Abrir menu principal

Desciclopédia β

Domingos Martins

BandeiraES.JPG Este artigo é CAPIXABA!

Ele só aparece na televisão quando acontece tragédia, tem o pulmão preto de tanto pó de minério, torce pra time carioca e passeia na Vitória-Minas. Apesar disso, é trabalhador gente-fina, ao contrário dos seus primos sulistas.

Moqueca é capixaba, o resto é peixada...

Hill Top Winter.gif Este artigo é GELAAAAAADO!

Mamutes vigiam o artigo, então vá pra casa, coloque um casaco e beba um chocolate-quente. Cuidado com o Yeti e não lute contra Sub-Zero!


Domingos Martins é um município da União Européia região serrana do Espírito Santo. Sua população original é formada por pessoas que não tomam banho pomeranos, que vieram da Alemanha para trabalharem em novelas da Globo. Como Dom Pedro I não agüentou o mau cheiro do povo, mandou todo mundo pro Espírito Santo.

Hoje Domingos Martins, também conhecida como Campinho é um ponto turístico de destaque para o Espírito Santo, sendo visitada por pessoas da Grande Vitória sem dinheiro pra ir até o Rio Grande do Sul.

A cidade é conhecida como Cidade do Verde, apelido pra qualquer cidade que fica na roça e Cidade mais romântica do Brasil, numa eleição que conseguiu vencer Gramado pelo posto de cidade com mais casais apaixonados. E isto inclui homossexuais.

Um dia de Sol e Calor em Domingos Martins

Cquote1.png Nossa que lugar lindo! Cquote2.png
Turista sobre Portal de Domingos Martins
Cquote1.png Nossa que lugar fedorento! Cquote2.png
Turista sobre Pinicão
Cquote1.png Domingos Martins?? Me arruma as fotos da mulher que saiu pelada lá?? Cquote2.png
Cidadão de Vitória sobre uma das principais atrações turísticas do local
Cquote1.png A mulher que saiu pelada é MAAAAAAAAAAAAAAAARA. Cquote2.png
Seu Ladir sobre a citação acima
Cquote1.png Se eu tivesse treinado naquela rodovia, jamais teria morrido em Ímola! Cquote2.png
Ayrton Senna sobre Sobre a BR-262 que da acesso a Domingos Martins
Cquote1.png Caraaaaaaaaaaaaai Vééééééééééééi Cquote2.png
Hermanoteu sobre o frio de Pedra Azul
Cquote1.png Já comi! Cquote2.png
Alexandre Frota sobre 80% da população masculina de Domingos Martins
Cquote1.png Já comi! Cquote2.png
Alexandre Frota sobre 80% da população feminina de Domingos Martins
Cquote1.png Eu também! Cquote2.png
Ana Carolina sobre a citação acima
Cquote1.png É um local adorável. Cheio de flores e muito colorido. Tenho muitos miguxos gays lá. Mas eu não sou gay. Cquote2.png
Bill Kaulitz viado enrustido vocalista do Tokio Hotel
Cquote1.png Ele roubou minha frase. Eu vou lá também, mas eu não sou gay! Eu não sou gay! Cquote2.png
Vanderney, freqüentador assíduo da Sauna Gay e de Domingos Martins
Cquote1.png Eu sou o maior herói deste país. Fui um grande líder da Revolução Pernambucana. Fui o primeiro a falar em abolição no Brasil. Eo que eu ganhei em troca? COLOCARAM O MEU NOME EM UM CIDADE CHEIO DE ALEMÃO FEDORENTO QUE NEM RASPA OS PENTELHOS, UMA MERDA DE CIDADE QUE FICA NA PORRA DE UM ESTADO QUE NINGUÉM LEMBRA QUE EXISTE!! Cquote2.png
Domingos José Martins sobre Domingos Martins

Campinho
Logocoroa.jpg
Brasão de Domingos Martins
Localização Alemanha Espírito Santo
Clima Frio pra caralho
Dialeto Pomerana
Prefeito Ganhou roubada a eleição
Hino Glup Glup Guaraná Coroa / Um barril de chopp, é muito pouco pra nós
Gentílico pomerano
Mascote Pedra Azul
População Pomeranos, Carcamanos e heterossexuais.
PIB Muuuita cerveja
Per capita Dois barris de chopp pra cada habitante
IDH Maior que o resto do estado
Área Tão grande que tem lugares que o Google Earth não conseguiu fotografar

Índice

Divisão AdministrativaEditar

 
Domingos Martins vista pelo Google Maps

Domingos Martins é divido em 6 roças distritos:

CampinhoEditar

É sede do município e onde está a maioria dos pontos turísticos. Uma réplica mal feita de Gramado.

