Abrir menu principal

Desciclopédia β

Breaking Benjamin

Passarinho.jpg Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.

Certamente, seus fãs idiotas alienados o odiarão!

Predefinição:Emo rock

Breaking Benjamin
Breaking Benjamin Trem.jpg
CUIDADO COM O TREM!
Origem {{{origem}}}
País Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Período 1998 - Atualmente
Gênero(s) Nxzero e Rock Alternativo.
Gravadora(s) {{{gravadora}}}
Integrante(s) Benjamin Burnlable;
Aaron Bruch;
Keith Wallen;
Jasen Rauch;
Shaun Foist.
Ex-integrante(s) Jeremy Hummel;
Jonathan Price;
Aaron Fink;
Mark James;
Chad Szeliga.
Site oficial {{{site}}}
NovoWikisplode.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Breaking Benjamin.

Cquote1.png Você quis dizer: Nickelback Yankee Cquote2.png
Google sobre Breaking Benjamin
Cquote1.png É de comer? Cquote2.png
Qualquer brasileiro sobre Breaking Benjamin
Cquote1.png Eu gostaria de agradecer Benjamin por quebrar a porra do meu microfone Cquote2.png
Uma pessoa que não tinha a menor idéia do monstro que estava criando
Cquote1.png Prefiro Jonas Brothers Cquote2.png
Guria Retardada sobre Breaking Benjamin
Cquote1.png Toca Raul! Cquote2.png
Brasileiro em show do Breaking Benjamin
Cquote1.png É Emo! Cquote2.png
Pessoa sensata sobre Breaking Benjamin
Cquote1.png É Gótico! Cquote2.png
Outro Guri Retardado sobre Breaking Benjamin
Cquote1.png Se pudesse, encontrarra meu lugar no diário da Jane mil! Cquote2.png
Jeremias sobre Diary of Jane

Quebrando o Benjamon é uma banda de rock alternativo e Emo, com elementos de Nu Metal e Forró surgida na Pênis da Silvânia em 1998, quando o vocalista Benjamin Burnley escreveu uma música pra zoar o Vasco, após ser vice campeão do Mundial Interclubes, perdendo pro Real Madrid.

Índice

Batizando a bandaEditar

 
Seu Cu Não Será Perdoado versão rock

Quando a banda tinha o grandiosa quantidade de integrantes (só 2, Ben Burnley e seu amiguinho dos tempos de pré-escola Jeremy Hummell, durante um show cover do Nirvana, a Nameless Band, que anos depois seria chamada de Breaking Benjamin, num ato de vandalismo, enquanto cantava Smells Like Teen Spirit, Benjamin Burnley destruiu o palco (qual o palco te fascina?), implodiu a casa e estuprou todas as garotas presentes no show. Com o caos reinando, o organizador do show ficou muito revoltado: seu microfone foi quebrado. E foi reclamar:

  I'd like to thank Benjamin for breaking my fucking microphone  

Ou se você matava aulas de inglês pra ir jogar The King of Fighters naquele fliperama que tinha no bar na esquina do colégio que você estudava:

  Eu gostaria de agradecer Benjamin por quebrar a porra do meu microfone  

Como Ben estava sob efeito de álcool, drogas, dorgas e gatinhos, usou algumas dessas palavras pra batizar a banda, resultando em Breaking Benjamin. Esse show deu fama pra banda, e logo ganhou 2 fãs: Aaron Fink e Jonathan Price, que traíram o movimento Lifer e se juntaram a banda.

TrajetóriaEditar

 
Toda banda espartana que se preze tem que ter um logo celta

Querendo esquecer o passado, Ben trocou o nome da banda de novo. Após   mudanças, a banda resolveu voltar a se chamar Breaking Benjamin Em 2002, lançaram o saturado álbum assadurate Saturate, e, assim como Lacuna Coil, regravou "Enjoy The Silence" do Depeche Mode pra fazer sucesso. Simultaneamente, a música Lady GaGa Bug foi lançada, mas ninguém ouviu. Depois, em 2004, lançaram um álbum oposto do Forever Alone: We Are Not Alone, nome usado pra mostrar que a banda já tinha fãs. Nesse ano, Jeremy Hummell foi convidado a se retirar da banda após jogar na cara dos integrantes que escreveu quase todas as letras, e depois processou a banda por causa disso (mágoa...). Enquanto o BB perdia milhões nesse processo, Chad Szeliga entrou na banda sob a promessa de nunca processar a banda. Em 2006, a banda entra na sua era mais foderosa: a era da fobia de álbuns, com o álbum Phobia, com "Diary of Jane" e "Breath", e ganhando vários fãs. Agora, BB já é uma das melhores e mais espartanas bandas do momento, todos que a chamavam de Emo eram torturados, decapitados e enrabados por Bengalelê Motumbo em praça pública. Em 2009, lançaram o agonizante Dear Agony, com "I Will Not Bow", uma resposta a Take a Bow da Rihanna.

A treta e recomeçoEditar

Em 2011, para ganhar mais dinheiro, porém sem se esforçar muito, a banda lançou um álbum que continha apenas as canções de maior sucesso, de todos os álbuns lançados, intitulado Shallow Bay, que por incrível que pareça, por mais que tenha esse nome, a música que tem esse mesmo nome NÃO aparece no álbum, acredite, e a última faixa do álbum era um remix de uma música já lançada, no caso, a Blow Me Away, lançada originalmente num EP vagabundo em 2004, remixada enquanto estava ocorrendo uma suruba entre Aaron e Mark. Ben não foi avisado dessa suruba, e, após descobrir, mandou os dois pra puta que pariu, e os mesmos entraram na justiça sobre usar o nome Quebrando o Benjamin. Logicamente, o fodão Ben venceu, e os dois membros viraram mendigos, já que a banda era a única fonte de renda.

