhecida, a Botswana tornou-se independente para tentar ser algo de renome no mundo, algo em que falhou magnificamente porque até hoje ninguém conhece este adorável mas desconhecido país, onde fica, qual é a sua língua, qual sua bandeira, nada, absolutamente nada mesmo. Por exemplo, você sabe qual é a capital do Botswana?! O que!? Você disse Gaborone? Mhm... bem, não sei como você conseguiu, mas a resposta está correta.

HistóriaEditar

 Ver artigo principal: História do Botswana

Tribo tswanaEditar

Originalmente habitado pela tribo tswana, foram 24 séculos de domínio dessa gloriosa civilização e absolutamente nada de bom foi feito em Botswana, nenhum prédio, nenhuma pirâmide, nenhum texto sobre astronomia, nem mesmo qualquer variedade decente de roupas confeccionadas a partir de peles de zebra. Mas para não sermos injustos e fazer parecer que esse povo eram uns completos inúteis, os tswanas inventaram algo muito legal, eles inventaram a dança axé que consiste em mover os braços e os quadris de forma desconexa imitando um calango manco com reumatismo. Não importa onde você pesquisar sobre os tswana, você só vai encontrar eles dançando, os antropólogos afirmam que eles só fazem isso, dançar.

Agora a revelação mais bombástica é que existem mais tswanas na África do Sul do que na própria Botswana onde na verdade nem existem tantos tswanas assim.

BechuanalândiaEditar

 
Botswana de um modo geral.

Em 1885, uma convenção de cartógrafos visando adequar as fronteiras interiores da Namíbia a certas observações trigonométricas criou um vácuo no interior da África onde nem os colonizadores imperialistas tinham paciência em ir visitar. Para não deixar o mapa com um pedaço sem colonizadores, a Botswana é transformada em um quintal protetorado britânico com o nome ridículo e ofensivo de Bechuanalândia ("terra do cu do bechu"). A sacanagem de terem escolhido um nome tão idiota foi uma ideia bem sucedida dos ingleses em evitar que muitos sul-africanos migrasse pra região (ninguém desejaria viver na terra do cu do bechu, seja lá quem for esse tal de bechu que até hoje não se sabe quem foi.

A Bechuanalândia não passava de um deserto para onde, ao longo do século XIX, se refugiavam os bôeres e zulus da África do Sul. Não era necessário nem 3 meses para esses refugiados voltarem para a África do Sul onde poderiam usufruir da perseguição racial, miséria e fome, um paraíso se comparado ao que sofreram nos desertos inóspitos e abandonados da Bechuanalândia.

Quanto à colonização britânica, nos 81 anos de domínio (1885 a 1966) jamais um britânico realmente pisou na Bechuanalândia, e nenhum habitante local reclamou durante esses anos todos.

IndependênciaEditar

A Botswana conquista sua independência em 1966 porque naquele ano eles resolveram pedir isso e o Reino Unido que nem sabia da existência dessa colõnia simplesmente deixou. De forma inédita a Botswana não foi implodida a exemplo do processo de independência de seus vizinhos, os 5 soldados do país combinaram não começar uma guerra civil pois eram pobres demais para matar alguém. De qualquer forma, o imenso exército botswanense iniciou um projeto militar ultra secreto em utilizar crocodilos radioativos com jetpacks para lutar contra quaisquer invasores, mas como nenhuma guerra de independência ocorreu nunca a humanidade viu esse armamento sendo utilizado.

O que Botswana conseguiu com a independência foram mais refugiados sul-africanos, dessa vez devido ao apartheid, mas novamente os sul-africanos não precisavam ficar nem 1 mês na Botswana para decidir voltar para a paz de ser perseguido e segregado racialmente na África do Sul.

Eventos recentesEditar

Cresce no interior do país a resistência dos bosquímanos (o MST botswanense) que reivindica a posso de jazidas de diamante. O governo porém nacionalizou aquelas terras e as vendeu para o FMI o quer tornou a Botswana o país mais rico da região.

A crise econômica mundial de 2009 termina por decretar a falência de Botswana que se tornou um dos estados da África do Sul como única saída.

GeografiaEditar

 
Habitante local (esquerda) precisando aturar as maluquices do turista (direita).

Botswana é uma ilha, mas ao invés de ser cercado por água é cercado por países pobres. A Botswana faz tanta questão de ter fronteiras com países pobres que inventou uma cidade chamada Kazungula apenas para fazer questão de ter uma fronteira com a Zãmbia, algo que era completamente desnecessário.