Santa IsabelEditar

Antiga sede do município e onde se localiza a maioria da população católica.

Cidade conhecida internacionalmente (Ou não) como a "Metrópole de uma rua só"

MelgaçoEditar

Um lugar sem importância e longe pra caralho. Sede da Pomerânia. Lugar cheio de alemão com carro de som rebaixado que fica se achando ao passar às 2 da madrugada com seu possante tocando os hits do verão da década anterior.

ParajuEditar

Outro lugar longe pra caralho

BiriricasEditar

Fazia parte de Santa Isabel, mas por algum motivo desconhecido, foi elevado a condição de distrito. Pode não ter o mesmo charme, mas é melhor de viver do que Campinho.

Em Biriricas se você não prestar atenção por onde anda vai acabar batendo nos motoqueiros noiados que só andam na contra mão, até mesmo nos mais veteranos, que mesmo já tendo cheirado o chão várias vezes não se cansam disso. Um esporte também muito praticado em Biriricas é o racha de Tobata, que provoca a morte de dezenas de pomeranos ao longo do ano.

É um lugar onde há vários bares restaurantes e budegas em geral, onde servem diversos pratos exclusivos, por exemplo A "Catunília", e o miojo. Também é conhecido pelo seu "grande potencial" agrícola, onde só se planta banana,que por sua vez atrai muitos viados de campinho que visitam este lugar a procura da mesma.

As meninas odeiam esse lugar,porque é tradição dos pais não deixarem elas sair de casa até 18 anos com medo delas engravidarem um pomerano doido ou um favelado de Cariacica. O motivo disso,é o elevado índice de gravidez na adolência pro período adulto.

Popularmente conhecido por ter como meio de renda os botecos de esquina onde os donos depois de faturarem bastante, correm pelados na rua.

AracêEditar

Um lugar muito longe pra caralho. Mas vale a pena visitar, pois é lá que ta a Pedra Azul.

HistóriaEditar

No ano de 1846, um funcionário da Rede Globo viajou até a Alemanha procurando figurantes para a produção de uma novela. A notícia se espalhou rápido e no mesmo dia, várias família aparecerem interessadas no convite e começaram tendo ataques de estrelismo, pois venderam todos os seus móveis para ter dinheiro pra viagem (quem quisesse vir pra cá, teria que pagar a passagem).

 
Pedra Azul e o seu pênis a Pedra do Lagarto incrusta

Alguns dias depois, um grupo de famílias estava no porto de Dunquerque, na França, para o embarque para a viagem até o Brasil. A viagem ocorreu na França como a primeira estratégia da Alemanha pra foder com os franceses, já que a catinga dos pomeranos é braba.

Depois de muito tempo de viagem e sem banho, os imigrantes chegaram no Rio de Janeiro. Dom Pedro I sentiu uma catinga insuportável vinda do porto e foi ver o que era aquilo. Chegando lá se deparou com aquela alemanzada toda e convenceu o Boninho a contratar italianos para as novelas da Globo. O Imperador assinou um decreto pra mandar todos os alemães para o Espírito Santo, um lugar sem importância e longe o suficiente do nariz dele.

Depois de uma semana de viagem e sem banho, os alemães chegaram em Vitória. O Governador do estado, que já estava com problemas respiratórios com o pó de minério da Vale do Rio Doce, quase morreu asfixiado com aquele cheiro insuportável. Com uma tristeza sem tamanho, leu o decreto do Imperador Dom Pedro. Sem saber o que fazer, mandou todos eles pra região serrana na esperança do ar puro das montanhas acabasse com aquele cheiro horrível. Se não desse certo, pelo menos ele estaria longe daquele fedor.

Os pomeranos foram subindo o Rio Jucu e se estabeleceram na Serra do Castelo e aos poucos foram construindo suas casas. Mas, como é do costume alemão, eles adoram sair na porrada. Os pomeranos eram divididos em católicos e protestantes e adoravam discutir qual igreja rouba mais garante a salvação. Com o tempo, os católicos ficaram em Santa Isabel e os protestantes ficaram em Campinho, uma região que os tropeiros usavam pra descansar, mas foram dizimados pelo cheiro daquele povo.

