Complexo da Maré

Sorriso-sem-dentes.jpg Essi artigu é faveladu!

Nem por isso tá involvida cum droga, putaria ou ladruagi!

Juvenal Antena pode estar sendo citado neste artigo.

Bandeira rj.jpg Papo reto, merhmão, eshte arhtigo é CARIOCA!

Não vandaliza, tá ligado, senão a chapa vai eshquentá, viado! Agora deixa eu irh na praia toshtá nesse sol de 50 graush, comendo unrh bishcoitosh.

Cquote1.svg Você quis dizer: Complexo do Alemão Cquote2.svg
Google sobre Complexo da Maré
Cquote1.svg Você quis dizer: Rocinha dividida em pedacinhos Cquote2.svg
Google sobre Complexo da Maré
Cquote1.svg AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA! Cquote2.svg
Qualquer um quando se perde e vai parar no Complexo da Maré
Cquote1.svg ...e que eu nunca passe ali perto, amém. Cquote2.svg
Oração da Banda Mais Bonita da Cidade de todo carioca se referindo ao Complexo da Maré

Complexo da Maré é um grupo de favelinhas cercadas por uma cidade[Carece de fontes] e que pra não parecer preconceito, é denominado de bairro. Ou, se preferir, comunidade. É uma espécie de embrulho de favelas, pois quando você chega lá percebe que tem favela dentro de favela, favela que é favela ao quadrado, favela desfavelizada e até uma favela que parece mesmo um bairro. Parece um menu de monte seu sanduíche do Burger King, a diferença é que aqui você monta sua favela.

O bairro, ou comunidade, ou favela...ah, sei láEditar

 
Seja bem-vindo ao Complexo da Maré! Que bonito!

É um centro onde pode se encontrar vários espécies da cultura nacional, como o curupira, o saci pererê, a mula sem cabeça e, claro, o traficante rambo. Tamanha estranheza do local. Ao contrário do que você pensa, tem TV por assinatura, energia elétrica, água, telefone...Tudo ilegal na base de gatos, mas tem, oras. Pelo menos as casas são perfeitas. No Mundo do Contra. Mas pelo menos são em algum lugar né...

Bom, fica quase as margens da Baía de Guanabara, o que já deixa também um belo odor, que inspirou um perfume francês chamado Arome de Merdè. Alguns dizem que coisas achadas na Baía, como sofá, pneu, madeiras e satélites espaciais da NASA foram reaproveitadas pra fazer a tal favela. Só não puderam usar a terra achada nas margens como adubo para as plantas porque a coisa tava tão podre que nem pra isso serviria, as plantinhas morreriam e onde essa poção radioativa fosse jogada certamente nunca mais nasceria uma plantinha no local.

Fica próximo da Avenida Brasil, da Linha Amarela e da Linha Vermelha, também conhecidas como Rota do Crime. Essa área também pode ser denominada de Neo Faixa de Gaza, pois o lugar é extremamente seguro, os bandidos guardam aquela área com todo o armamento que pode. Alguns especulam que a Terceira Guerra Mundial pode começar ali, se a Al Qaeda e as FARC deixarem, claro.

Agora vamos nos aprofundar quanto às mini-favelinhas alí encontradas. Mas desconsidere isso, experimente dar um F5 em seu navegador, pois até esse ponto do artigo é provável que os macacos super dotados de inteligência que trabalham na Desciclopédia já tenham detectado mais de oito mil novas comunidades carentes e já as tenham incluído neste artigo.

Morro do TimbauEditar

 
A possível imagem que a Tia Gorda teve. Realmente, é um lugar muito bonito pra se começar um bairro!

Surgiu em 1940, quando aquele lugar nada mais era do que mato e lama. Muita lama. Igual Japeri atualmente. Bom, seguindo, uma simpática tia gorda passeava pelo local e observou Nossa! Que belo lugar pra construir uma casa da Barbie! Deve ficar lindo! Bom, ela realizou o sonho, juntou madeira e uns pregos e construiu a primeira casa da Barbie in real do mundo.

Bom, a ideia atraiu mais gente, e mais gente, obra da expansão imobiliária e do interesse geral das pessoas em morar no mato, até porque assim como viver no lado do lago é garantia de peixe fresco o ano inteiro, viver no meio do mato é garantia de carne de o ano inteiro.

