Abrir menu principal

Desciclopédia β

Capitão Harlock

Viva a violência!!!
Porrada e muito sangue
Capitão Harlock é algo relacionado a Seinen

Este artigo tem a ver com animes/mangás muito sanguinários, onde os personagens enfrentam um mundo cruel e preconceituoso, desmembram seus inimigos ou vivem fodendo umas gostosas!
Kyo Kusanagiamaldiçoou abençoou esse artigo.

Capitão de Araque
宇宙海賊キャプテンハーロック
'Captain Harlock' screenshot from Galaxy Express 999 the movie.JPG
O pirata do espaço
Gênero Space Opera
Mangá
Autor Leite Matomorto
Divulgação Aqui na Xota
Onde sai Nas bancas
Primeira publicação 1977
N° de volumes 5
Anime
Dirigido por Hamtaro
Estúdio Tomei Animação
Onde passa Bandeira do Japão Japão
Bandeira do Brasil Brasil
Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Primeira exibição 1978
N° de episódios 42
Filmes Tem
OVAs Tem também

Capitão Harlock é considerado um dos mais famosos e importantes personagens animangáticos de todos os tempos, mas talvez você nunca tenha ouvido falar dele porque no Brasil o coitado fez pouco sucesso. Seu criador, Leiji Matsumoto, também é considerado um dos mais famosos e importantes mangaká de todos os tempos, sendo talvez o mais influente autor de ficção científica no Japão. Suas obras são praticamente todas iguais, e desde que criou Harlock, o capitão faz sempre participações especiais como figurante, virando uma espécie de Wally japonês.

Índice

OrigensEditar

 
Capitão Harlock bancando o fodão.

Embora a Wikipédia burralda afirme que Capitão Harlock surgiu em 1977, na verdade ele apareceu quase uma década antes. O que aconteceu em 77 foi o lançamento do mangá homônimo, mas o personagem fez sua estreia em 1968 como um coadjuvante do mangá Esper - sim, aquele mesmo do tokusatsu podre. Nesta primeira versão, ele não era um pirata espacial, mas sim um cientista louco que nem tinha nome.

Em 1969 e 1972, respectivamente, Harlock fez umas pontas pelos mangás Pilot 262 e Gun Frontier, sendo um piloto de avião no primeiro e um pistoleiro no segundo. Ele finalmente virou o pirata do espaço em 1974 durante um cameo em Patrulha Estelar, e depois esta versão foi reciclada em 1975 no mangá Emeraldas. Dois anos depois, os papéis se inverteram e Capitão Harlock ganhou seu próprio mangá, enquanto a gostosa Emeraldas (chamada de Esmeralda no Brasil) foi rebaixada a personagem secundária do mesmo.

De acordo com fontes fiáveis aleatórias encontradas na internet, Leiji Matsumoto se inspirou em um amigo dos tempos da escola para criar Harlock. A verdade é que o mangaká sempre foi um gay enrustido com medo de sair do armário por causa do tradicionalismo japonês - lembre-se que ainda não existia yaoi naquela época - e criou Harlock como uma homenagem velada a seu namoradinho platônico.

HistóriaEditar

Tanto o mangá de 1977 quanto sua adaptação em anime de 1978 são ambientados no ano de 2977, em que a tecnologia evoluiu tanto que permitiu à Terra expandir seus horizontes para outras galáxias e criar várias colônias espaciais, ou seja: aquele clichezão básico de toda obra de ficção científica que se preze. A população terráquea futurista tornou-se extremamente civilizada, levando o planeta a extrapolar os níveis de tédio.

Para dar uma chacoalhada no povo terrestre sonso, eis que surge da Puta que Pariu a raça alienígena Mazone, liderada pela rainha Rafflesia, cujo objetivo incrivelmente original é invadir a Terra e dominar o mundo. Os líderes terráqueos são completamente pacatos e submissos, pouco se lixando para a suposta ameaça e cagando e andando para as consequências de seus atos. É aí que o herói Capitão Harlock decide rebelar-se contra as leis da apatia e impedir que os planos da vilã se concretizem. Ele inicialmente aparenta ser frio e solitário, mas logo recruta uma tripulação de pseudojusticeiros revoltados a bordo de sua nave Arcadia.

Apesar do plano aparentemente maligno, Rafflesia na verdade não é uma rainha tão má assim. Ela apenas deseja salvar e proteger seu povo, já que o planeta nativo Mazone foi destruído em uma guerra espacial. Aliás, o povo em questão é formado por fêmeas humanoides vegetais, um possível indício que uma de suas ancestrais seja Hera Venenosa.

Tripulantes de ArcadiaEditar

 
A eclética tripulação da nave Arcadia.
  • Phantom F. Harlock II - O protagonista chatão da bagaça. Já tem informações o bastante sobre ele no artigo, não há mais nada o que acrescentar na descrição do meliante.
  • Tadashi Daiba - Versão mini do Capitão Harlock, é um aborrecente órfão de quatorze anos. Seu pai morreu assassinado pelas Mazone, enquanto sua mãe foi morta por negligência do governo durante uma catástrofe em Netuno.
  • Kei Yuki - Loira burra de dezesseis anos, foi salva acidentalmente por Harlock quando ele invadiu uma nave que a mantinha como prisioneira após ela atacar um oficial militar. Desde então, se apaixonou pelo capitão e passou a segui-lo.
  • Mime - Alienígena bizarra de pele verde, cabelos azuis e olhos amarelos, sendo provavelmente brasileira a julgar pelas cores. Não tem boca e se alimenta de álcool (não me pergunte como), por isso vive bêbada e acha que tem poderes psíquicos.
  • Yattaran - Gordo nanico de óculos cuja única serventia é servir de alívio cômico para não fazer os telespectadores dormirem com a chatice do anime.
  • Dr. Zero - O médico da nave. Tem um gato de estimação chamado Mii-kun que, assim como Harlock, aparece em tudo quanto é obra de Leiji Matsumoto. Ele vive discutindo com Masu porque seu gato tem mania de entrar na cozinha sem permissão.
  • Masu Tsunajima - Cozinheira da nave, é uma velha feiosa que vive de mau humor. Acredita que seu noivo foi morto pelas Mazone, só que na verdade ele simplesmente fugiu para não ter que encarar o casamento com uma tribufu dessas.
  • Toshiro Oyama - Era o melhor amigo de Harlock, mas faleceu de um câncer no cu. Sua consciência foi transferida para o computador que controla a nave, então agora ele é uma espécie de zumbi virtual.

Versão brasileiraEditar

O anime original nunca chegou a ser exibido na televisão brasileira. O que chegou por aqui foi o filme de 1982, uma puta encheção de linguiça com mais de duas horas de duração narrando a epopeia do Capitão Harlock antes dos fatos ocorridos na série de televisão. Capitão Harlock e a Nave Arcadia teve seu lançamento primeiramente em VHS, mas depois a TV Manchete malandramente comprou seus direitos de exibição e picotou o filme em cinco partes, transformando o mesmo em uma minissérie. Como o enredo é mais adulto e não direcionado para crianças, o anime no Brasil não fedeu nem cheirou.

Em 2014, chegou pela Netflix um novo filme, desta vez produzido em computação gráfica, intitulado Capitão Harlock: Pirata do Espaço. De tão ruim que é, nem sequer no Japão essa porcaria agradou, embora tenha vencido alguns prêmios capengas de cinema na Europa, continente onde Capitão Harlock é bastante apreciado por ser tão chato quanto seus habitantes.