Com o tempo, a região foi crescendo. Não se entrava em consenso sobre a sede do município. Hora chamada de Campinho, hora chamada de Santa Isabel. O governador resolveu então batizar o município de Domingos Martins, pra acabar com aquela palhaçada e mostrar que apesar de Domingos José Martins ser capixaba, ele sempre será lembrado. Ou não.

 
Um típico alemão de Domingos Martins

PopulaçãoEditar

A população de Domingos Martins é em sua grande maioria formada por descendentes de alemães e italianos além de uma minoria heterossexual. Hoje em dia a grande metrópole de Campinho é repleta de favelados da Grande Vitória que vieram pra cidade achando que estavam se mudando para a Alemanha. Assim, acabaram espantando os pomeranos de Campinho ainda mais para a roça.

Durante a Temporada de Inverno a sua população dobra, por conta dos turistas que visitam a cidade, mas vão embora rapidamente, já que não tem nada pra fazer e a diária dos hotéis é muito cara.

Existem dois idiomas na cidade: O português e o pomerano, um dialeto alemão primitivo, que é falado com as pessoas cuspindo na sua cara.

SaúdeEditar

Domingos Martins possui o terceiro melhor clima do mundo. Quando e quem deu este título a cidade ainda é um mistério. Por conta disso, muitos habitantes de Vitória, fugindo do pó de minério da Vale, se hospedam em Pedra Azul, já que em Campinho é impossível ficar, já que o cheiro dos alemães não é 100% disfarçado pelo clima.

Domingos Martins tem o hospital mais mal localizado do planeta. Pra você chegar nele, você tem que atravessar a cidade toda. Se você tiver urgência ser atendido, vai morrer antes de chegar lá. Além disso, é quase impossível ser atendido pelo SUS. Como a maioria da população é idosa e a preferência é deles, você fica eternamente na fila.

 
Parentes pobres do Michael Schumacher tentando ganhar a vida em Domingos Martins

EducaçãoEditar

A cidade é destaque nesta área, tem os menos piores indicadores do Espírito Santo, além dos alunos não irem armados para as escolas.

Em Campinho, havia um dos últimas escolas da rede cenecista do estado. Ela foi a falência depois que perceberam que os mesmos professores que davam aula no CNEC (Curral Nacional de éguas e Cavalos) eram os mesmos que davam aula no Polivalente (Não se assustem com o nome, não ocorrem homicídios lá, ao contrário de 99,98% dos outros Polivalentes). Ou seja, um indivíduo pagava caro em uma escola particular pra ter o mesmo tipo de ensino do que em uma escola pública.

Atualmente o Polivalente é a única escola decente de Campinho. Ele possui as menos piores notas no ENEM de todas as escolas públicas no estado, atraindo assim todo tipo de idiota dos municípios vizinhos que acha que vai passar em medicina na UFES estudando 47 segundos por semana. O Polivalente também é famoso por ter incríveis serviços médicos de emergência (chá de boldo) e pelo tempero delicioso usado em sua comida, o mato da região. Inúmeros alunos vianenses viajam todo dia para uma cidade longe pra krl, num ônibus com estofo estourado escutando funk. Por conter tantos alunos, em 2019 o Polivalente teve/tem 4 turmas de sétimos e sextos anos, com fucking 30 ou mais alunos em cada. Sem falar no ensino médio, que teve um primeiro ano com sete turmas. A situação da escola é complicada (está quase desabando), e logo não haverá comida para todos. O que piora tudo, é a escola estar localizada no meio da Mata Atlântica e ter uma área 51.

Uma figura famosa e quase mística na educação de Domingos Martins é "Dona Rita", uma velha gorda ruiva baixinha de 272 anos de idade que já deu aula para 102% dos adultos de Campinho e 38% dos adolescentes. Não há uma alma viva na cidade inteira que não tenha sido espancada na escola por Dona Rita. Assim, ela formou a mentalidade educativa dos Campinenses de bater com o livro na cara do filho para fazê-lo aprender Português.

EsporteEditar

Apesar de não disputar o Campeonato Capixaba porque não é idiota, o Sport Club Campinho é muito mais organizado que qualquer clube que disputa o Capixabão e o seu estádio (sim, Domingos Martins tem um estádio!) é muito mais confortável que o Engenheiro Araripe.

Outro destaque é a prática de esportes radicais. Entre os mais populares está em passar a mais de 200 km/h na Curva da Morte e no Trevo de Acesso a Domingos Martins.