 
A nova formação da banda, os membros novos só estão aí porque são amiguxos do vocalista

Mais tarde, Chad também pularia do barco, devido a diferenças criativas. Ben então começou a ir por água abaixo, fazendo shows em botecos de quinta categoria, até que surgiu uma luz no fim do túnel.

A nova formação da banda surgiu em 2014, com 5 pessoas ao invés de 4, e lançou o primeiro álbum em 2015, sobre o título de Dark Before Dawn, ou, a escuridão antes da síndrome de Down, com singles como Angels Fall. Por mais que a banda tenha ficado toda diferente, a qualidade da música continua a mesma.

Estatística dos fãs de BB: Como os fãs conheceram a banda?Editar

  • 33% ouvindo "So Cold" em Hellboy;
  • 33% ouvindo "Blow me Away" em Halo 2;
  • 33% ouvindo "Breath" ou "Diary of Jane" no rádio;
  • 1% de outras maneiras.

Ficha técnicaEditar

IntegrantesEditar

Demitidos, expulsos e banidos da bandaEditar

ÁlbunsEditar

  • Saturado: A ideia original era fazer um álbum bem saturado, com 40, 50 faixas, mas, o projeto foi recusado pela gravadora que, visando o lucro preferiu que fossem divididas entre outros CDs (2002);
  • Não Estamos como o Forever Alone: Agora eles têm fãs (2004);
  • Medinho: Começaram a ficar com medinho de gravarem álbuns, mas, esse álbum cagão que deu mais sucesso a eles (2006);
  • Querida Agonia:   Querida Agonia: Gostaria de lhe escrever pra falarmos que finalmente somos famosos e estamos vencendo nesse mundo Rock n' Roll   (2009).
  • A escuridão antes da síndrome de Down: Um álbum que além de estrear músicas novas, apresenta também membros novos, já que todos os outros foram demitidos após Ben Burnley saber que eles estavam fazendo uma super-suruba no quarto e não o convidaram. (2015)
  • Embrião: Novo álbum, chegou faz alguns meses nos camelôs. Não temos nada pra falar sobre ele. (2018)

HitsEditar

  • Medicado: A banda fala do vício por remédios do vocalista;
  • Sem Jogos: Uma ode de guerra aos Nerds.
  • Tão Frio: Música do Hellboy, aparentemente toca quando ele está num lugar gélido;
  • A Dama Dos Insetos: Taí uma mulher de fibra: enquanto a maioria tem medinho de insetos, a Ladybug vai com tudo pra cima deles sem medo;
  • Chuva: Uma ode ao personagem do Mortal Kombat, personagem favorito dos integrantes da banda.
  • Me exploda, Away: A música que foi o principal motivo da treta entre os membros, não apareceu em nenhum álbum, mas se tornou um grande sucesso mesmo assim a ponto de se tornar trilha sonora de jogo de guerra. Não me pergunte como.
  • O Diário de Daniela Jane: Escrita após o vocalista ler o diário da Jane, uma garota que ele queria traçar, mas que não dava bola pra ele e deu pra todos os seus amigos, que, una anos antes, tinha enlouquecido Adam Levine E Seus Blue Caps;
  • Fôlego: Escrita após Jane seber que Ben leu seu diário, sabendo que teria de usar o Correr pra Caralho;
  • Dançando com o Tinhoso: Escrita após o namorado da Jane pega-lo.
  • Não me Curvarei: A resposta a "Take a Bow" da Rihanna;
  • Me Dê um sinal: O vocalista está pedindo um sinal de vida dos fãs
  • Fracasso: O vocalista está cantando sobre o que passou nesses momentos de merda em que a banda havia se desfeito e ele havia ficado sozinho
  • A Queda dos Anjos: Uma música que fala, como pode notar no título, sobre o Cramunhão e seus discípulos
  • As Cinzas de Eden: Não, não é uma música sobre Adão e Eva. A música é sobre astronautas, espaço sideral, alienígenas, entre outras coisas.
  • Nunca Mais: O videoclipe dessa música mostra um grupo de amigos que se viciam em uma espécie de pinga da cor azul, e então o vício acaba sendo tão forte que eles se matam entre si, até que tudo volta ao normal e eles se livram do vício e vivem felizes para sempre (ou não.)
  • Rio do Frio Vermelho: Em seu mais recente CD a banda decide criar uma espécie de história com os videoclipes, usando os mesmos personagens e mesmos cenários, e neste videoclipe mostra a filha de um pobre coitado sendo sequestrada e o homem tentando fazer de tudo pra encontrá-la
  • Arrombado em dois: A parte 2 dessa história contínua com o homem e sua filha, mas desta vez a banda decide incrementar elementos mais sombrios como demônios e satanismo. A letra da música foi escrita por um ex membro que relatou quando foi enrabado por um negão enquanto esteve preso
  • Alimente o Lobão: Uma das músicas mais ouvidas do álbum, não possui videoclipe (ainda bem)
  • Torniquete: A parte final (pelo menos até agora) da história que começou em Red Cold River, também com mais demônios e satanismo