Botswana, como muitos podem deduzir, veio da Gondwana, aquele continente ridículo do tempo da Pangeia no qual a Botswana ficava bem no centro completamente distante do oceano, como está até hoje. Até hoje nenhum ser racional conseguiu entrar em Botswana pois existe uma camada radioativa que impede de seres humanos de conseguirem penetrar em seus domínios, por isso os ingleses nunca realmente colonizaram lá. Tem gente que vive por lá, mas são apenas veterinários, guardas florestais ou donos de safáris (nenhum ser racional).

80% do território é coberto pelo deserto do Kalahari e 19,99% por parques nacionais. O resto são as cabanas onde vivem os funcionários e donos dos safáris.

O país é rico em níquel e cobre, mas ninguém se importa, isso existe em um monte de outro lugar no mundo. Por isso o destaque são para as minas de diamantes, como a Mina de Diamantes Jwaneng que é o maior símbolo de como a Botswana não liga para equilíbrio ambiental nenhum, abrindo um cu gigantesco na paisagem pra minerar diamantes sem parar. Outra riqueza natural muito presente no Botswana é o sal, com destaque para as salinas de Makgadikgadi que tem muito sal mas também muito pasto, apenas nãos e engane porque você não vai encontrar nenhuma Taylor Swift e nenhuma girafa por ali como na música Wildest Dreams

PopulaçãoEditar

Com 2 milhões de habitantes numa área do tamanho da Bahia e levando em consideração que 2 milhões são apenas os farofeiros enchendo o saco em Ilhéus, já dá para perceber que o Botswana é o país com a menor densidade populacional do mundo. O país é conhecido por ser o único país do mundo em que sua população de elefantes é superior a de humanos.

PolíticaEditar

Como é de se esperar de um país africano raiz, a Botswana tem seu regime político baseado em ditaduras teocráticas vitalícias. Uma vez eleito, o presidente tem o direito de ficar no cargo até morrer, com um dispositivo constitucional prevendo golpe de estado em caso do líder ficar idoso demais. Tudo isso começou com Seretse Khama que ficou 20 anos no seu cargo democraticamente eleito, depois Quett Masire que ficou 18 anos no poder e saiu 2 anos anmtes do previsto porque decidiram criar pela primeira vez uma eleição que ele não fosse o candidato único, mas o nome presidente foi seu antigo vice, Festus Morgae, que mudou a lei e criou um mandato de 10 anos que foi exercido por Ian Khama até 2018. O atual presidente da República Democrática do Botswana é Seu Excelência Senhor e Comandante-Ladrão, o Presidente Popo Manaxhwelele Hamba Pamba Pitu Zazu von Zazu do Partido Trabalhista ZANU.

SubdivisõesEditar

Como o país é todo um deserto e savanas, incialmente nunca houve necesidade de subdividi-lo, mas criaram esses 9 distritos apenas para dar um ar de civilização à nação, mas esses distritos não tem qualquer função, nem administrativa e nem política e muito menos geográfica. Quem administra as reias subdivisões são os donos de cada um dos vários safaris que tem suas terras muito bem delimitadas entre si.


EconomiaEditar

 
Olhando assim, faz até parecer que Botswana não é tão ruim.

Quando o Botswana ganhou a sua independência em 1966, o país tinha cerca de 100 cidadãos com educação formal, 12 km de estradas, nenhum portos e nenhum assentamento urbano, e mesmo assim já era o país mais rico e mais bem sucedido de sua região pelo mero fato de nunca ter sido realmente colonizado.

Apesar de ser o país mais rico da região e o único que pode dizer que tem uma capital com prédios bonitos, como a grande maioria dos países africanos, o Botswana tem uma economia do tamanho de um quiosque de doces. A sua economia é baseada na fabricação de cédulas para serem usadas como papel higiênico (ah não, isso é o Zimbabwe), quero dizer, a fabricação de recipientes vazios para xampu, tampas de garrafas pet de refrigerante e celulares de última geração que nunca funcionam e são destruídos ao menor toque.

A moeda do país é a puta do Botswana, que não é literalmente uma prostituta local, mas sim um pedaço de metal bem vagabundo que serve para alertar que as putas do Botswana tem aquele mesmo nível de qualidade, tudo graças ao HIV que assola a nação.

O principal produto de exportação do Botswana é o elande, que atravessa livremente a fronteira ocidental com a Namíbia. Enquanto a sua principal importação é o mesmo elande que regressa via Zimbabwe com destino ao Okavango.

O outro recurso do Botswana muito explorado é a secura o qual vem sendo engarrafado e exportado para nações mais úmidas, como Sealand e País de Gales.

TurismoEditar

O turismo é forte no Botswana, mas os visitantes precisam se adequar a certas regras local, como por exemplo a lei que exige que as malas de estrangeiros pesem menos que 15 kg. Como a economia do Botswana é frágil demais baseada apenas em safaris, diamantes e sal, se alguém chegar no país, por exemplo, com 100 quilos de PlayStation 2, isso pode causar uma grave crise na balança comercial do país.

