Abrir menu principal

Desciclopédia β

The Casualties

(Redirecionado de Casualties)
Punkaosairdeshopping.jpg Este ser curte Panque Roque.

E deve praticar cheiramento de gatinhos ouvindo Minor Threat,
assim como todos os revoltados listados aqui.

Passarinho.jpg Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.

Certamente, seus fãs idiotas alienados o odiarão!


Cquote1.png Hey ho let's go! Cquote2.png
ramones sobre the casualties
Cquote1.png eles são emos? Cquote2.png
emo idiota sobre the casualties
Cquote1.png EMO UM KARALHO SEU IDIOTA FILHO DA PUTA VÁ TOMAR NO SEU CÚ Cquote2.png
punk doidão sobre o emo
Cquote1.png eles tocam pop punk? Cquote2.png
fã de green day sobre the casualties
Cquote1.png VÁ TOMAR NO SEU CÚ Cquote2.png
eu uma garota punk sobre a fã de green day

Índice

Membros fundandoEditar

Os membros das víctimas apontaram retornar a o que viram como “a era dourada” do punk, que acreditaram tinham desaparecido por 1985. Durante os anos adiantados, o lineup mudou bastante. O lineup inicial consistiu em Colin e em Jorge em vocals, Yureesh em cilindros, em Hank na guitarra, e em marca no baixo. Colin pisou para fora por diversos meses para terminar sua instrução quando Rachel, singer de Rivits, fêz exame de seu lugar.

Primeiras gravaçõesEditar

 
Travessuras ou Gostosuras?

Neste momento, Colin, Jorge, Yureesh, e a marca uniram um programa demostrativo. Fred substituiu o Hank, mas o Fred para ir então à esquerda à escola, e Scott do Squat de C preencheu. Um outro guitarist, Steve, preenchido também durante este período. O EP, víctima de 40 onças foi gravado. Por 1992, a faixa era excursionando e construindo acima de uma base do ventilador em NYC. Em 1993, a marca do bassist e o guitarist Fred foram substituídos por Microfone e por Jake, respectivamente. Meggers do Rivits veio preencher e assentou bem no drummer regular. A formação de Jorge, de Jake, microfone e de Meggers continuou até 1997, quando Jon juntado como o bassist (subsequentemente, Jon foi substituído por Rick).


Atividades atuaisEditar

As víctimas continuaram a produzir gravações high-energy e fizeram E.U. e excursões internacionais (por exemplo, Europa, Japão, e México). Sua liberação mais atrasada está “sob o ataque” em registros de SideOneDummy e estão excursionando para promover o álbum novo.

Cobertura de meiosEditar

Uma história da tampa na imprensa americana da música (ampère) # 07 (fevereiro/março 2004) indicou que de “veterans que do hardcore New York AS VÍCTIMAS” cantam sobre ambas as edições sociais e “assuntos mais claros na vida tal como beber e partying.” Em dezembro de 2003, AS VÍCTIMAS excursionaram em Europa com a faixa alemão FRONTKICK do punk. O Guitarist Jake indicou que a presença do Internet da faixa lhes ajudou começar ventiladores novos. A faixa headlined as camionetes entortadas excursiona no verão 2004, continuando a jogar um estilo do punk do hardcore que o revisor diga “seja inspirado por faixas como GBH e explorados”, e pondo sobre o que o revisor chama “as mostras as mais ferozes do punk em torno.” A revisão indicou que NA LINHA DIANTEIRA “está o som clássico do hardcore da faixa com um toque do estilo de Oi, mas com um som mais apertado, mais limpo do que albums precedentes.” De acordo com Jake “se punk dia não for popular anymore, nós não estamos indo parar de fazê-lo. Nós olhamo-lo, nós amamo-lo, nós vivemos ele.” [1]

Debates por ventiladoresEditar

Alguns ventiladores do punk discutem que as víctimas “venderam para fora”, quando outras reivindicarem a faixa reteve seus valores do punk. Os críticos chamaram o cliché do olhar da faixa.

Os Defenders do aruge da faixa que a filosofia do punk é mais sobre um DIY (fazem-no você mesmo) atitude do que um estilo do vestido (though este pode ser visto como hypocritical porque os lyrics das víctimas implicam frequentemente a roupa e os hairstyles como uma definição principal do punk). As víctimas levantaram-se de uma cena morrendo de New York City nos 1990s adiantados. De acordo com Jorge: “Se você quer se unir, a mais melhor maneira não é lutar fora amongst nos, mas de encontro aos idiots (não pode nos parar, dia 2 de Cidade do México, México 2006). ”, embora seja óbvio que os problemas às vezes internos devem ser fixos a fim resolver o externos.

Também, alguns dos lyrics das víctimas podem ser vistos como hypocritical. A canção “políticos”, por exemplo, é crítica de lyrics políticos na rocha do punk. Entretanto, a faixa tem começado o mais recentemente incorporar lyrics políticos em suas canções.

MembrosEditar

 
Toda guerra tem suas casualties

Lineup atualEditar

  • Jorge - vocals (1990-present)
  • Rick - baixo (1999-present)
  • Jake - guitarra (1993-present)
  • Meggers - cilindros (1995-present)

Membros anterioresEditar

  • Colin - vocals (1990-1994)
  • Hank - baixo (1990-1992)
  • Fred - guitarra (1992-1993)
  • Marie - baixo (1992-1993)
  • Microfone - baixo (1993-1997)
  • Jon - baixo (1997-1999)
  • Yureesh - cilindros (1990-1994)
  • Shawn - cilindros (1993-1994)
  • Mehdi - baixo (1999)

DiscographyEditar

Albums do estúdioEditar

  • Para o Punx (1997)
  • Exército subterrâneo (1998)
  • Estada avariada (2000)
  • Dado Hards (2001)
  • Na linha dianteira (2004)
  • En La Lina De En Frente (2005)
  • Sob o ataque (2006)

Albums da compilaçãoEditar

  • Os anos adiantados: 1990-1995 (2001)

Várias aparências da compilação dos artistasEditar

  • Benefício para Cerveja (1990) - “Sin político”
  • Punx une-se (90's adiantados) - “Punx une-se”
  • Punx une 2 (90's) - a “maneira de vida”
  • Presentes do compartimento do ampère: Volume 2-Street Punk (2004) - “sons das ruas”
  • Un-Líderes de Punx de hoje (2005) - “Rebel”

EPsEditar

  • 40 onças. Víctima (1992)
  • Beber é nossa maneira de vida (1993)
  • Quem está no controle? (2000)

VideosEditar

  • Começar fora do meu traseiro (2001)
  • Pertence-nos amanhã (2004)
  • Não pode parar-nos (2006)
  • Ruas da cidade (2006)
  • Bastardos Drunken (????) Este vídeo foi feito e compilado por um amigo próximo das víctimas que destacam os anos adiantados das víctimas com seu singer original as well as Jorge de 1990 a 1995 ou a 96. É agora o footage o mais raro e o mais velho das víctimas gravadas sempre, e usou-se estar em alguns locais como AngryYoungAndPoor.com e PunkUtopia.com, mas foi puxado mais tarde pela faixa eles mesmos da distribuição do punk por causa do “não pode parar-nos” DVD (ou algum outro DVD) que suposta/conterá o footage velho, raro dele para trás nos dias adiantados.

ReferênciasEditar

1. Imprensa americana da música do ^ (ampère) # 07 fevereiro/março 2004, disponível em http://www.thecasualties.net/amp_interviews.htm

Ligações externasEditar

  • O Web site do oficial das víctimas
  • As víctimas em MySpace.com