EconomiaEditar

Do ponto de vista econômico, Domingos Martins não é tão diversificado. Tem poucas indústrias, o turismo está entrando em colpaso e a agricultura depende da boa vontade do clima.

IndústriaEditar

Como foi dito, Domingos Martins tem poucas indústrias, mas elas honram o muncípio. Ou não. A Refrigerantes Coroa e a Kebis são as indústrias locais.

  • Refrigerantes Coroa: É uma fábrica de xaropes refrigerantes que foi fundada pelo Sr. Roberto Kautsky, o maior pegador da história e colecionador de orquídeas do mundo.
  • Kebis: É uma simpática fábrica de biscoitos caseiros, que contraria a tradição de Domingos Martins: todo mundo lá é limpinho.

AgriculturaEditar

Se destaca em Domingos Martins o plantio de café, morango,maconha e hortaliças. O comércio de hortaliças é feito todo sábado numa feira, que facilita a vida de muitos pomeranos que moram na casa do caralho nos distritos mais distantes.

O turismo será abordado em separado. Ou não.

Meio AmbienteEditar

Como já foi dito, Domingos Martins tem o terceiro melhor clima do mundo, devido ao ar puro das montanhas que fez milagres com os alemães fedorentos. Outro fator que contribuiu para o fim do mau cheiro, são as suas nascente de água mineral, que fazem bem a saúde.

A cidade também é referência em cuidados ao meio ambiente, espalhando várias placas pra não jogar lixo no chão e preservar as nascentes. Melhor que nada, já que tem lugar por aí que nem placa tem (e nem adiantaria ter, já que a maior parte da população é analfabeta). O esgoto é devidamente tratado na estação da Cesan, que fica próxima a entrada da cidade, conhecido como Pinicão. Para o turista já ir sentindo o carinho e o espírito do povo alemão, o pinicão fica destampado, espalhando mau cheiro pela cidade.

 
Turista se divertindo em Domingos Martins

CulturaEditar

Os pomeranos fizeram o máximo para preservar suas origens. Eles falam em alemão ou pomerano, cantam e dançam músicas alemãs, comem quitutes da culinária alemã, soltam peido alemão e não tomam banho. Contudo, o choque cultural é inevitável. Visto as centenas de bandas de forró que existem no município e os jovens deixaram de se vestir como alemães para se vestirem igual os playssons e cocotas da Grande Vitória.

TurismoEditar

Frequentada por habitantes de Vitória que não tem dinheiro suficiente para irem a Gramado ou Campos do Jordão, Domingos Martins tem no turismo uma importante fonte de renda. A Loja Maçônica Associação Comercial só faz merda não entende que o turista não vem pra cá só pra olhar a paisagem e ver os pomeranos cuspirem na cara deles falar em pomerano. Quem fatura mesmo são os hotéis em Pedra Azul que oferecem um visual bonito e opções de lazer e comida descente.

O setor de turismo em Domingos Martins vem cada vez morrendo mais, pois a propaganda barata de "cidade fria e aconchegante nas montanhas" está ficando fraca já que os turistas são sempre os mesmos (Classe média de Vitória que não tem dinheiro para ir pra Gramado) e eles estão percebendo que Campinho é um buraco quente cheio de pomerano fedendo e favelados que imigraram de Viana e Cariacica em busca de uma qualidade de vida europeia (se foderam).

Pontos TurísticosEditar

Pedra AzulEditar

Principal ponto turístico do município, a Pedra Azul concentra os principais hotéis de luxo do Espírito Santo. Este sim fala verdade quando é um lugar de encanto, romance e glamour. A Pedra Azul tem uma saliência denominada Pedra do Lagarto, que parece um pênis ereto, mostrando que apesar de toda viadagem, Domingos Martins também tem cabra ome. Alguns.

