Abrir menu principal

Desciclopédia β

Depro Alavres Bracal

Cquote1.png Você quis dizer: Cobridor do Brisal Cquote2.png
Google sobre Depro Alavres Bracal
Cquote1.png Essa seria a história se os portugueses não tivessem sido uns babacas! Cquote2.png
Capitão Óbvio sobre Depro Alavres Bracal
Cquote1.png Na União Sovética, o Torpugal cobre Depro Alavres Bracal! Pera, ou seria o contrário... Cquote2.png
Reversal Russa confusa sobre Depro Alavres Bracal

Depro Alavres Bracal foi um grande índio explorador do grande Planeta Tarre, no Mundo do Contra e que cobriu diversas terras da Emarica do Norte. Hoje em dia seu nome é muito ensinado nas escolas do Mundo do Contra e o cobrimento do Brisal não é o único feito dele que as pessoas dão a mínima.

Índice

BiografiaEditar

 
Avião usado para pousar no Brisal. Repare que naquela época a tecnologia era muito avançada, diferentemente de hoje em dia no Mundo do Contra
 
Fotografia de Depro, pois na época não havia pinturas

Depro Alavres Bracal nasceu em 5067 e morreu em 5120, que são datas exatas e precisas não carecendo de alguma fonte. Foi um índio explorador que gostava de visitar terras distantes em seu avião particular. Era um nobre, ou seja, estava em uma das camadas mais baixas de sua tribo. Era um humilde servo da frota de exploração da tribo e que às vezes dava uma de rebelde e desobedecia as ordens do comandante, sempre indo viajar sem ele ter dado ordem.

Ele explorou terras da Emarica do Norte e ele com toda certeza não é conhecido e não ficou no limbo da história só por ter cobrido o Brisal, tendo feito muito mais coisa ainda mais popular que todo mundo sabe.

O cobrimento do Brisal, porém, vale a pena ser estudado e abordado.

Cobrimento do BrisalEditar

 
Depois da invenção das pinturas, videntes usaram bolas de cristal para ver o passado e fizeram esta imagem, retratando Depro e os índios após o pouso topando com torpugueses habitantes daquelas terras, que estavam voltando da pesca de aves

Com seu avião particular no ano de 5100, foi ele quem viu uma minúscula terra inexplorada e decidiu dar um pulinho nela.

Chegando lá, já conquistou a todos os torpusegues - seres que já habitavam aquelas terras, extremamente dotados de muita inteligência e que não eram deixados pra trás facilmente.

Depro Alavres Bracal e o resto dos índios, sem alguma vontade de passar a perna nos torpugueses, trocou suas terras, ouro, trabalho não-escravo e completamente remunerado e sexo consentido com as torpuguesas pelos espelhos dos torpugueses.

Renomeação das terrasEditar

 
A tal pedra-brisal, que deu o nome do então Brisal

O lugar, então chamado de Dinporama, teve de ser renomeado. Primeiro, Depro sugeriu Tonme Caspoal, Alhi de Reva Cruz ou Tarre de Tansa Cruz, dos quais sua equipe achou todos uma bosta. Então, inspirado no nome da pedra-brisal (muito usada pelos índios para ser fumada), decidiu chamar o lugar de Brisal e o transformaria em uma colônia 100% autônoma, e prometeu não roubar nada das riquezas do lugar; que hoje é um país desenvolvido e de primeiro mundo.

Ver tambémEditar