  E de muita perereca também! HAHAHA! Perereca! Sacou o trocadilho!?  
Seu tio engraçadão falando merda

Bom, com o tempo acabou que machos chegaram lá e acabaram com essa história de casinha da Barbie, forçaram a primeira moradora do lugar a dizer que era apenas porque o lugar era bonito e legal (sim, coação em favela já existia em 1940). Surgiu a Avenida Brasil e aí acabou, ocuparam tudo. Vendo a oportunidade de ganhar dinheiro, o governo foi pro local cobrar uma taxa de ocupação, mais conhecida como tu mora no mato mas ainda vai pagar IPTU, o que gerou total revolta do povo da área.

Assim surgiu a maior reunião de pessoas que não estão nem um pouco interessadas em pagar impostos e ameaçam quebrar vidros de prédios públicos em atos de protesto, isso foi chamado de Associação de Moradores. A primeira na história de uma favela. Algo que mais tarde viraria Associação Comandada Pelo Tráfico e onde quem dá a ordem é o tráfico, quem protesta é o tráfico, quem pune é o tráfico e só quem não é punido é o tráfico (ou sim). Tem vários becos sem saída, por isso também é a favela que mais trolla pessoas na face da Terra sem precisar matar elas[Carece de Fontes].

A expressão Mas que merda! surgiu quando pela primeira vez alguém viu essa bosta em expansão e sem chance de acabar com a mesma.

Baixa do SapateiroEditar

Foi quando um astuto sapateiro decidiu criar uma nova zona de ocupação que seria tão desorganizada quanto uma alta concentração de flamenguistas em qualquer lugar que seja. Foi criada no mangue pra fazer com que todos gastassem as solas de sapato mais rápido e precisassem dos seus serviços. Se chamava Favelinha do Mangue de Bonsucesso até decidirem homenagear o sapateiro e depois de perceber a merda que é o bairro de Bonsucesso, que nem essa mini-favela merecia tamanho desmerecimento ao ser citada como de Bonsucesso.

Nela existe a rua Evanildo Alves, a que dividi as duas facções (Imagina a adrenalina diária que os habitantes dessa rua experimentam). Constituída por comércios, galpoes abandonados, porcos a beira do valão (Também há um valão que separa a baixa do morro do Timbau) e uma praça com campo. Com confrontos diários com NH faz parte dos TCP.

Conjunto Marcílio DiasEditar

 
Complexo da Maré domingo a tarde. Vê algo de anormal? Nem eu.

Nada mais é do que uma reunião de pescadores que construíram barraquinhas ali porque era no meio da praia. A praia se extinguiu e hoje virou mais uma parte desse complexo. Tem um pouco de comércio, que é o braço da economia no local. As vendas de drogas ali não são contadas, já que geralmente vai tudo pro mesmo chefão mesmo...Dentro dessa favela tem uma outra mini-favela, se desenvolvendo de uma maneira igual à de espinhas no seu rosto, que vão ficando tão grandes que pareçe que você está de duplicando. O governo reprime essa mini nova comunidade com Acnase ameaças de despejo.

Parque Maré (onde fica o bairro)Editar

É na verdade um patch de pouco de expansão da Baixa do Sapateiro. Os carros de entulho antigamente jogavam tudo na área pois os moradores promoviam a expansão do lugar com a placa aumente essa merda, e isso era permitido até para o cheiro ruim atrair porcos perdidos e assim que um desses entrasse na área já garantir a janta de 50% do povo de lá. Linguiça. É o lugar mais perigoso de todos, tanto que o complexo só se chama da Maré porque os mano da quebrada prometeram meter bala em todo mundo que ousasse chamar esse amontoado de gente de outro nome sem ser Maré.

Roquete PintoEditar

 
O negócio lá é tão chapa quente que nem ônibus com condicionado resiste e acaba derretendo.

  Boquete e pinto!? ADOREI!  
Viado surdo sobre Roquete Pinto

Surgiu de um monte de boqueteiros aterros feitos pelo povo de lá. São zoados por todo o resto do complexo por ter esse nome escroto, que segundo eles é uma homenagem a um escritor. Bom, melhor eu não escrever mais nada de viadagem aqui senão quando eu for lá vão me reconhecer e me matar. Antes que planejem isso, meu IP é proxy! Nunca vão me achar! MUHAHAHA!

