Abrir menu principal

Desciclopédia β

Carta de Pero Vaz de Caminha

PortugalDJoãoscary.jpg Manuel, vê-me dois cäcətinhos, o pá!

Æstə ärtigo é purtugäish, gajo. Élə comə cacətinho cum bəcalhau, tuma um vinho ishtränho, adora cumpetir cum a Ishpänha e tem um bigodão.

Cuidado: ə qualquêr mumento, Napolião podə querer invədir-tə

ImagesCAOJGT4W.jpg Este artigo é relacionado à literatura.

Graciliano Ramos e Clarice Lispector podem ter fumado este artigo.

Cquote1.png Você quis dizer: Tatu Caminha dentro? Cquote2.png
Google sobre Carta de Pero Vaz de Caminha

Cquote1.png Na União Soviética, o Pero Vaz de Caminha recebe uma carta de você! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Carta de Pero Vaz de Caminha
Cquote1.png Um dos melhores livros que eu já li Cquote2.png
Carla perez sobre Carta de Pero Vaz de Caminha
Cquote1.png Quando aprender a ler e escrever, eu leio a carta Cquote2.png
Rei de Portuga sobre Carta de Pero Vaz de Caminha

A Carta de Pero Vaz de Caminha foi o primeiro documento oficial sobre o Brasil e a primeira demonstração oficial de puxa-saquismo de nossa história. Depois de puxar o saco do rei de Portugal até Sua Majestade ficar com os bagos doendo e ter o maior orgasmo de sua vida, o filho da puta do escrivão ainda pediu um emprego para o cunhado.

Índice

Quem foi Pero Vaz de Caminha?Editar

Pero Vaz de Caminha foi um filósofo, Teólogo, Cheirador de gatinhos e um escriba pau-mandado de Portugal, pois naquela época, a grande parte da população não sabia ler e nem escrever.

Como começa a Carta de Pero Vaz de Caminha?Editar

A Carta começa, aliás, com o próprio Pero Vaz de Caminha puxando o saco do Pedro Álvares Cabral e contando vantagem, dizendo que as caravelas do Cabral eram as melhores que já vinham sido contruídas em Portugal.

Resumo da CartaEditar

 
Pero Vaz se utilizando da carta para fins de higiene

Bom, ralaimox peito de Portugal (quando, eu particularmente soltei um daqueles rojãszinho coloriIdox) no dia 9 de mairço. Na mainhã do dia 14 estaivam eintre as ilhas Canáiriax e no dia 22 na altura de Caibo Veirde. No dia 23, a nossa única baixa, quando uma de nossa caraveilax mixterioisamente vira peido, e não poide mais ser encontraida. Com um navio a meinos a viaigem prosseiguiu. No dia 21 de abril, terça feira de páiscoa, avixtaimos um mointe e em seguida uma teirra, que desembaircamus em buixca de um McDonalds para ox homenx comeirem um bacalhau. Batizaimos essa teirra de "Teirra de Veira Cruix", e o mointe, em virtuide da proximidade da Páiscoa, como Monte Paiscual.

Dia 23, naveigamux para a dita teirra. Neiste momeinto se deu o primeiro contaito entre naitivos e portugueises. Eles não se entendeiram e limitairam-se a nos convidar para uma tal de suruba, mas como não podemos ir mandamos nossas devotadas esposas em nosso lugar.

O que maix me chaimou anteinção foi o faito deles andairem com completameinte nús, seirem moreinux, saraidux e estairem suaidos peilo áirduo trabailho. Acreiditu taimbém que são inoceintix dimaix, acrediIto que deveímos fuidere geral com elix, estou peinsando em uima Catequizaida paira deixare elix corruiptos nada melhor que a igreja pra isso

Oix Ìndiox abrigairam noissa tripulaição em um abriigo natuiral, e o utilizaimos de poirto. Cabral o chaima de Poirto Seguiro. Como agradeimentu peila gentileiza delix, decidimos taipiar aqueiler babaicas, e levaire o ouiro delix em troica de coisinhax, comu aqueile buneiquinhu do pokemón q usaimus pra seguirare a poirta.

No dia seguinte os demais navios taimbém entraíram no Poirto Seguiro e no dia 26, seindo domingo de Páiscoa, ocoirre a primeira missa. ConxiguiImux faizere que os ÍiiiIIndios assistiIssem ela, axim podeiremux levai-los paira o laido da . Nox quaitro diax posteiriores os mairinheiros ajudaidos peilos natiIIIiivos preiparam os naivios para seiguir viaigem.

No dia 1º é celebraida uma seguinda missa. Deista vez, aléim da missa foi coloicado juinto àhhH uima áirvore uma cruix de madeiIira, que chaimou baxtainte ateinção dos ÍiiiIiiIiiidiox. Os portuigueses, se ajoeilharamm e beijairam a cruix. Com isso queiriam moistrar aos Íindios a deidicação e suibmissão à exploração religião católica. No dia seiguinte pairtiram, deixando pra trás, além da cruix, dois hoimens condeinados à moirte, só poirque a igreiIija extaiva sem criaitividaide do que faizer.

