Abrir menu principal

Desciclopédia β

Christian Goldbach

Christian Goldbach foi mais um matemático da panelinha de Leonhard Euler. Goldbach significa em Alemão "Rio de Ouro" apesar de haver versões para "Rio de gordos". Goldbach era muito famoso por chutar tudo o que podia para o seu "amigo", Euler, que um dia ficou cego de tanta coisa que ele mandava e então ele precisava de alguém para ler as coisas de Goldbach para ele. Goldbach teve a sua conjetura como a mais famosa de sua carreira: A conjetura de goldbach.

Índice

InfânciaEditar

Goldbach nasceu na Prússia, um território que nem sabemos se existe, poderia ser uma boa desculpa para a rússia ter "contato com o mar" mas não colou já que eles só tinham aqueles mares gelados do norte. Goldbach nasceu em uma casinha de madeira em que ninguém o ensinou matemática.

Após um tempo, por não ter muitos amigos (seja por ser Gay, ou por ser tímido) ele fala para o professor que queria muito conquistar uma "garota" (já que ele pelo menos sabia que ele não iria ajudar se ele dissesse que era ele mesmo que ele queria conquistar).

O professor de matemática tirou proveito disso:

  Simples, estude bastante matemática, mostre uma formula do terceiro ano do ensino médio para ela e a diga que quer namorar com ela pois você vai ser rico e esperto  
Professor de Goldbach

De fato ele estudou tanto que ele conseguia, aos 8 anos, fazer a fórmula, então ele faz isso na frente da sala de aula e repete o mesmo diálogo do professor que ele passou para ele.

  Eu queria saber se eu poderia comer o professor já que eu vou ser rico e sou muito esperto  
Goldbach

Naquele dia, o Pai, a Mãe e ele tiveram que fugir da vila pois o professor os caçava com uma espingarda pelo seu filho ser mais esperto que ele e tê-lo humilhado ele em frente a classe. Goldbach mora em São Petersburgo até ele se tornar um professor.

Vida pessoalEditar

Goldbach acabou crescendo e fazendo várias conjeturas, todas foram chutes para todos os matemáticos da época, de Leibiz até Euler ele mandava tudo, principalmente para Euler, cujo ele puxava o saco de monte. Goldbach acaba acertando uma e se tornando membro oficial da panelinha de Euler.

Goldbach acabou sendo tutor do Czar de seu país, que eu vou lá saber o nome pois pouco me interessa esses nomes, só incentivam a decoreba e te fodem. Ele acaba entrando em uma academia de matemática russa e entra para os grandes matemáticos que se aventuraram pelos primos.

No fim, Goldbach não teve uma história cheia de emoções mas fez uma conjetura que entrou para a história e mudou a vida de muita gente.... Na verdade não foi bem assim mas tudo bem.

ConjeturaEditar

Goldbach propõe então uma fórmula básica para seus números: que todos os números acima de 4 pares, são a soma de dois primos.

Agora o que ele quis dizer com essa coisa eu não sei. Afinal foi mais uma das Mais de 8000 conjeturas jogadas à Euler que corrigia as coisas dele. Outro questionamento era o que ajudava a gente saber a sua conjetura? Goldbach interveio e explicou:

  Simples, daqui alguns anos os professores de matemática do terceiro mundo vão ensinar essa coisa, e quanto antes você mostrar essa regra à eles pode garantir a passagem de ano direta  
Goldbach

Bem que ele sabia das coisas. Resumindo: não era eficiente como a de Euler mas era como um passaporte para o ano que vem.

HobbyEditar

Era mandar cartas matemáticas praticamente, a diferença é que ele não morreu antes de publicar suas obras e cartas e que também ele não completou a sua "segunda conjetura de goldbach" que "iria revolucionar o mundo".

Matemágicos Matemáticos, geômetras e outros nerds
v d e h

al-Khwarizmi, o impronunciável - Alan Turing - Albert Einstein - André Weil - Bombelli - Bhaskara - Cantor - Manuel Bento de Jesus Caraça - Euclides - Euler, our king! - Fermat, o príncipe - Ferrari - Fibonacci - Galileu - Galois, o rebelde - Goldbach - Gauss, o príncipe - Newton - Inácio do Amaral - Lambe Humberto - Tio Laplace - Tio Omar do Quibe - Veneno Poisson - Pitágoras, o largo - He Man Riemann - Tartaglia, o gago - Jacques Tetas - Recorde - Pascal - Abel, o azarado - Arquimedes - Paul Anônimo - Cardano, o mais azarado - Tales, o pioneiro - Filho duma tenda - Neumann, o atômico - Erdös, o sociável - Cauchy