Portal da CidadeEditar

Conhecido também como engana trouxa, o Portal da Cidade engana os desavisados achando que encontrarão muitas maravilhas por aqui

 
Um luuuuuuuuuuuuxo de homenagem ao colono alemão

Praça Arthur GerhartEditar

A Praça Arthur Gerhart é considerada a praça mais bonita do Espírito Santo, o que não é muito significativo. É uma das duas únicas praças que tem areia do Brasil, a outra é a sua arqui-inimiga Gramado. A prefeitura joga cascalho branco no chão pro turista achar que neva na cidade. A praça tem vários pontos de interesse turístico:

  • Igreja da Confissão Luterana - É a primeira igreja luterana com torre do Brasil, sendo inaugurada pelo próprio Martinho Lutero. Da pra perceber que é antiga, vista o quanto suas paredes estão encardidas e mofadas.
  • Estátua do Imigrante Alemão - Estátua erguida para homenagear o povo luterano. Da pra perceber que é uma carinhosa, visto a pose da estátua.
  • Coreto - Nos finais de semana serve para apresentações dos grupos de dança. Em dia útil, os idosos da cidade que não aguentam andar até o boteco se reúnem lá para jogar baralho e dominó.
 
Hotel Imperador: Quem vê se ilude...

Hotel ImperadorEditar

Não é um ponto turístico, mas está sempre nos cartões postais. Quem vê, acha que lá é um local de luxo, mas está muito enganado. É um lugar fedorento, com carpete encardido e a madeira toda podre.

Praça Domingos Martins da BiquinhaEditar

Antigo ponto de drogas de Domingos Martins, a Biquinha tem este nome por ali ter uma bica que jorra água mineral, muito mais limpa que a água da Cesan. Tem um busto em homenagem ao Domingos Martins para mostrar que apesar dele ser capixaba, sempre será lembrado. Ou não.

Casa da CulturaEditar

Um prédio fedendo a mofo que não tem quase nada sobre a cidade e nem um guia decente pra mostrar e falar sobre as coisas que tem ali. Quem entra sabendo pouca coisa sobre a imigração dos alemães, sai de lá sabendo menos ainda.

Rua de LazerEditar

A Rua de Lazer é o lugar que mais chama idiotas de Vitória para morarem em Campinho. Lá tem churrascarias caras e ruins, tortas alemãs do Klein Sabores (única lanchonete decente da rua) e roupas que parecem pintadas a ouro (pelo preço, claro). Os turistas acham que a cidade toda é igual a Rua de Lazer, cheia de flores, luminárias e chopp, mas a alegria deles acaba, quando descobrem que casas perto dali são caras pra caralho, ou com ratos vivendo nas paredes e quase desmoronando. Então vão morar em bairros afastados e descobrem que Domingos Martins é igual a morros desgraçados, alemães fedidos e maconheiros.

CapelinhaEditar

A Capelinha fica na Reserva Paticular do Sr. Roberto Kautsky e é o despertador da cidade. Seis em ponto, seus dois sinos acordam até que queira dormir mais cinco minutinhos. Fica no alto do pico Eldorado e na Praça Arthur Gehrart tem uma placa homenageando a todos que ajudaram financeiramente na sua construção. Quem se fodeu foi quem levou os sinos até lá em cima, cada um com duas toneladas, que nem forma lembrados.

 
Turista visitando a Curva da Morte

Monumento ao colonoEditar

É um cruz que fica no meio do nada que serve pra homenagear os primeiros colonos. Como é visível da BR-262, também serve da alerta para os motoristas, avisando que a Curva da Morte está perto.

Curva da MorteEditar

Depois da Pedra Azul, é o ponto turístico mais conhecido de Domingos Martins, localizado entre Santa Isabel e Campinho. Visitado principalmente por caminhoneiros, motoristas de ônibus, bombeiros, equipes de resgate e réporters atrás de alguma desgraça.

FestasEditar

No decorrer do ano, ocorrem muitas festas em Domingos Martins. A Associação Comercial acredita que com muitas festas, vai gerar muita receita pra cidade, mas quem lucra mesmo são os hotéis de Pedra Azul.

SommerfestEditar

Ocorrendo tradicionalmente no último fim de semana de janeiro, é o festival da imigração alemã onde é celebrados toda a sua cultura... ou seja, cerveja!! Os alemães bebem bastante pra honrar as suas origens. Durante este evento, triplica o número de acidentes na BR-262, já que todo mundo volta pra Vitória bêbado. Durante quatro dias, o povo bebe. O que acontece nesta festa é um mistério, já que ninguém fica sóbrio, mas tem duas coisas que todo mundo lembra:

  • Escolha da Rainha da Sommefest: No primeiro dia é escolhida a Rainha da Festa. Para participar, é preciso ser descendente de alemães nascidos no município e filha de alguém influente. A beleza fica em segundo plano. O prêmio pra vencedora é passar o resto do festival tirando fotos com todos os bêbados que estiverem na festa.
  • Desfile: O desfile ocorre no domingo de manhã, mostrando vários pontos da cultura alemã sem ser a cerveja. Mas ninguém presta atenção, já este bêbado demais pra prestar atenção ou então esta de ressaca na Biquinha. O que o povo espera mesmo é o Caminhão de Chopp que é servido de graça.

