Abrir menu principal

Desciclopédia β

Damares Alves

13043294 1737024776556582 5184858152390766203 n.jpg Este artigo é coisa de conservador!

Ele(a) é a favor da Ditadura Militar, dos direitos dos cristãos e da família tradicional de 1920.
Provavelmente deve ser algum(a) cidadã(o) de bem defensor(a) da moral e dos bons costumes.
Um bandido condenado a morte não volta a executar ninguém...


Damares sorrindo ao ver os ateus queimando no DOPS inferno.

Cquote1.png Você quis dizer: Doidamares Cquote2.png
Google sobre Damares Alves
Cquote1.png Você quis dizer: Zacarias Cquote2.png
Google sobre Damares Alves
Cquote1.png Você quis dizer: Ozzy Osbourne Cquote2.png
Google sobre Damares Alves
Cquote1.png Eu tenho medo... Cquote2.png
Regina Duarte sobre Damares Alves

Damares Regina Alves (que não tem nada a ver com aquela cantora gospel que faz cosplay da Valeska Popozuda - ou não) é uma pastora (provavelmente avó da Menina Pastora Louca), sequestradora de indigenas, "advogada" um pouco duvidosa e também teoricamente uma doida de pedra ministra, no caso dela dos "direitos humanos" (e também da mulher, da família, dos índios, dos crentelhos e das profetadas bizarras).

Eu poderia ter colocado lá em cima a seção bizarra de citações, mas pra entender melhor quem é essa criatura psicótica, o melhor a fazer é encher linguiça tacar tudo aqui mesmo:

Cquote1.png Menino veste azul, menina veste rosa! Cquote2.png
Damares Alves, fodendo com a existência de todos os daltônicos do Brasil
Cquote1.png A gravidez é um problema que dura só nove meses! Cquote2.png
Damares Alves, esquecendo que ela também é um problema que durou nove meses para sair do cu depois deles podem aparecer criaturas imbecis como os vândalos da Desciclopédia, por exemplo.
Cquote1.png É o momento da igreja governar! Cquote2.png
Damares, esquecendo de avisar o presidente Bozonaro que o verdadeiro presida vai ser o Silas Malafaia.
Cquote1.png A mulher nasceu pra ser mãe Cquote2.png
Damares achando que as mulheres são iguais a um Kangaskhan, que já nascem com um bebê no bolso
Cquote1.png Sou mestra em Direito Constitucional e Direito de Família, meu orientador se chama Inri Cristo! Cquote2.png
Damares, esquecendo que Jesus não tem diploma pra ensinar ninguém em Direito, só se for o de levar a culpa no lugar de um ladrãozinho qualquer...

HistóriaEditar

 
Damares fazendo uma de suas campanhas.

Tia Dadá nasceu em Paraná na Água em 11 de março de 1964, alguns dias antes do Golpe Revolução Sei lá que porra foi isso de 1964, o que pode explicar (ou não) sua mente tão perturbada, afinal passou a infância inteira achando que o mundo é tóis é tiro soco porrada e bomba em infiéis anticristos comunas. Com isso ela começou a acreditar que a maior parte do mal existente no Brasil advinha, obviamente, do maldito Nordeste, onde só tinha comuna e provavelmente um covil de macumbeiros e bruxas (macumbeiro eu até entendo que é porque geral acha que Bahia é o nordeste inteiro, mas de onde carajos ela tirou que tinha uma filial de Hogwarts no Nordeste é algo que nem Jesus deve explicar...).

Assim ela criou no Paraná uma igreja onde os membros todos eram da classe mais conservadora do Universo. Daí vieram mitos como Sérgio Moro, Deltan Dallagnol, Alborghetti, Ratinho e toda a raça paranaense de caçadores em defesa dos fracos e oprimidos pelo estigma petista satânico. Chegou a trabalhar também com o cantor-de-boteco e senador Magno Malta na luta contra todos os comedores de menininhas, organizando inclusive organizações entre os indígenas camaiurás no Parque Indígena do Xingu, pra na teoria impedir a prática de pegar os bebês que nascem com probleminhas e dar pras jaguatiricas comerem, mas na prática promovendo por trás um verdadeiro tráfico de pessoas ao adotar ilegalmente algumas dessas criaturinhas pra geral levar lá pra fora e expor como "filho esquisito das selvas" ou algo do tipo, bem na linha do Jimmy Savile pagando de defensor das criancinhas, mas comendo um monte delas por aí afora.

Damares chegou a seguir por outros Estados, inclusive em Emigê, onde virou pastora da Igreja Batista da Lagoinha (sim, aquela que tem aquele grupo com nome de privada que até teu primo viado e ateu gosta das músicas e que tem aquela cantora com síndrome de leãozinho) e lá ela recebeu através de revelação superior (tinha uma lojinha da Kodak no sótão da igreja) os diplomas de mestrado em educação, direito constitucional e direito da família, além de uma vaga de advogada na OB, provavelmente essa última tendo aulas com o Professor Gilmar (única explicação plausível, já que todo o resto dos diplomas ela deve ter arranjado diretamente do próprio ânus).

Antes de chegar ao governo do Bolsonaro, Damares quase cometeu suicídio, porque não conseguia subir num pé de goiaba e tava morrendo de fome, mas aí ela viu a imagem de Inri Cristo na goiabeira (na verdade eu acho que era realmente o próprio comendo umas goiabas por lá) e ele disse "morre, porra!" Vendo que esse pseudo-messias queria vê-la morta e enterrada, ela se rebelou e decidiu não se matar (obrigado por nada, Jesus de araque!).

De lá pra cá, quando virou ministra da Mulher, Família, Papagaio, Gato e Cachorro, essa psicótica se tornou o maior escudo do governo Bozonaro, com seu poder de atrair todas as críticas e zueras possíveis e inimagináveis pra ela, desviando o foco das merdas feitas pelo resto do governo. Todo mês ela consegue fazer o que nem as melhores ostras do universo e da Desciclopédia seriam capazes: um colar de 30 contas, cada uma uma pérola nova e mais valiosa. Claro, o quesito "valor" varia do que você considera valor né...

Damares também alcançou certo reconhecimento por escrever putarias fanfics. Sua última obra contava a história de uma princesa lésbica que morava em um castelo de gelo.

  Damares Alves é obeso(a), ou está "acima do peso"

E pode ter um AVC a qualquer momento.

Clique aqui para conhecer outros elefantes, se ainda sobrar espaço...

  Este artigo trata de uma personalidade mortalmente,
putaqueparivelmente e filhadaputamente odiada!
Ele(a) nunca será respeitado se continuar desse jeito.

Conheça outros filhos da puta clicando aqui.