Abrir menu principal

Desciclopédia β

Carlos Menem


Atenção: este artigo da Desciclopédia é privado. Para continuar a ler, pague seu pedágio de R$27, para mantê-lo e evitar a sua eliminação por um sysop malvado. Crianças acima de 12 anos pagam pedágio. Estudantes da rede pública pagam meia tarifa. Idosos acima de 65 anos possuem livre entrada. Atenciosamente, Desciclopédia S.A.


Cquote1.png Esse Argentino é dos meus! Cquote2.png
Collor sobre Carlos Saúl Menem
Cquote1.png Usted stay pruento para gobernar el Brasil, jueven Padawan Cquote2.png
Carlos Menem para seu aprendiz, Fernando Henrique Cardoso
Cquote1.png Por Dios, por la plat... por la patria... Cquote2.png
Menem sobre Argentina
Cquote1.png Ramsés governou por mais de 103 anos, e eu farei o mesmo! Cquote2.png
Menem durante discurso, 4 minutos antes de desmaiar
Cquote1.png PLEASE COME TO BRAZIL Cquote2.png
PSDB sobre Menem
Cquote1.png Quem diz que tenho uma vida pública não me conhece Cquote2.png
Carlos Menem sobre si próprio

Fernando Henrique Menem é a versão argentina e privatizada de Fernando Henrique Cardoso, além de se consagrar na política sul-americana ao lado de José Sarney como as duas primeiras múmias da história a governar um país nos tempos modernos. Muitos duvidam de sua morte, uma vez que alegria de pobre dura pouco e vaso ruim não quebra. Claro, se esse pobre não for brasileiro. Ele, assim como Martin Luther King tinha um sonho: vender a Argentina para os credores americanos, transformar o dólar em moeda corrente e mudar o nome do Boca Juniors para Boca Lakers, como uma homenagem aos EUA, exemplo de país correto e capaz de fazer tudo o que almeja. Ele só não sofreu impeachmment pois a palavra é em ingles e claramente yankee, e, depois, porque privatizou o termo, bem como as greves - e para entrar como protestante, deveria ser aberta uma licitação para compra do direito de protestante contra o governo.

JuventudeEditar

 
Olhe só! Quase que um bolivariano!

Carlos Menem é filho da procriação de dois tucanos no ano de 1900 e guaraná com rolha, na mesma maternidade de José Sarney e Oscar Niemayer. A primeira coisa que fez ao nascer foi privatizar o cordão umbelical da mãe e cobrar 120 pesos argentinos do médico para este poder cortar o cordão. E aí que se inicia uma carreira de sucesso. Na escola, como a demanda para correção era alta, privatizou seus deveres e cobrava para os prfessores corrigirem. Daí começa a dívida pública interna da Argentina, visto que Menem estudava em escola pública. Menem cobrava por tudo, tanto que uma vez cobrou da própria boca 66 pesos argentinos para liberar um arroto. Seu primeiro beijo foi alvo de extrema burocracia, visto que seus lábios, língua, saliva e céu da boca eram privatizados, e, por ser propriedade particular, não era qualquer um que poderia invadir - pela cor da língua de sua primeira peguete ser vermelha, o temor de uma invasão para revolução comunista fez com que o medo aumentasse. O beijo só ocorreu quando sua peguete assinou um tratado de livre-comércio para livre circulação de saliva entre as duas bocas, protegendo a propriedade privada e expurgando qualquer chance de resistência socialista.

Não tinha medo de bicho papão, uma vez que sabia que o mesmo não tinha dinheiro para pagar o pedágio que instalou na porta e janelas de seu quarto - claro, para a manutenção do ambiente era necessária tal cobrança. Claro, por ser um homem de negócios, essa não era sua única jogada. Quando teve prisão de ventre, culpou a má gestão do organismo sobre o intestino, bem como a situação do órgão de ser um cabideiro de micróbios e haver desconfiança de propina por parte da Activia e o privatizou. Nunca mais cagou, haja vista que os empresários que compraram o intestino de Menem desenvolveram tecnologias que fizeram com que não se produzisse mais cocô. Quando chegou ao Jardim Japonês, em Buenos Aires, achou a vista belíssima e viu potencial para negócio, vendendo assim seus olhos. Como resultado, hoje ele vê propagandas diretamente em seus olhos, que somem só depois de 10 segundos. Quando chutou uma bola e estourou o dedão do pé, vendeu a unha que dali saiu para o amiguinho com unha encravada. Obviamente, como em quase todas as políticas de Menem, seu amiguinho levou a pior enquanto ele comprava mais um picolé para deleite próprio, às custas dos outros.

Vida públicaEditar

Privatizou Assumiu a presidência da Argentina em 1989 (coincidência ou não, mesmo ano em que Fernando Collor assumiu o Brasil, será que haviam marajás na Argentina?). Fez macumbas econômicas para tentar salvar a Argentina de um buraco maior do que a defesa da própria seleção de futebol. Obviamente, como tudo na vida, até começou bem, mas logo a merda começou a surgir, visto que os EUA decidiram sacanear (como sempre) os pobres miseráveis. A Argentina quase fez cosplay de Eike Batista para anunciar falência. Ele, no desespero, privatizou até a esposa, tanto que ficou anos sem primeira dama.

Depois disso, sofreu da crise de César Maia e não conseguia se eleger para mais nada. Perdeu a eleição para síndico do prédio em que morava, mesmo sendo candidato único. Além disso, foi acusado de corrupção, por ter contas na Suíça para transferir dinheiro. Segundo ele, nada passou de um mal entendido, visto que na verdade ele privatizou a Suiça, a chamando de La Suiza e transformando o queijo suiço em queijo argentino, com alfajores nos buracos.

AzarEditar

Quando foi presidente, a Argentina nunca conseguiu ganhar nem mesmo uma Copa América. Quando presenciou um jogo da seleção do país, no momento, campeã mundial, contra a fraquissima seleção de Etolandia Camarões, na Argentina, a seleção local não conseguiu vencer. Para o bem do esporte, nunca mais presenciou um jogo de futebol ao vivo. Além disso, seus filhos morreram, seu médico morreu, sua primeira esposa o largou, arrumou uma segunda que também o largou, e, por fim, a cadeira presidencial argentina, logo após sua estadia, também só foi ocupada por bosta.

Precedido por
Raúl Alfonsín
 
Parasita na Casa Rosada

1989 - 1999
Sucedido por
Fernando de la Rúa