Abrir menu principal

Desciclopédia β

Romanopre.jpg ROMANI ITE DOMVM!!!

HÆC ARTICVLVS ROMANVM EST. LATIM LOQVÆBITVR. NON INTERLEGIT? HVMORIS PRIVATVS NON EST. MVITISSIMVS ENGRAÇATVS! SED ROLA MEAM VADE MAMARE! VADE FŒDERE CVM PORRIBVS NOSTRVM.

Spqrpre.jpg


Jovem Décio, que mais parecia uma faxineira sexy.

Caio Méssio Quinto e Meio Trajano Décio Sétimo Bélio, ou Décio para os que tem preguiça de escrever ou falar seu nome por completo, foi o 6896º imperador romano. É o típico caso do general queridinho do exército que assume o poder.

Índice

HistóriaEditar

Décinho era uma criança que sempre gostou de jogos de estratégia. Quando cedo se tornou mestre em jogo da velha e Batalha Naval. Ganhava de todas as crianças de sua faixa etária e até de crianças mais velhas, alcançando o auge ao vencer seu irmão mais velho, já adolescente.

Chegando à adolescência, se especializou em jogos de estratégias de níveis mais avançados, especializando-se em jogos de guerra. Grande conhecedor de estratégias jogador de Age of Empires e War, adquiriu grande conhecimento em administração e táticas militares.

Aos 18 anos, alistou-se no exército romano, destacando-se por seus conhecimentos na "arte da guerra", se tornando um dos capitães mais jovens da história do exército romano. Sempre era consultado por seus superiores a respeito de qual melhor tática a ser adotada no campo de batalha, correspondendo sempre às suas expectativas. Não demorou muito a se tornar general.

Após Filipe Árabe se tornar imperador, foi nomeado como general responsável pelas tropas que cuidavam das fronteiras. Na verdade, a intenção do imperador era matar Décio, ou fazer com que ele morresse o mais rápido possível, falhando miseravelmente.

Todo mundo estava revoltado da vida com Filipe Árabe, que não cheirava nem fedia, muito menos participava das guerras, nem das orgias, nem de tudo o que todos normalmente faziam nessa época.

Décio era um general por sede de sangue e morte, e ao perceber que o seu imperador mal saia do palácio real, ficou revoltado com essa situação. Por ser o mais experiente do exército em batalhas, e por ser o mestre e ganhar de todos os outros soldados em vários jogos de estratégia de guerra como Age of Empires e War, Décio foi o escolhido para liderar o pelotão de guerra, que viviam a vigiar as fronteiras, contra o exército pessoal do então imperador, Filipe Árabe, que não tinha nenhuma experiência em jogos de estratégia e apenas jogava Winning Eleven.

 
Após sua morte, Décio foi homenageado pela Jontex Junior.

Após o massacre, Filipe Árabe foi morto, e Décio assumiu o poder, governando de 249 à 251.

O que fez quando se tornou ImperadorEditar

Após a morte do imperador, Décio ameaçou todo o senado de morte, caso não o proclamasse imperador, sendo prontamente atendido, sendo conhecido como O Imperador Ameaçador / Comprador de Votos.

Sua administração baseou-se basicamente em perseguir os cristãos. Ordenou que todos que proclamassem sua fé em Cristo morressem, mesmo sem proclamar, se pelo menos tivesse fisionomia ou "jeitão" de cristão era morto. O ódio de Décio pelos cristãos era tanta que chegou a ser comparado com Nero, só que Nero só ganhava por ter metido fogo em Roma.

Décio morreu em batalha. Depois de muito lugar contra os Godos e ver seu único filho ser estuprado e vendido como prostituta para os africanos, Décio não resistiu e morreu, se tornando assim o único imperador romano a morrer nas mãos dos bárbaros e o primeiro a presenciar a mudança de sexo de seu filho.

 
Homenagem eterna ao grande imperador.

Mulher do DécioEditar

Dizem por ai que a mulher do Décio, a Herennia, teria virado imperatriz (!) de Roma após o marido morrer de desgosto, e colocou o filhote (já que filho, ou filha, é meio inaplicável em caso de mudança de sexo) Hostiliano no poder. Só que pra azar dela, Hostiliano era muito hostil e acabou morrendo de gonorréia após uma orgia com vários homens. Assim, ela acabou sumindo do mapa.

Ver TambémEditar

Precedido por
Filipe Árabe
 
Imperador Romano

249 - 251
Sucedido por
Treboniano Galo


Imperadores Romanos

Júlio-Claudianos
Otávio AugustoTibérioCalígulaCláudioNero

Guerra Civil e Flávios
GalbaÓtonVitélioVespasianoTitoDomiciano

Antoninos
NervaTrajanoAdrianoAntonino PioMarco AurélioCômodo

Severos
PertinaxDídio JulianoSétimo SeveroCaracalaMacrinoHeliogábaloAlexandre Severo

Zorra Total ou Quem der mais leva
Maximino TrácioGordianos (I, II e III)Filipe ÁrabeDécioTreboniano GaloValerianoGalienoCláudio II GóticoAurelianoProboCaroCarino

Tetrarquia e Constaninianos ou Agora somos cristãos, Amém!
DioclecianoConstantino MagnoConstantino IIConstanteMagnêncioConstâncio IIJuliano ApóstataJoviano

Valentinianos e Teodosianos ou Corra que os bárbaros vêm ai
Valentiniano IValenteValentiniano IITeodósio MagnoHonórioConstantino IIIValentiniano IIIPetrônio MáximoÁvitoMajorianoLíbio SeveroAntêmioOlíbrioGlicérioJúlio NeposRômulo Augustulo