Chocolate com Pimenta

Rede-GROBO.png PLIM! PLIM! Este artigo é uma coisa da Rede Globo de Manipulação! Esta página pode estar mencionando alguma novela clichê que sua mãe gosta, algum pseudo-ator rouaneteiro ou algum comunista de boteco que se diz jornalista. Para mais coisas relacionadas ao Projaquistão, clique aqui.


Cquote1.svg Finalmente consegui pegar duas de uma vez Cquote2.svg
Murilo Benício sobre Mariana Ximenes e Priscila Fantin
Cquote1.svg MAI ELA É HOME!!! Cquote2.svg
Márcia sobre Bernadete
Cquote1.svg Eu tenho certeza que vou revitalizar o horário das seis Cquote2.svg
Walcyr Carrasco sobre Chocolate com Pimenta
Cquote1.svg Finalmente vou poder foder contracenar com o Murilo Benício Cquote2.svg
Priscila Fantin sobre Chocolate com Pimenta

Chocolate com Punheta foi a melhor novela das seis (pois Alma Gêmea é só uma cópia dela) exibida entre não sei que dia e sei lá de 2003. Apresentou a puta atriz Mariana Ximenes em sua primeira mocinha menininha boazinha bonitinha burrinha e pobre coitada (depois viriam mais 2000 personagens do tipo em sua carreira) e o safado talentoso do Murilo Benício, com apenas mais um personagem insosso que fala de boca fechada (depois ele abriria a boca para falar revelando seu irritante sotaque carioca exagerado). Priscila Fantin dá vida à sua primeira malvadinha e insuportável, fato que se repetiria durante 50020516 de vezes. Foi escrita por Walcyr Carrasco e dirigida pelo bissexual diretor Jorge Fernando.

SinopseEditar

 
Aí está o símbolo da novela que tantas pessoas adoram.
 
A vilã mais famosa da novela.

A ingênua, virgem e inocente Aninha fugiu lá do fim de mundo Acre onde ela morava, porque uns safados inimigos do pai dela queriam estuprá-la sequestrá-la. A coitada embarca para outro fim de mundo, o curral o sítio de seus parentes: a tataravó CHARMEN; a tia o tio Margarida Margarido, cozinheiro de mão cheia e os primos bastardos: Márcia, uma caipira metida a chique louca para dar o golpe do baú, e Timóteo, um caipira zoófilo que passa os dias brincando no chiqueiro e de noite come a vaca Estrela no celeiro. Ao ganhar uma chance de estudar na escola de freiras para garotas rebeldes e mimadas de uniformes estranhos (alguém lembrou de Chiquititas?), não passa em nenhuma matéria, de tão burra que é. Se apaixona pela primeira vez por Danilo, o pegador oficial da cidade, que só fala de boca fechada e acaba enfrentando a ira divina das gurias retardadas da época, lideradas por Olga, a rapariga poderosa no colégio que ninguém estuda. Ficam apenas fofocando, saltitando enquanto Aninha se ilude nas mãos do cara. Depois de uma bela noitada, ela perde o seu cafetão Danilo para Olga, uma cretina e mimada rapariga patricinha dos anos 20.

E ainda por cima, no bailinho de fim de escola, Aninha ainda sofre ao levar um banho de gosma, e todo mundo ri da cara dela, lascada, feia e grávida, e Danilo nem vê nada: apenas assiste e Olga tem seu momento de glórias. Aninha foge dali, já transformada em "Carrie, a Estranha", e Meninão a leva embora, com o objetivo de transformar Aninha numa mulher de verdade: poderosa, mandona, rica e sem coração.

Com isso, começa a odiá-la e o seu gostosão Danilo e, para dar a volta por cima, dá o golpe do baú no velhote Meninão (ela dava esse a apelido quando ia para a cama com ele). Do fruto do amor falso dele e da Aninha, nasce o Tonico e Tinoco, filho dessa rapariga (que na verdade é filho de Danilo, mas ela quis esconder de propósito para completar o plano), um menino chato e mimado que só serve para aumentar o elenco. Depois de 7 anos de tédio com aquele velho cara de bosta, Aninha consegue matá-lo e volta pro Brasil, disposta a mostrar que é a gostosona do pedaço e não tem pra ninguém.