Festa da TilápiaEditar

Domingos Martins é um grande produtor de tilápias e piranhas. Em homenagem ao peixe é realizado o festival da tilápia. Curioso observar que nada muda na cidade, exceto o cheiro de peixe. O festival também tem a escolha da rainha. Apesar de ser vergonhoso, a vencedora pelo menos leva um quilo de peixe pra casa.

Festival do VinhoEditar

Realizado no Rancho Lua Grande, é como se fosse um aquecimento pro 'Festival de Inverno. O dono do Rancho Lua Grande e organizador do evento botou este nome na festa porque sabe que ninguém vai pagar 50 reais ir naquele lugar longe, com instalações horríveis e sem algum show decente.

Festival de InvernoEditar

O Festival de Inverno... Um evento de Garbo e elegância. Toda a alta sociedade de Vitória vem curtir o frio das montanhas. As patricinhas que estudam no Darwin tiram fotos perto do termômetro que fica na Praça, com duas toneladas de roupa de frio mesmo que esteja fazendo 30 graus.

Apesar de toda a pompa, os habitantes de Domingos Martins fazem o máximo possível pra festa ser um fracasso. Os restaurantes fazem pouco estoque de comida, mas como não é o bastante pra fuder com tudo, o almoço é preparado com o óleo que foi usado pra fritar os peixes da festa da tilápia. As lojas que normalmente cobram tudo muito caro, triplicam o preço. Isso sem falar na simpatia com que o turista é tratado.

O que ainda salva o festival são os estudantes de música que vem para cá em busca das aulas gratuitas e dos workshops que são organizadas durante o evento. Uma hora, eles terão que comer arroz e bife alinamesa com gosto de peixe.

Para salvar o Festival, que ultimamente está cheio de atrações ruins, foi feita uma lista de artistas para serem contratados, que combinam perfeitamente com o estilo da cidade.

 
Cidadão martinense se divertindo na Blumenfest

BlumenfestEditar

Traduzido, fica Festa das Flores. O evento é organizado para homenagear os inúmeros viadinhos que moram na cidade mostrar as flores que ajudam a perfumar a cidade, que contribui para diminuir o cheiro dos alemães.

Brilho de NatalEditar

Começa no início de dezembro e termina no dia 6 de janeiro. A cidade fica toda enfeitada com pisca-piscas, apesar de 85% estarem queimados. Outro atrativo é a Vila do Papai Noel que é construída. Mais surreal que acreditar em Papai Noel é uma Vila do Papai Noel sem o dito cujo, já que este velho maldito nunca foi visto em Domingos Martins durante a festa.

 
Morango: importante fonte de renda em Pedra Azul

Outras festasEditar

Ocorrem outras festas em Domingos Martins, mas como ocorrem lá na casa do caralho em locais distantes, nem vou citá-los. O único que merece ser lembrado é a Festa do Morango em Pedra Azul. Porque lá sim é frio e tem mulher gostosa.

PersonalidadesEditar

Apesar de ter uma população fedida pequena, Domingos Martins tem várias pessoas conhecidas. Ou não.

  • Roberto Kautsy - Foi o primeiro martinense a descobrir os benefícios da água mineral desta região e usou pra dar banho nele e em toda a sua família. O que sobrou da água ele usou pra fabricar Refrigerantes. Também foi o primeiro a observar orquídeas, o que chamou a atenção das pomeranas. Deu tão certo que ele tem duas pererecas com o seu nome.
  • Carlos Germano - É o segundo jogador que mais vezes vestiu a camisa do Vice da Gama. Foi o goleiro de uma época em que o time carioca não perdia nem par ou ímpar com espelho, pedindo ímpar. Isso faz tanto tempo que a Dercy ainda era viva, as Torres Gêmeas estavam de pé, Chaves era inédito...
  • Arthur Gerhart - Foi médico e prefeito a mais de 50 anos. O município deve a ele o único hospital mal localizado das montanhas e todos os médicos que não sabem fazer diagnósticos.

Para saber mais. Ou nãoEditar

Sites desinformativos sobre Domingos Martins

Veja tambémEditar