Ah! E por favoir, Voissa Altiza, podeiria, sei lá, tiiIiipo asxsim, meio que, talveiz, se poissivel... Não eixecuitar meu cunhado.

Dedicatória da cartaEditar

Senhor Rei de Portugal, Manuel o Venturoso, o Inteligente, o Sábio, o Másculo, o Gênio da Raça, o mais inteligente de todos os portugueses, o primeiro a descobrir que a água do mar é salgada porque, ora pois pois, têim muito bacalhau dentro dela, o inventor do cálculo de cabeça usando uma caneta atrás da orelha, o primeiro a puxar o piano em direção ao banquinho, o primeiro a comeire a cunhada para evitáire ter filhos, o criador do método de trocaire uma lâmpada com quatro patrícios a giráire a escada enquánto um segura a lâmpada.

Quando a carta de Pero Vaz de Caminha chegou em Portugal?Editar

Ela chegou atrasada, por que o Pedro Álvares Cabral, depois de roubar alguns papagaios e comer alguns índios, ainda teve de ir para as Índias, que ficavam depois da África, como ficam até hoje e vão continuar ficando até que você mude o mapa do mundo. Agora para de encher o saco e fique sabendo que, depois de chegar às Índias e participar da novela da Glória Peres, fazendo o papel de um dalit, o Cabral não conseguia encontra o caminho de volta e teve de pedir ajuda para a sexta frota dos Estados Uniddos, que estavam invadindo o Afeganistão. Só que os americanos, vendo um barbudo falando uma língua que ninguém entendia, prtenderam o Cabral e quase mandaram ele pra Guantámano. Só não mandaram porque um brasileiro que fazia turismo às custas da Sexta Frota parte das forças invasoras reconheceu o Cabral numa nota falsa de mil cruzeiros da época em que o José Sarney ainda não virado dono do Maranhão ninguém entrado na política e disse que o Cabral não valia nada nem no Brasil quanto mais numa cadeia.

Pero Váiz de Camínha descréve os primáiros brasileirosEditar

"E dali avistamos homens que andavam pela praia, uns setecentos ou oitocentos mil, segundo disseram os navios pequenos que chegaram primeiro. Parte deles estava deitada ao Sol, sem fazer nada, apesar de não ser domingo; outros andavam pra lá e pra cá carregando óculos falsificados, coco verde, dicionário de baianês, cerveja morna, sanduíche natureba, camisinhas, CDs falsificados, abadás, fotos de Caetano, Bethania, Gil e Gal, bronzeador, protetor solar, papagaios, araras, licença falsificada pra vender isso tudo."

Os portugáises chêgam à capital dos brasileirosEditar

"No dia seguinte, depois do almoço, fomos convidados a conhecêire a caputál dos desocupados. É uma coisa impressionante, majestade! A cidade se chama Saál-Vá-Dôr e é dividida em duas partes, a cidade alta, que fica na parte de cima, e a cidade baixa, que fica na parte de baixo. Para chegar lá é preciso subir uma ladeira, chamada Ladeira da preguiça porque só de ver a ladeira os brasileiros já ficam com preguiça. Os habitantes da cidade baixa não conhecem os habitantes da cidade de cima e nem os habitantes da cidade de cima conhecem os habitantes da cidade de baixo, justamente por causa da ladeira. Os habitantes da cidade de cima uma vez pensaram em descer, mas para voltar à cidade de cima eles precisariam subir a ladeira da preguiça, e isto dá muito trabalho. Trabalho é uma coisa de que os brasileiros desta região têm verdadeiro pavor, como relatarei a Vossa Majestade.

Caminha fala sobre os grandes benfeitores dos brasileirosEditar

Os moradores da cidade de Saál-Vá-Dôr dedicam uma veneração toda especial a alguns de seus benfeitores, mesmo que nem sempre saibam quem são estes benfeitores da humanidade. Entre estes benfeitores da humanidade, eles põem em primeiro lugar o inventor da rede, que é um pedaço de pano pendurado entre dois coqueiros, duas paredes ou em qualquer lugar onde o dono da rede esteja a fim de dormir. Em segundo lugar, o inventor do travesseiro, que permite dormir em qualquer lugar. Em terceiro lugar, o sujeito que descobriu que qualquer lugar, mesmo sem rede ou travesseiro,é bom para dormir.

Caminha fala sobre os grandes pavores dos brasileirosEditar

Se existe uma coisa que apavora estes brasileiros é a palavra trabalho e o que ela significa. Querer trabalhar, aqui em Saál-Vá-Dôr, é considerado uma falta grave, um perigo contra esta (cambada de vagabundos) gente. Quem tenta praticar este crime é deportado sumariamente num pau-de-arara para um lugar de danação chamado Sum Paulo (parece com São Paulo) - lugar que para esta gente é o inferno na terra.

Caminha fala sobre a salvação dos brasileirosEditar

Saiba Vossa Majestade que eu pensei que seria de muita utilidade para a Crsitandade se Vossa majestade mandasse para cá um (bando) de padres para ensinar a esta gente o caminho da salvação. Mas depois de passar duas semanas aqui coçando o saco, enchendo a cara, ouvindo axé música, dormindo o dia inteiro, eu acho que não vale a pena. Esta gente não tem salvação.