Nessa novela, também temos a irmã do Meninão, a rainha malvada da Bíblia, a Jezebel, que desviava a verba da fantástica fabrica de chocolates (num sórdido encontro com Willy Wonka) para Brasília, queria o marido da irmã e de todo mundo, e conseguiu transformar o filhinho Bernardo na guria retardada Bernadete, a primeira drag queen da história do Brasil, e a pirralha frufru só descobriu isso anos depois. Outro exemplo é o caso Celina e Guilherme, que era um pseudo "Romeu e Julieta", com pai proibindo tudo, irmã fingindo gravidez, que logo virou gravidez de verdade, mas conseguiram matar a louca, e Celina e Guilherme viveram felizes, blá blá blá, e suas reencarnações estão conosco até hoje, sempre com destinos interligados, como Rodrigo Faro, que paga humilhação no Dança Gatinha, envergonhando a linhagem deles, e Samara Felippo, que provavelmente se mudou pra Recópia. Os dois estão na mesma emissora pela ação do destino!

Antes de morrer, o Meninão deu uma caixinha de pandora que só depois, bem mais tarde, Aninha descobre que dentro da caixa têm receitinhas para apimentar a relação, para se precaver no caso de Danilo algum dia broxar! Não, não era receita de Viagra, apenas sabores exóticos de bombons feitos com pimenta (até que enfim a explicação do título da novela)! Dona Mocinha, que era uma santa, comeu o bombom e logo em seguida comeu o pobre do Tio Margarido, que a essa altura estava paraplégico e fez toda casa tremer com essa transa selvagem! Desde então, toda a cidade de Ventura passou a encomendar os famosos bombons da luxúria que Aninha vendia na rua (só tinha brocha em Ventura)!

Enquanto Aninha tem uma recaída e acaba voltando para Danilo (não antes de encarar Olga e sua turma de coleguinhas que aprontam altas confusões com uma turma do barulho!), que no final, se arrepende, resgata Aninha e Tonico do Balão Mágico, depois que foram raptados pelo Fofão. Danilo se ferra, pois tem que criar o guri retardado, dar conta da mulher, e com mais uma filhinha, com a certeza de que o fantasma de Meninão sempre os assombraria, além do arco íris... tem uma Parada Gay!

Depois que o dinheiro do papai acabou, Olga ficou pobre e foi obrigada a virar escrava de um viado de farda que sempre foi afim dela, provavelmente achava que ela fosse homem por causa dos dedos grossos! A vilã acabou morrendo de desgosto e mais tarde reencarnou inúmeras vezes como a namorada de Eduardo Moscovis, que daria origem à próxima novela do autor!

ElencoEditar

 
A origem disso tudo.
  • Mariana Ximenes... Aninha (Maria Mijona/Marreca), de lascada a ricaça
  • Murilo Benício... Danilo, o safadão dessa pseudonovela
  • Priscila Fantin... Olga Maria Puta de 4 no 4º
  • Elizabeth Savalla... Jezebel (Oh, como eu sofro!)
  • Samara Felippo... Celina (Cabritinha)
  • Rodrigo Faro... Guilherme, advogado que mais tarde se transferiria pra Recópia
  • Drica semMorais... Olívia Márcia (Eu sô chique, bem!)
  • Marcello Novaes... Timóteo Caipira
  • Laura Cardoso... Vovó Carmen, verdureira mais rodada de Ventura
  • Kayky Brito... Bernardete, que frufruzinho! Bernardo
  • Osmar Prado... Margarido (nome de macho alfa, por sinal), o boleiro
  • Denise Del Vecchio... Dona Mocinha Velhinha
  • Nívea Stelmann... desGraça
  • Ary Fontoura... Jackes Silverinha Ludovico (Meninão)

