Pedro II do Brasil

(Redirecionado de Dom Pedro II)

Nota: Para outros significados de D. Pedro II, ver D. Pedro II (desambiguação).


Cquote1.svg Você quis dizer: O Maior Brasileiro (que tomou pé na bunda do alagoano Deodoro) de Todos os Tempos Cquote2.svg
Google sobre Pedro II do Brasil
Cquote1.svg OWNED!! Cquote2.svg
D. Pedro II sobre Juan Manuel de Rosas
Cquote1.svg ¡Hijo de puta! ¡Te odio! Cquote2.svg
Francisco Solano López sobre D. Pedro II
Cquote1.svg Despesa inútil é um furto a nação! Cquote2.svg
D. Pedro II e uma de suas frases ignoradas pelos políticos corruptos atuais
Cquote1.svg All your throne are belong to us Cquote2.svg
Deodoro da Fonseca após a proclamação da república
Cquote1.svg Conselho para quem for me imitar... Eu sou carioca do Rio de Janeiro, então me imitem com sotaque carioca. Quem era português era meu pai. Cquote2.svg
Dom Pedro II sobre imitações dele

Pedro II do Brasil
Pela Graça de Deus (non ecziste) e Unânime Aclamação dos Povos (excluem-se os Paulistas que não se misturam), Imperador Constitucional e Defensor Perpétuo do Brasil dos Bugres
Dom Pedro II no Trono.jpg
Reinado 7 de Abril de 1831 - 15 de Novembro de 1889
Coroação 18 de Julho de 1841
Nome completo Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Bragança e Bourbon...
Nascimento 2 de Dezembro de 1825 (195 anos de idade)
Rio de Janeiro, Brasil
Morte 5 de Dezembro de 1891
Paris, França
Sepultamento 5 de Dezembro de 1939
Petrópolis, Brasil
Antecessor Pedro I, Chalaça do Brasil
Herdeiro Isabel Prinfeia do Brasil
Consorte Teresa Cristina das Duas Sicílias e Quatro Cadeiras
Filhos Afonso Pedro, seu presunto
Isabel, futura não-imperatriz do Brasil
Leopoldina do Brasil
Pedro Afonso, seu segundo presunto
Dinastia Bragança
Pai Pedro I dos Hue e IV dos Manuel das padarias
Mãe Marquesa de Santos Maria Leopoldina da Áustria

Pedro de Alcântara João Carlos Leopoldo Salvador Bibiano Francisco Xavier de Paula Leocádio Manuel Miguel Gabriel Rafael Gonzaga Rico Carrasco Ruas Bencatel Paranhos Gabeira Forte Frota Mateus Bonito Amarante Guilhermino Temes Lago Cordeiro Negromonte Chaves Linhares Farinha Argelim Lins Ferraz Marcos Marcus Marcas Maria Rebelo Custódio Landim Teves Anônimo Raposo Proença Janilson Bandeira Moreira Fontoura Mondragão Meneses Lobato Andrade Castelo Branco e Preto Silveira Camilo Domingos Marilo Lopes Aires de Habsburgo-Lorena e Bragança da Silva, ou simplesmente D. Pedro II (2 de dezembro de 1825 - 5 de Dezembro de 1891) foi linguista, poliglota, astrônomo, matemático, orquidófilo, escritor, parasitólogo, poeta, e claro imperador do então inextinto Império Bacanal Bananal, hoje atual desastrosa República das Bananas.

Primeiros AnosEditar

 
Pedrinho, o pirralho que governou o Brasil.

Nascido em dezembro de 1825, em um dia de calor da peste, o então príncipe do matagal brasiliense e da padaria d'outro lado do oceano Portugay apenas recebera um presente de seus pais de Natal, filho de Pedro I do Brasil, conhecido como o Barão Pinguço, e de sua mãe gostosa Maria Leopoldina da Áustria, poderia, assim como a irmã Maria II de Portugal vir, digamos... de falta de beleza, e assustar o povo com sua cara de tacho, no entanto pela surpresa do próprio imperador, puxou da mãe tanto na beleza quanto também na fogosidade. Poucos meses depois, tornou-se órfão da mãe, dadas as circunstâncias de sua cabeça ser maior do que uma bola de boliche, recebendo posteriormente o apelido de rasga-mãe, o que fez dona Maria Leopoldina ficar sem a piriquita e vir a óbito. Dom Pedro I nem deixou a defunta esfriar e logo importou da Europa uma substituta, a princesa D. Creusa de Leuchtembergchlastemburg, quem Pedro II a chamava de macaca.

