Abrir menu principal

Desciclopédia β

Dono do Brasil

Roberto Marinho Matarazo de Orleans e Bragança Bourbon da Silva ChavierEditar

Vulgo: Doutor Roberto, Robertão, Roberto Marinho e Todo poderoso. Como todos já sabem, o Brasil e tudo mais pertencem a Daniel Fontelles, mas aqui não falaremos dele.



O pequeno Roberto nasceu em algum período desconhecido entre 1210 A.c. e 1250 A.c. em o que hoje é conhecido como Israel. Ainda neném foi abandonado por sua mãe, origem de sua raiva para com o mundo e motivo pelo qual jurou vingar-se e dominá-lo a todo custo. Robertinho, como era conhecido na época, foi abandonado em uma cesta, a qual foi jogada em um rio e encontrada por uma princesa do antigo Egito, que o adotou. Desde então há relatos de alguns feitos históricos como o início do êxodo (muito praticado hoje pelos homens do campo que vão para a cidade) e a travessia do Mar Vermelho, em que Roberto atravessou a nado com a mão fechada segurando um Sonrisal (que chegou ao outro lado intacto) ganhando assim o título “mão fechada” (hoje mão de vaca) e o apelido que acabou incorporado à seu nome, “Marinho”.

 
Roberto Marinho em sua forma original, quando recém-nascido

Nesta época, Roberto inicia sua carreira jornalística em que escreve suas primeiras obras, intituladas: “O Antigo Testamento” e “Os 10 Mandamentos”. Muito tempo se passou até que Roberto Marinho chegasse a Portugal, onde escreveu uma de suas obras mais conhecidas: “Os Lusíadas”. Roberto também começava a adquirir gosto pelo hobby que praticou a vida toda, velejar, arte ensinada por seu amigo íntimo Vasco da Gama. Porém, cansado da ignorância do povo local, resolveu aventurar-se em outras praias. Sendo assim, apenas com um canivete, chicletes e palitos de dente Gina, Roberto Marinho construiu a primeira caravela batizada de “Lily”, embarcação muito copiada futuramente.

Roberto Marinho chegou à terra prometida por volta de 1479, fato este devidamente documentado pelo mesmo - o documento está hoje guardado a 12 chaves pelo Priorado de Sião. Na época, Roberto Marinho apaixonou-se por uma índia chamada Dercy e teve vários filhos. Com as próprias mãos passou a explorar a terra que, segundo Dercy, continha um metal dourado, e por isso Roberto batizou o local de “Eldorado” (onde hoje encontra-se a cidade de Feira da Mata, assim nomeada devido ao primeiro comércio aberto por Roberto Marinho) Roberto enriqueceu às custas de índios escravos, que extraíam seu metal dourado do solo, enquanto isso ele iniciava mais uma de suas jornadas, a fim de mapear e tomar posse de todas as terras possíveis daquele lugar.

Cansado de administrar seu império, Roberto Marinho criou um cargo administrativo, ao qual chamou de “rei” nomeando assim subordinados para cuidar do que é seu. O já poderoso Roberto cresceu fundou a organização Roberto Marinho (a ORM), que mais tarde viria a tornar-se e Organização das Nações Unidas (ONU), a qual preside até hoje.

 
O Símbolo da Besta

Roberto Marinho é dono de todas as estações de TV do mundo (o nome da filial Brasileira é Globo), assim como domina os rádios e jornais. Até hoje Roberto manipula o povo, dando a este a ilusão de escolher seus governantes, ainda que a escolha desses cargos seja única e pessoal de Roberto Marinho.

A morteEditar

Em 06/08/2003, Roberto Marinho, cansado da fama que o dinheiro lhe trouxe, forjou sua morte no Rio de Janeiro. Hoje Roberto mora em Guam, onde deflora virgens junto com seus amigos Nelson Rubens, Elvis Presley e Tupac Shakur. De lá, ele ainda administra quem entra e quem sai na política nacional pela Internet. Alguns dizem que ele pode ser encontrado em um site de relacionamentos com o pseudônimo de “Deus”.