Abrir menu principal

Desciclopédia β

Capataz das Tias da Chiquinha

250px-Wario WWare.gif Este artigo é sobre um personagem secundário!

Quase ninguém sabe da existência deste zé ruela que só serve pra encher linguiça na trama e provavelmente está morto. Se bobear, nem no Google tá!

Clique aqui para ver gente que só fãs alienados conhecem.


Capataz das Tias da Chiquinha é um velho pedófilo que trabalha para as Tias da Chiquinha desde 1900 e lá vai rola. Atualmente está casado com a Chiquinha, tendo firmado relacionamento com a mesma quando ela foi passar umas férias na casa de suas tias em Presente pro Dente.

HistóriaEditar

 
Capataz das Tias da Chiquinha durante uma visita ao seu sogro, Madruga.

Nascido em Presidente Prudente na aurora da humanidade, o destino do Capataz das Tias da Chiquinha foi definido no momento de seu nascimento. Seus pais, Adão e Eva, delegaram para o mesmo a função de servir as Tias da Chiquinha, que precisavam de um líder sábio e justo que, além de conseguir comandar com mãos firmes as centenas de empregados que possuíam, também conseguisse exercer a árdua tarefa de acompanhar Chiquinha até a estação de trem.

Em sua adolescência, o Capataz das Tias da Chiquinha desenvolveu suas habilidades naturais de liderança, apagando alguns funcionários que não estavam cumprindo suas tarefas devidamente, não trabalhando as 23 horas por dia previstas em contrato. Para suprir a carência de bons empregados, o Capataz das Tias da Chiquinha contratou os serviços de Paulo Guina, já que este é versado em mais de 300 profissões distintas e pode quebrar um galho em qualquer função.

Entrando na idade adulta, continuou aprimorando seu talento, mostrando pulso firme quando precisou demitir Noé, que não conseguiu construir a arca em menos de 2 horas, algo inadmissível para os padrões das Tias da Chiquinha.

Já idoso, com cerca de 500 anos, o Capataz das Tias da Chiquinha demonstrou pela primeira vez suas tendência pedófilas, casando-se com Chiquinha, quando a mesma estava passando uma temporada de férias na casa de suas tias. Os detalhes do casamento foram relatados na carta que Chiquinha escreveu para seu pai, Madruga.

Por fim, o Capataz das Tias da Chiquinha, em um de seus últimos atos conhecidos, acompanhou Chiquinha até a estação de trem, onde a mesma embarcou no Aerotrem de Levy Fidelix e foi de Presidente Prudente (BR) até a Vila do Chaves (MEX) em apenas 2 horas.

AtualmenteEditar

Mesmo cansado de suas atribuições, o Capataz das Tias da Chiquinha continua exercendo suas tarefas, já que não conseguiu se aposentar. Seu desejo é ir morar com sua esposa Chiquinha, porém como o casamento entre velhos com crianças não é bem visto pela sociedade, ambos continuam vivendo separados.