Aos cinco anos, foi abandonado pelo pai, trocado por um maço de cigarro e um gole de cachaça vindos de Portugal, já que naquela época, o Brasil tinha poucos viciados. Pensando em nunca mais voltar, o pequeno Pedro herdou do pai o título de imperador, bem como o título de pegador, pinguço e punheteiro, no qual ele até depois de morto teve vergonha. Mesmo imperador, cumpriu 9 longos anos preso em seu Palácio Imperial junto com as pestes de suas irmãs. Não tendo deveres reais, tais como cumprimentar gente chata e interesseira em bailes e afins, Pedro II concluiu o ensino básico em tempo recorde, tendo estudado desde coisas relevantes como técnicas milenares, malandragem, e gambiarra e até coisas inúteis como zoeira e o tal do jeitinho brasileiro.

Na casa, era conhecido por ser um fedelho, protegido de José Bonifácio, seu mordomo, que vira e mexe fazia-o de palhaço, mijando em sua bebida, colocando aranhas em seus sapatos, e até mesmo revelando que ele usava peruca. No entanto, tinha uma babá, a Condessa de Belmonte a qual era uma mãe para ele, ela por sua vez era responsável por sua educação, e temia que o novo imperador poderia seguir os mesmos passos que o pai garanhão, por isso quando criança, Pedro nunca frequentou um prostíbulo, coisa que era feito pelo pai para tirar a virgindade do filho precocemente, sendo parcialmente rodeado por sua babá que sempre segurava um relho para intimida-lo.

 
Pedro II com 16 anos, um ano depois da coroação.

No Período Regencial, iniciou seu reinado com três outros malas: Lima e Silva (seu fiel confidente), Campos Vergueiro (velho sanguessuga) e Carneiro de Campos (velho que tinha o apelido de Zé do Caixão). Estes regentes não duraram nem um ano, e foram trocando, trocando e trocando, até que Pedroca deu uma coça nos regentes, ele por sua vez disse à assembleia que os regentes só fodiam com o país, roubavam para ir ao puteiro e deixavam o povo puto com sua inutilidade. Inspirado na história de Calígula, em 1835 o imperador comprou um bugio e o nomeou como seu único regente, para provar que um primata é muito mais confiável do que três ratos cegos. Mas o problema não terminou por aí, por não ter idade, foi colocado o Padre Feijó para tapar o buraco.

Em 1837, com então 12 anos. Bonifácio ensinou Pedro os poderes de se ouvir atrás da porta, e assim Pedrinho pôde descobrir o segredo de Feijó, e botando a boca no trombone, todo mundo ficou sabendo que Feijó na verdade era evangélico e não católico, Feijó por saber que já havia perdido a guerra confirmou tudo, e disse que jamais faria uma missa usando um vestido, além do mais descobriu-se que Feijó usava a própria urina como água benta, fazendo a dona Maria da rua do lado ficar cega.

Depois que colocaram o tal do Araújo Lima como regente, Pedro pediu ajuda a Assembleia Geral para armar uma cilada para tirar o velho do seu caminho, assim poderia firmar um reino apenas com aborrecentes e gente rebelde, no entanto, não fez nada disso, pois achava que as pessoas de sua idade eram um bando de marginal drogado. Ele então foi coroado em 18 de julho de 1941 aos 15 anos, o muleque não tinha nem pentelho e já botava a mão no cajado e na bola de ouro.

CasamentoEditar

 
Retrato enviado de Teresa Cristina das Duas Sicílias.