Quanto às opções para os turistas, as características mais marcantes desse país é ser a moradia do King Kong e de abrir o famoso Jurassic Park. No Botswana os safaris são realizados em todo o país, até no deserto, lugares nos quais ricos elefantes, hipopótamos e suricatos se amontoam em um jipe ​​de 1916 guiados por um tswana cansado de tanta gente fresca reclamando de mosquitos e observam as diferentes espécies da fauna de Botswana, espécies únicas dentre as quais se incluem 3 tipos de erva daninha que só existem no Botswana, um maciço Baobá e alguns animais que não foram catalogados por biólogos ainda.

Fora os safaris, mais nada, tudo sempre será sobre safaris, tudo sob uma mentira bem orquestrada pelo governo que afirma categoricamente que tudo isso é feito com pouco impacto ambiental, por mais que jipes que nada tenham a ver com o bioma local fiquem diariamente perambulando entre elefantes, rinocerontes, gnus, guepardos e leões.

InfraestruturaEditar

Nos últimos anos, foram feitas tentativas para aproveitar o único recurso natural com o qual os elandes do Botswana sempre podem contar - a luz do sol. Três quintos do deserto do Kalahari foram cobertos por um gigantescos painéis solares, permitindo assim aos principais cientistas de Botswana aproveitar esta fonte de energia quase ilimitada para recriar um sol artificial, o que permitiu que os paineis de captação de energia solar continuem trabalhando à noite. Por isso só existe energia elétrica na capital Gaborone, que é importada da África do Sul.

SaúdeEditar

No país 24,6% população adulta sexualmente ativa da Botswana estão infectados com a AIDS e 32,78% da população não sexualmente ativa também tem AIDS, 50% dos chimpanzés estão infectados com a AIDS, até as lombrigas anêmicas botswanenses tem AIDS, já que em Botswana por algum motivo o vírus HIV se transmite pelo ar, o que cria uma crise tão grave que por lá o coronavírus é realmente só uma gripezinha.

CulturaEditar

 
Vermes refogados no molho de tomate, uma iguaria tipicamente botswanesa.

Até existem umas tribos por lá que alguns antropólogos poderiam estudar o que fazem e qual a sua cultura (além de dançar axé que parece que só isso que os tswanas fazem), porém os donos de safáris e organizadores de rallys explodiram suas aldeias para abrir revendedoras de caminhonetes da Toyota, mas seria impreciso definir a cultura de Botswana como sendo a cultura de vender carros ofroad velhos.

O que se sabe dos botsweanenses mesmo é que são todos uns piromaníacos, nunca perdem uma chance de botar fogo no mato. O Greenpeace nem pode interferir porque essa mania de colocar fogo no mato é um traço cultural e acima dos ambientalistas estão os antropólogos. A maioria dos botswanos (habitantes de Botswana) gostam basicamente de brigar, beber, fumar maconha, botar fogo no mato e urinar em público - passatempos introduzidos pelos britânicos na época colonial. E o pet mais tradicional do país é o suricato, tanto que não existem suricatos selvagens, todos foram domesticados.

CulináriaEditar

  Viscoso, mas gostoso!  
Lema da culinária de Botswana

Desde que o tradicional churrasco de zebra, a bisteca de elefante e o fígado de rinoceronte assado no chifre foram banidos extrajudicialmente pela WWF, não sobrou muito para a culinária botswanense além do tradicional fast food de hambúrguer de minhoca importado dos Estados Unidos. O prato que se tornou uma iguaria local acabou se tornando o verme mopane ensopado, um prato propositadamente repugnante para fazer qualquer turista passar fome no Botswana e experimentar o que muitos africanos passam de sofrimento.

  Botswana
HistóriaGeografiaDemografiaPolíticaSubdivisões
EconomiaMoedaTurismoCulturaBandeiraBrasãoHino
África
v d e h

Países: África do SulAngolaArgéliaBenimBotswanaBurkina FasoBurundiCabo VerdeCamarõesChadeComoresCongoCosta do MarfimDjiboutiEgitoEritreiaEssuatíniEtiópiaGabãoGâmbiaGanaGuinéGuiné-BissauGuiné EquatorialLesotoLibériaLíbiaMadagascarMalawiMaliMarrocosMaurícioMauritâniaMoçambiqueNamíbiaNígerNigériaQuêniaRepública Centro-AfricanaRepública Democrática do CongoRuandaSão Tomé e PríncipeSenegalSerra LeoaSeychellesSomáliaSudãoSudão do SulTanzâniaTogoTunísiaUgandaZâmbiaZimbabwe

Territórios: CanáriasCeutaGalmudugMayotteMelillaReuniãoSaara OcidentalSanta Helena, Ascensão e Tristão da CunhaSomalilândia