Trilha SonoraEditar

  • Apesar de a novela ser de época (comumente lançam um só CD com temas nacionais — e por vezes também incluindo internacionais —), foram produzidos dois CDs com os repertórios separadamente, graças ao sucesso da trama, que ultrapassava os 40 pontos com facilidade. O êxito de Chocolate com Pimenta refletiu-se nas vendas dos dois discos, principalmente do nacional, catapultado pelo tema de abertura, que a siciliana Deborah Blando gravou especialmente para esse fim, assim como Luiz Possi, filha de Zizi Possi, com sua versão em português para "(Somewhere) Over the Rainbow", Além do Arco-Íris, tema do casal principal;
  • Igualmente comum em novelas de época das 18 horas são trilhas nacionais com temas contemporâneos e mais exclusivos das tramas, enquanto às internacionais cabem canções de época (nem sempre precisa necessariamente ser da década em questão), às exceções das novelas Eterna Magia (2007) e Êta Mundo Bom (2016, esta última também da autoria de Walcyr), com quase todo seu repertório formado só por músicas bem antigas.

NacionalEditar

Capa: Mariana Ximenes como Ana Francisca (aka Maria Mijona)

  1. Além do Arco-Íris (Somewhere Over the Rainbow) - Luiza Possi (tema de Ana Francisca e Danilo)
  2. Tristeza do Jeca - Zezé di Camargo & Luciano
  3. Sensação (Baby Face) - KLB
  4. Encontro (Por um Instante o Amor) (L'Incontro) - Fábio Nestares
  5. Toda Vez Que Eu Digo Adeus (Ev'rytime We Say Goodbye) - Cássia Eller (tema da novela Duas Caras)
  6. Voa Bicho - Milton Nascimento
  7. Pra Lembrar de Nós - Flávio Venturini
  8. Tá-Hi (Pra Você Gostar de Mim) - Eduardo Dus(s)ek
  9. Urubu Malandro - Abraçando Jacaré
  10. Sensível Demais - Nalanda
  11. Valsa Brasileira - Luiz Melodia
  12. De Um Jeito que Não Sai - Leila Pinheiro
  13. Apanhei-te Mini Moog - Mu Carvalho
  14. Chocolate com Pimenta - Deborah Blando (abertura)

InternacionalEditar

Capa: Murilo Benício como Danilo

  1. I'm in the Mood for Love - Rod Stewart (tema da novela Salve Jorge)
  2. Everytime We Say Goodbye - Steve Tyrell
  3. Hey There - Bette Midler
  4. (Somewhere) Over the Rainbow - Luiza Possi (também foi tema de O Mágico de Oz)
  5. In The Mood - Glenn Miller & His Orchestra (também foi tema da novela Bambolê, uma que só umas 10 pessoas viram)
  6. Puttin' on the Ritz - Fred Astaire (sem Ginger Rogers. Você provavelmente conhece mais a versão de um tal de "Taco")
  7. Night and Day - Ella Fitzgerald/Buddy Bregman Orchestra (também da trilha de Eterna Magia, mas essa foi um fiasco)
  8. Mack, the Knife (Morität) - Louis Armstrong
  9. Stormy Weather (Keeps Rainin' All the Time) - Etta James/Conductor Riley Hampton (também no CD Cobras & Lagartos internacional)
  10. Lover - John Williams & The Boston Pops
  11. Chocolate Waltz - The John Windsor Company
  12. Good Old Times - Swinging Jellys
  13. Curly Little Girl - Charlie Robins Band

Música de aberturaEditar

Chocolate com Pimenta/DEBORAH BLANDO
Composição: Mu Carvalho

Frio queimando e o calor do chuveiro
O amorraiva sem querer
Formiga e cigarra aqui parecem brigar
Só desejam ser um belo par

Sol e lua, casa e rua
Luz e sereno
Yin Yang, Ping Pong
Cura e veneno

Chocolate com pimenta
Paixão ciumenta, assim violenta
De tanto que sofre aumenta