Consolidado como monarca, foi recomendado à Pedro que ele viesse a se casar e começar a ter uma vida de safadeza. Pedindo conselhos a Condessa de Belmonte, ela disse que assim que encontrasse uma mulher para relaxar, ele seria muito mais solto, não tão solto quanto ao fedorento do pai, mas pelo menos não seria considerado broxa, e malfalado por aí. Por volta do verão de 1942, Pedro recebe três retratos, das então pretendentes que segundo ele deveriam seguir os seguintes dados: não parecer uma corcunda, manca e com pele de lagartixa.

A sua primeira pretende foi a menina do mato Gabriela, princesa do reino da caatinga, filha do rei do cangaço, Lampião e de sua esposa Maria Bonita|Maria Feia Bonita. De cabelo exótico e corpo jovial, Gabriela passou batido por Pedro que a achou sem sal, ele se lembrou do filme da Pocahontas e não ia repetir a tolice do príncipe da nativa americana, ele ainda ressalva: "Com essa daí, não compartilho minha mandioca". Sua segunda pretendente foi a baixinha, dentuça e golducha Mônica, rainha da turma do bairro do Limoeiro, outra a qual o imperador também não se interessou, pois segundo ele teria que dividir a cama junto com um coelhinho azulzinho muito safadinho. Por fim, sua terceira pretendente foi Teresa Cristina das Duas Sicílias, italianinha que agradaria o marido pela barriga. Embora com carência de beleza, Claude Monet fez questão de photoshopar seu retrato, assim Pedro não teria como não recusar, afinal, dentre as três, ela era a menos usada.

Teresa Cristina chegou no Rio de Janeiro com assaltos e balas perdidas, só não morreu no meio da calçada por causa de seus guardas que lhe acompanhavam. A noite do mesmo dia, foi conhecer o futuro marido em um baile funk brega na periferia do Morro do Dendê. Ao entrar no salão de festas, Pedro teve uma queda de pressão, ficou pálido, estava com pernas bambas e desmaiou logo em seguida, depois do alvoroço, confessou a Dadama que nunca em sua vida havia visto tanta feiura. Todavia não era pra menos, Teresa era completamente diferente do retrato, era baixa, corcunda, manca e ainda cheirava a buça veia.

Sem ter o que fazer, Pedrinho teve que mergulhar na ideia de casamento de vez, e conformar-se em ter um encosto pelo resto da vida. O casório finalmente saiu em 30 de maio de 1943, e a transa no dia seguinte, Pedro comenta que sua primeira vez foi péssima, nada funcionou, desde o seu tesão até o amigo debaixo deixaram-lhe na mão. O povo falava, como o imperador veio a se casar com uma baranga como Teresa Cristina? O monarca tinha uma beleza indiscutível, era loiro, alto, corpo atlético, sarado, tarado, de olhos azuis que, apesar destas frescuras, nunca mordeu a fronha nem agasalhou o croquete, Chalaça, discreto, não comenta e Conde D'Eu... bem, o nome explica.

ReinadoEditar

 
Pedro II em 1951, com 25 anos de idade tentando coçar o mamilo sem que o fotografo perceba.

Nos primórdios do Segundo Reinado, Pedro II foi um imperador muito do legal, visitou o sul do país, tomou um vinho com Anita Garibaldi que até lhe fez uma proposta, ser sua amante, mas Pedroca não queria saber de mais uma em sua vida, de mulher já bastava a sua, agora ele estava olhando para o outro lado do muro, por isso, também fez presença no norte do Brasil para admirar o trabalho dos tiradores de leite na vasta Floresta Amazônica.

 
O imperador vestindo trajes de viagem.

