Abrir menu principal

Desciclopédia β

Catarinense

Ponte-HLuz.jpg Se quésh quésh, se non quésh, dish!

Este artigo é catarinense! Já entrou em coma alcoólico na Oktoberfest, sabe o que é boi-de-mamão, tem um poster do Guga e pensa que é alemão!

Venha para o lado barriga-verde da força você também!


Cquote1.png Você quis dizer: Gaúcho não assumido ou metido a europeu Cquote2.png
Google sobre Catarinense
Cquote1.png Habitantes de um dos milhares distritos que compõem meus domínios. Cquote2.png
Aquaman sobre Catarinense
Cquote1.png Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café? Cquote2.png
Dona Florinda Catarinense para qualquer visitante


Catarinense é a denominação dada para criaturas nativas do estado de Santa Catarina. São uma espécie de baianos do sul, caracterizadas pelo seu comportamento hostil para com gringos norte-americanos, nativos de outros países sul-americanos (principalmente argentinos) e até mesmo com brasileiros provenientes de outros estados, sobretudo gayúchos, pois julgam-nos indignos de seu estado pelo fato de se acharem europeus demais para o bico dos povoados em questão. Adoram carros com adornos chamativos, se vestem de forma espalhafatosa e tentam ao máximo forçar o sotaque para parecer que são gringos tentando falar português mas no fundo, sabem que não passam de habitantes frustados de um país fodido da América do sul.

Índice

CaracterísticasEditar

 
Uma típica catarinense apta a lhe oferecer um cafézinho.

Como já foi dito acima, catarinenses são uma espécie de gaúcho metido a europeu que praticamente detestam o continente americano. Ficam inconformados pelo fato de não fazerem parte da Europa, são seres idênticos aos gaúchos embora não assumam por que se acham europeus demais, a melhor forma de irritá-los é: sempre lembre-os que são brasileiros, nativos de um país que ao invés de pizza e chucrute, come feijoada e acarajé. Porém, é um fato que os únicos que são bem recebidos pelos catarinenses são os gringos italianos, alemães e polacos, pois acham que são da mesma nacionalidade.

Os catarinenses também podem ser caracterizados por sempre, sempre oferecer um cafézinho quando você for visitá-los. Não importa se você é um inimigo ou se é o próprio Diabo, sempre vão oferecer uma xícara de café. Mesmo que você seja a pessoa mais odiada por eles, e mesmo que eles te odeiem acima de tudo, sempre vão oferecer café. Mas cuidado: catarinenses psicopatas podem te oferecer café envenenado, por isso, nunca é bom aceitar o dito cujo cafézinho, ainda mais se você for nativo de outro estado brasileiro ou um cigano.

 
Velho gordo e sua provável esposa, sendo dominados pelo capeta.

Porém, uma das maiores diferenças entre o restante dos brasileiros e os catarinenses, é que esses últimos, talvez pela necessidade de adaptação, desenvovleram um organismo resistente ao frio e a umidade. Acredita-se que catarinenses tenham desenvolvido brânquias e guelras para que pudessem sobreviver as grandes enchentes que atingem seu estado. Isso explicaria o fato de haverem poucas mortes por enchentes (apesar de elas comumente serem mais fortes que o normal) em Santa Catarina do que nos demais estados que também sofrem com enchentes. Tanto é que todas as mortes que ocorreram durante as grandes enchentes que já afetaram o estado foram de gringos, de nordestino ou foram ocasionadas pelos tubarões que conseguiram ter acesso as ruas aquáticas do estado por meio do mar, que teve ligação direta com o estado devido a enrome quantidade de água que interligou ambos.

Catarinenses também são conhecidos por constantemente serem encontrados bêbados devido a grande quantidade de chope que consomem em festas alemãs como a Oktoberfest (festa destinada a beberrões, como seu pai). É representado por um velho gordo e bêbado que dá um bom exemplo para as crianças.

Catarinenses FamososEditar

 
Catarinense adaptado se dirigindo para o trabalho (provavelmente como criador de ostras e frutos-do-mar) no inverno.

A seguir, alguns catarinenses muito conhecidos:

Algumas expressões catarinensesEditar

Acôo: latido dos cães;

Arrombasi!: Arrasou!

Baboseira: Bobagens, abobrinhas;

Boi ralado: carne moída;

Coça: surra;

Diacho: Diabo (sinônimo de "Demonho");

Piquininho: Pequeno;

Sóvai: Como é que vai? (em sentindo de pergunta), Vai indo... (Em sentindo de resposta);

Dijahoje: agora há pouco, uns minutos atrás, hoje;

Embaçado: complicado, difícil. Também pode significar ofuscado ou de difícil visão dependendo do jumento falante, de forma semelhante ao termo "embaciado". (Ex: vidro embaçado; vidro embaciado);

 
Uma cena muito comum para os catarinenses no inverno. Acredite, eles adoram isso, pois em sua visão, isso os deixa mais próximos dos europeus.

Fuquinha: Fusca, carro velho e ultrapassado;

Galega: loira;

Hosco: uma espécie de cor da pelugem do gado;

Ishtepô: estúpido;

Joaninha: alfinete;

Lember: lamber;

Mofash cá pomba na balaia: Você irá morrer esperando;

Naco: pedaço pequeno;

Ó-lhó-lhó: Veja só!;

Pila: reais, dinheiro, verdinha, money. Também conhecido com algo que você não têm;

Reinar: resmungar, estar bravo, reclamar;

Suli: sul;

Toda vida reto: Sempre em direção reta;

Velhaco: trapaceiro, devedor, trambiqueiro, aquele que deve ou não pagou o que devia;

Bamo: vamos;

Bassoura: vassoura;

Totu muntu: todo mundo;

Batche: .

Ver tambémEditar