Abrir menu principal

Desciclopédia β

Call of Duty: Advanced Warfare

Virtualgame.jpg Call of Duty: Advanced Warfare é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Banjo pega mais uma peça do quebra-cabeça.


Call of Oniichan
Call of Oniichan Advanced.jpg

Capa da versão deluxe do jogo

Informações
Desenvolvedor Sledgehammer Games
Publicador Activision
Ano 2014
Gênero FPS genérico
Plataformas Tudo o que você imaginar
Avaliação 20%
Idade para jogar Livre para toda família

Cquote1.png Press F to pay respects Cquote2.png
Call of Duty: Advanced Warfare sobre funerais

Call of Duty: Advanced Warfare é mais um jogo do gênero fps genérico da massificada franquia Call of Duty lançado apenas para PS4 e Xbox One, porque o jogo tinha tanta má fama que foi negado em todos consoles da Nintendo.

Índice

DesenvolvimentoEditar

Depois de 10 jogos de Call of Duty na Segunda Guerra Mundial (leia-se "Batalha da Normandia"), mais outros 10 Modern Warfare, mais outros 10 Black Ops e após apenas 1 Call of Duty: Ghosts os acionistas da Activision estavam com dúvidas sobre como proceder em seu plano de destruição do gênero de fps. Todos temiam um Ghosts 2 que fosse um crossover com o Nintendogs e a Activision tratou de acalmar a todos anunciando que havia fechado parceria com uma nova empresa, a Sledgehammer Games com quem garantiu que produziriam o jogo menos original possível, e os fãs da franquia não se decepcionaram, receberam um Call of Duty exatamente igual a mesma porcaria de sempre com gráficos levemente repetidos.

EnredoEditar

Passando-se num fictício ano de 2054, o mundo está a mesma merda que atualmente e os norte-coreanos continuam uns fanáticos malucos. É justamente numa intensa guerra contra japoneses do mal (que são denominados de "norte-coreanos") que o protagonista perde seu braço esquerdo e vê seu amigo morrer. É necessário comparecer ao seu funeral e prestar condolências ao falecimento de seu comparecimento numa cena sentimental mais genérica jamais vista na história das cutscenes interativas dos videogames.

 
Uma missão decisiva no jogo.

O protagonista que é um manezão genérico qualquer o qual esquecemos o nome rapidamente, após perder seu braço para japoneses do mal o protagonista é adotado pelo presidente da AACD, o Kevin Spacey, que implanta nele um cérebro e também oferece uma prótese de braço esquerdo com múltiplas funcionalidades. É nesse momento que uma nova organização terrorista chamava AH VÁ! (KVA em russo) aparece e começa a fazer coisas malignas ao redor do mundo. O primeiro cenário que os malucos da AH VÁ! atacam, liderados pelo filho do Neymar de codinome Hades, é a favela de Lagos na Nigéria onde matam um bando de gente inútil, assim como em Seattle, no Acre e outros locais aleatórios do globo, espalhando o terror e deixando o mundo dependente da AACD e seus supersoldados.

A equipe então visita o que restou de Detroit após a cidade ter falido de vez (única premonição acertada do game) procurando pelo terrorista fugitivo Dr. Danone, que recebeu esse nome por contaminar com uma superbactéria todos os lotes de Danoninho do mundo, matando assim toda uma futura geração de geniais cientistas. AO ser confrontado, Dr. Danone revela onde o filho do Neymar está.

O jogador então chega a Santorini e invade um bacanal local aonde encontra o filho do Neymar fazendo merda, este que é rapidamente eliminado. Nesse momento o jogador pensa que zerou mais uma campanha de fps genérico quando é surpreendido com a revelação de Neymar Jr. de que o grande vilão do jogo é o Frank Underwood. Por ser um psicopata, o protagonista da série House of Cards deseja destruir o planeta e desenvolve uma arma chamada Manticore, uma arma biológica desenvolvida após anos de estudos usando cobaias da AACD. O uso original dessa arma era o de transformar as pessoas em retardadas mentais com uma bactéria que ataca o sistema nervoso, mas então percebeu-se que todo o povo ocidental já estava bestializado após décadas de tanto Facebook e Youtube, então a arma foi adaptada para o ebola, que mata mesmo. Mas graças a você o dia é salvo no final das contas.

JogabilidadeEditar

 
Novidade exclusiva, agora você pode pressionar F para prestar condolências.

Já no 56º jogo da franquia Call of Duty, fica cada vez mais difícil trazer inovações e novidades para o gameplay, a Activision já havia feito de tudo, personagens cachorros e até travestis, mas a sua competente equipe soube trazer uma grande novidade, pois agora você pode pressionar F (X ou A nos consoles) para demonstrar respeito aos falecidos. Agora nenhum outro funeral num jogo de videogame será o mesmo.

Outra atividade muito popular em Call of Duty: Modern Warfare 3 que foi reaproveitada é que agora o quickscope é ainda mais fácil de realizar, uma habilidade de fazer o binóculo do sniper rifle surgir milagrosamente e matar oponentes no multiplayer.

MultiplayerEditar

Mesma merda de sempre, com mapas lotados de campers e confrontos sem qualquer equilíbrio no qual os campers fuzilam os noobs a partida inteira. A suposta novidade é que os jogadores agora tem exoesqueletos, que são uma versão falida do que vemos em Destiny ou feita no Paraguai do que vemos em Titanfall, isso só permite que os jogadores possam voar feito uns retardados e se tornarem alvos fáceis para os campers.

Exo SurvivalEditar

Só uma porra de um survival, já vimos isso em milhares de jogos. Nada especial.

v d e h