Em princípios da década de 1850, o Brasil gozava de tranquilidade interna, desta vez, por enquanto, ninguém queria se matar ou pelo menos se separar de Pedro II. Ele por sua vez, criou uma política de puxasaquismo, enquanto puxava o saco de um, lambia as bolas de outro, e assim por diante. Mesmo com 25 anos de idade, para o povo brasileiro ele era o verdadeiro Papai Noel, todos adoravam a sua barba longa, desgrenhada e ensebada. Pedro definitivamente tinha o dom de não deixar a peteca cair, mesmo que em sua volta, também visse uma certa encheção de linguiça por parte dos chargistas e governadores da época. Ele mesmo dizia ter um governo de um homem só, mesmo que seu governo tivesse um mol de políticos, as vezes era necessário dar trabalho a essa gente para passar confiança a todos, era certo que junto com o café que era plantado, sempre tinha uma folha de maconha no meio, Pedro sabia disso, e também sabia que a maconha misturada era uma pequena fração que resultaria em muitas notas em seu bolso no final do mês, por isso as vezes o monarca preferia se abster de certos assuntos.

Em 1864, com então 38 anos de idade, Pedro enfrenta o seu maior inimigo, o louco e psicopata Francisco Solano López, o ditador do Paragay, que queria exportar cocaína pelo porto dos Santos, também tinha um amor platônico pelo imperador, Pedro não era nenhum cachorro adestrado e depois de recusar todas as cartas de amor, resolveu espalhar os fetiches de cheirador do ditador nos jornais da capital, com raiva, López invadiu o Brasil iniciando a Guerra do Paraguai. A Guerra do Paraguai como um todo foi uma grande perda de tempo, em 1871, Pedro II disse a empresa que a guerra só serviu para elevar sua popularidade como vencedor, além de estreitar as relações com países miseráveis como a Argentina e o Uruguai, terminando com um agradecendo aos paraguaios sobre sua tamanha burrice.

 
O imperador tirando um cochilo antes que comesse a ouvir os gritos de sua criadagem. Foto de 5 de dezembro de 1891.

Quando a guerra acabou, Pedro disse: "graças a Deus, agora posso pedir férias". Em 1871, fez uma série de viagens pela Europa, usando apenas alguns trocados, passou na padaria de seu Manuel, comprou um baguete, e carregou-o pela cidade de Lisboa em baixo dos braços, "o pão bom é aquele com o cheiro de esforço, mais especificamente o de suor". Passou pela Inglaterra onde conheceu a Rainha Vitória, espantou a velha ao chegar no Palácio de Buckingham como um maltrapilho, só não foi confundido com um mendigo porque estava acompanhado por sua esposa, levemente cheirosa, que por sinal, a rainha ficou com inveja, pois Teresa Cristina ainda tinha um pau para abocanhar, diferente da monarca inglesa que perdera o marido dez anos antes, e carecia de uma benga dura para afogar as mágoas.

Durante a década de 1870, o Brasil era considerado um país de burros, gente mentirosa e preguiçosa (muito parecida com hoje em dia), poucos brasileiros eram contrários à escravidão, Pedro II era um dos poucos que chutavam o balde, e considerava a escravidão "uma vergonha nacional" (afinal ele era o imperador). A abolição da escravatura era um assunto delicado no Brasil, assim como aborto é para os dias de hoje. No fim, Pedro nunca aboliu a escravatura, tendo que sua filha, a princesa Isabel, ter que armar para o pai, ela pôs lico de cair pinto em sua comida, doente, Pedro teve que ir procurar uma UTI na Europa (já que no Brasil estavam todos ocupados), com o pai fora, Isabel assinou a abolição com as duas mãos, dando um beijinho no final para concretizar esse marco na história do Brasil

Voltou ao Brasil em agosto de 1888, agora com o pinto retirado, nada poderia o abalar. No entanto, um ano depois, teve que estar cara a cara com o pior de seus inimigos, Marechal Teadoro Deodoro. Expulo da pátria (levou um pé-na-bunda tão forte que o Marechal perdeu até o coturno), o Imperador Nefelibata morreu três dias depois de desgosto, levando consigo para o túmulo um travesseiro cheio de estrume genuinamente brasileiro, para se lembrar do cheiro da cidade do Rio de Janeiro achando que com isso ia ficar bem na fita.

Ver tambémEditar

Precedido por
D. Pedro I
Imperador do Brasil
1831/1840 - 1889
Sucedido por
Deodoro da Fonseca