Abrir menu principal

Desciclopédia β

Botuverá

Ponte-HLuz.jpg Se quésh quésh, se non quésh, dish!

Este artigo é catarinense! Já entrou em coma alcoólico na Oktoberfest, sabe o que é boi-de-mamão, tem um poster do Guga e pensa que é alemão!

Venha para o lado barriga-verde da força você também!

Gnome-searchtool blue.png Botuverá é uma pequena cidade desconhecida.
Você pode estar perdendo seu tempo à-toa ao ler sobre essa joça.
Se o Bin Laden tivesse se escondido aqui, ninguém teria achado.

Sciences de la terre.svg.png
Wikisplode.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Botuverá.

Cquote1.png O boto verá o quê? Cquote2.png
Idiota sobre Botuverá
Cquote1.png Mais como ele verá se os pescadores rancam os olhos dele? Cquote2.png
Qualquer um sobre comentário acima

Botuverá é uma cidade do estado de Santa Catarina conhecido por ser a casa do Batimã por suas grandes cavernas e grutas do tempo pré-histórico, essa pequena cidade foi colonizada por italianos (Finalmente!), eles fizeram a "Festa Bergamasca" uma festa cheia de sexo e putaria, que acontece todo dia 9 de junho.

História

As guerras, as crises sociais e econômicas, provocaram a emigração de italianos, principalmente da região norte, para o Brasil. A miséria, o desemprego, a propaganda enganosa das agências de imigração, motivaram muitos italianos a deixarem sua pátria e partirem em busca de novas esperanças em novas terras. Chegando ao Brasil, os imigrantes recebiam autorização para ocuparem as colônias. Os que chegaram ao Porto de Itajaí, os nossos primeiros imigrantes seguiram até Brusque e se alojaram em barracas e barracões na localidade, hoje, de Águas Claras. Em seguida, com o uso de canoas e balsas improvisadas, subiram o Rio Itajaí-Mirim e se fixaram nas terras que denominaram “Porto Franco”, hoje Botuverá. Ao chegarem nesta região, iniciaram construção de seus novos lares e sítios. Deram início ao desbravamento das matas, deram os primeiros passos para agricultura, que se tornou o marco econômico da população botuveraense até os nossos dias. Não há fontes seguras dos nomes dos primeiros imigrantes de Porto Franco. De acordo com informações dos mais antigos (descendentes diretos), foi possível confirmar que entre os pioneiros vieram as famílias, Bósio, Bonomini, Pedrini, Molinari, Tirloni, Aloni, Gianesini, Betinelli, Raimondi, Rampelotti, Dognini, Morelli, Tomio, Maestri e Comandolli, num total de trinta e três famílias. Cada família procurou um local para se estabelecer, delimitou e formou ali sua propriedade. Outras levas de imigrantes vieram. Ocuparam outras localidades como Águas Negras, Ribeirão do Ouro, Lageado, estabelecidas no Vale do Itajaí-mirim.

Origem do Nome

O nome de Botuverá é da lingua Tupi-Guarani que significa boto cego Bons Brilhantes, surgiu devido a grande quantidade de minérios no munícipio, inclusive o ouro que é uma fonte de renda das pessoas pobres, existe outros significados do nome como:

  • Pedra Preciosa
  • Montanhas Brilhantes

odos os significados têm fundamento, considerando que em grande parte do território de Botuverá se encontram rochas magmáticas, metamórficas e sedimentares constituídas de minérios como ouro, ferro, cobre, manganês, pedras calcárias, urânio e outros. Os vales e montanhas que caracterizam o relevo justificam o nome “Montanhas Brilhantes” cobertas por verdes matas garantindo um ar puro e saudável, além de apresentar paisagens dignas de serem vistas e admiradas por todos.

Economia

No início dos anos 70 a economia do Município era ancorada pela produção do fumo e pela exploração da madeira, praticamente 100% (cem por cento, entendeu ou quer que desenhe?) dos valores da economia do Município, eram gerados por estes dois setores da economia. Nos anos 80 com a proibição da extração da madeira, o Município sofreu forte impacto na economia, que se manteve estagnada com tendência a piorar. Devido a falta de apoio e incentivos por parte do poder público, principalmente no âmbito Municipal, não se tinha muita expectativa de melhora. No final dos anos 80 se iniciou uma implementação dos incentivos por parte do Poder Público Municipal, que se concretizou na década de 90, e continuou recebendo injeção de recursos públicos até o ano de 2001, como a maldita corrupção dos ricos. Neste período, os investimentos no desenvolvimento industrial através de incentivos econômicos e fiscais foram da ordem de US$ 150.000,00 (Cento e cinqüenta mil dólares, entendeu agora), tendo como fonte, recursos próprios do orçamento do Município. Estes investimentos foram determinantes para a economia do Município, foram criados vários empregos diretos que absorveu toda a mão de obra ociosa, o PIB municipal baseado no valor adicionado do Município que era de R$ 4.000,000,00(não vou mais falar...) no início dos anos 90, passou para 12.000.000,00 no ano de 2000, conquistando uma melhor posição no âmbito Estadual. Com os incentivos do Poder Público Municipal, iniciou-se um processo de industrialização do Município, principalmente no setor têxtil(Indústria de fios de algodão-fiação), e que ainda hoje se encontra em franco desenvolvimento. Juntamente com esse incremento, também houve um crescimento bastante acentuado da indústria de mineração, principalmente na comercialização do calcário para corretivo de solo, e da industrialização da pedra calcária para fins comerciais. Com isso a base econômica do Município passou a ser a indústria, que representa hoje em torno de 65% do movimento econômico do Município.