Nova HolandaEditar

  O que essa porra tem a ver com a Holanda?  
Idiota sobre Nova Holanda

Uma das Comunidades mais populosas do CV e de CV por metro quadrado. Tem um DETRAN só para eles. É a que tem mais centros de direitos humanos para bloquearem as operações policiais. Funk e pagode são os ritmos predominantes. Por aqui fica o 22° batalhão da Maré de frente para a Linha Vermelha (avenida) q nem se quer consegue proteger as portas dos fundos q fica na NH. Aqui há muitos mercados e feiras. Na divisa com a Baixa do Sapateiro há a segunda maior aglomeração de zumbis (cracudos) da cidade (só perde para o Jacarezinho).

Segundo muitos, essa comunidade só existe porque navios negreiros vindos direto da Holanda decidiram descarregar o excesso de laranjas que tinha no país (sim, a alta quantidade de laranjas que fazem tal peso na Holanda pra ela ficar abaixo do nível do mar!) em alguma área no Brasil, que desde os tempos de colônia é o entulhão de todo mundo.

Novo ParqueEditar

Invasão, opa, emancipação do Parque União. Essas quatro vilas (favelas) têm apenas uma entrada para carros cada uma são consideradas para muitos a zona sul do Complexo da Maré por ser a mais "tranquila". Habitada em maioria por nordestinos, o ritmo musical predominante é o forró e a música brega. Atividade comercial principal é o bar. Mesmo bem pequenas são dominadas pela CV.

Parque UniãoEditar

Polo de gastronomia e entretenimento do CV. Por Lá você encontrará a conhecida praça do Parque União com seus shows em ritmos de forró e a feirinha. Também temos o porto de barcos de pesca para quem curte peixe com tempero de esgoto a la carte. A famosa rua do valão que quando chove o Valão transborda de tanto lixo. Igrejas e bares existem em todas as esquinas para os cacrudos não terem desculpas dizendo que não conseguiu se salvar a tempo.

Piscinão de RamosEditar

3 comunidades organizadas com seu lindo e cheiroso piscinão de Ramos que recebem turistas de outras favelas e seus moradores. Ela fica a beira da Baía de Guanabara (cheia de lodo e lixo jogada por seus habitantes em grande parte). Tinha esquecido do morro Maurício dias (Borgauto para os mais a chegados) e é a única comunidade do lado oeste (outro lado) da Av. Brasil. Todas as três dominadas pela milícia.

Rubens VazEditar

Uma das menores comunidades constituída de apenas duas ruas e pouco conhecida. Povoada por nordestinos e favelados. Uns confundem fazer parte do PU e outras da NH. Ha uma quadra e um campo sintético para alegria da rapaziada. Famosa pelo ponto de ônibus caracol (passarela em formato de caracol que nem se quer existe mais pois estão construindo a Transbrasil).

Parque Nova Maré (Tijolinho)Editar

Apelidado de Tijolinhos são prédios colados bem esquisitos fora dos padrões. Parece com favelas do Peru. O nome Parque pode se dizer que faz jus ao nome parque pois tem uma vila olímpica (um campo aberto otimo para confrontos armados e difícil de se entocar. É a que tem mais escolas ao todo 7 de acordo com o mapa das comunidades, no entanto, na real, 5 delas fazem parte da NH. Os TCP também tem um DETRAN só para eles (há muleque!). Funk e pagode predominam.

Bento Ribeiro DantasEditar

É a comunidade mais recente criada. No local havia galpões e terrenos abandonados. Fica exprimido entre a linha Amarela e parte do morro do Timbau.

Vila do João e Conjunto PinheirosEditar

Os mais aglomerados do TCP. Tem de tudo. Comércio, forró, funk, pagode, axé, igrejas, feiras empresa de ônibus, UPA, valão. Formado por apartamentos pequenos do minha casa minha vida.

ResumindoEditar

O Complexo da Maré é sempre destaque na mídia por ser um bairro exemplar, quando o assunto é educação, saúde, povo hospitaleiro e por ser o orgulho do estado do Rio de Janeiro. Todos ficam com tranquilidade ao transitar pelo bairro, especialmente as pessoas comuns, que não precisam andar armadas pelo local para se sentirem seguras.