Abrir menu principal

Desciclopédia β

Emir Sader

Emir durante debate politico:" Você pega esse dedo e enfia no teu rabo!"
Hammer and sickle.png Este artigo foi aprovado pelo Conselho de Proteção à Moral da Família Soviética como sendo livre de conteúdo subversivo.

Cquote1.png Devemos acabar com a mídia oligopólica. Cquote2.png
Emi Sader sobre capitalismo
Cquote1.png Devemos acabar com a mídia oligopólica. Cquote2.png
Emi Sader sobre comunismo
Cquote1.png Ele escreve “Getulho”, “expoliação” e “opróbio”, entre outras barbaridades, mas vai presidir uma instituição de cultura. Cquote2.png
Reinaldo Azevedo sobre Emir Sader
Cquote1.png Mother fucker!! Cquote2.png
Crazy Nigga sobre qualquer coisa
Cquote1.png I’m watching you. Cquote2.png
Tyler Durden sobre Emir Sader
Cquote1.png Pode destruir o Brasil, eu não faço compras aí mesmo. Cquote2.png
Marion Cobretti sobre Emir Sader ter dito que o Brasil deveria se espelhar em Cuba
Cquote1.png Esse maldito esteve no Foro de São Paulo. Cquote2.png
Olavo de Carvalho sobre Emir Sader
Cquote1.png Esse cara meu...É brincadeira...Ele é um monstro sagrado. Cquote2.png
Fausto Silva sobre Emir Sader

Emir Sader preparando mais um artigo contra "a direita".


Índice

IntroduçãoEditar

Emir Malba Tahan Arafat Husseim Ali Babá K. Maluf Sader é um humorista do estilo stand-up comedy e nas horas vagas também é professor de faculdade, militante do partido Comunista de Belford Roxo e líder da Torcida Jovem do Bonsucesso.

 
Um dos mais famosos discipulos de Emir.

Infância e juventudeEditar

Nascido num chalé dos alpes palestinos, o jovem Emir passou toda sua infância no bairro da Moooooooca em São Paulo, onde foi viver após ser expulso de sua terra natal por sionistas vindos de um planeta distante. Durante este período se tornou exímio jogador de Banco Imobiliário, chegando inclusive a representar a Moooooooca no campeonato nacional da modalidade, onde foi vencido por um carioca judeu de nome Senor Abravanel.

Revoltado, Emir atribui sua derrota ao modelo neo-liberal capitalista imperialista sionista norte-americano judaico-cristão oligárquico que controlava as regras do Banco Imobiliário, e afirmou que o jogo só seria justo quando adotasse uma postura mais socialista. A partir daquele momento, Emir passou a ser uma das vozes mais ativas da esquerda brasileira ao lado de figuras como Ernesto Geisel e Carlos Massa (The Little Mouse).

Exílio em Cuba e o nascimento de um novo humoristaEditar

Durante a ditadura militar Emir e seus camaradas foram presos e torturados pela policia brasileira. Sobre este episodio Emir disse uma vez:

Eles nos obrigaram a ouvir os novos talentos do Raul Gil durante 10 horas seguidas. Depois, assistimos a um jogo de futebol comentado pelo Neto, e para finalizar nossos cabelos foram cortados iguais ao do Ronaldinho Gaúcho.

Após o período na prisão Emir foi extraditado para Cuba, onde foi recebido de braços e pernas abertas pelo velho amigo Fudeu Castro. Do ditador Emir recebeu um confortável flat em Havana onde começou escrever seus primeiros textos de stand-up comedy.

 
Tio Fidel contando uma piada muito engraçada.

O sucesso como comediante foi imediato, em apenas algumas semanas Emir Sader já era o maior comunista humorista (pleonasmo) de toda a história Cubana, superando inclusive o próprio Tio Fidel. Seus shows nas casas noturnas de Havana ficavam sempre lotados, se tornando o segundo programa favorito dos membros do Partido Comunista, atrás apenas das execuções no paredón.


O retorno para o BrasilEditar

Graças a uma ameça divina, o governo militar brasileiro decidiu terminar com a ditadura, e todos aqueles que haviam sido exilados receberam anistia e puderam reencontrar os seu compatriotas. Mesmo com sua carreira de humorista consolidada em Cuba, Emir sabia que seu coraçãozinho estava no Brasil. Por isso, após 25 anos vivendo fora do seu país, Emir decide retornar para sua terra natal.

Sua chegada no aeroporto foi acompanhada por uma multidão de 3 pessoas, sendo que 2 delas não sabiam quem era esse tal de Emir, e a terceira era um ceguinho surdo que acreditava estar acompanhando a chegada do papa ao Brasil.

Emir hojeEditar

 
Partido Comunista de Belford Roxo.

Atualmente, Emir é um dos militantes mais chatos do PCBR (Partido Comunista de Belford Roxo) e da aula em algumas faculdades meia-boca. Ele também possui um blog na internet, onde escreve seus maravilhosos textos de humor que sempre nos garantem boas risadas.

Recentemente foi processado por um politicuzinho que não achou nenhuma graça em suas anedotas. Por isso, foi condenado a pagar vinte polichinelos e a fazer vinte flexões com a cara na lama. Muitos fãs de Emir ficaram revoltados com a decisão da justiça e ameaçaram fazer um grande protesto que iria parar o país, mas no final acabaram mudando de ideia, pois acharam que seria bem mais divertido ver o Sader se fudendo com a cara na lama.

Nos últimos tempos, o Bom Emir está debruçado sobre um estudo de reforma da gramática portuguesa, onde pretende alterar a grafia do nome Getúlio para "Getulho". O fito de tal trabalho é o de tornar o vernáculo acessível às camadas mais humildes do povão popular. Outra atividade recente de Sader, em parceria com o vizinho Chico Buarque, é a criação do Comissariado do Povo do Alto Leblon, que pretende nomear os moradores daquele bairro proletário como vigilantes atentos de possíveis riscos à saúde da revolução prestes a rebentar. Tal intento só não tomou forma completamente por conta da resistência do lúmpen do Jardim Pernambuco, que ainda não acordou para tal necessidade.

Como candidato a segundo suplente de sindico do condomínio "Village Ville du Politburo Towers", Emir Sader promete acabar com a mídia oligopólica e pintar o corredor da garagem.

Grandes realizações do camarada EmirEditar

  • Descobrir e batizar um país com o seu nome, os Emirados Árabes.
  • Ser tão chato quanto o Jerry Seinfeld.
  • Achar o Fidel gente boa.
  • Comer a sua mãe.
  • Comer a sua tia.
  • Conseguir sobreviver com um nome tão feio.
  • Comer a sua sogra.
  • Achar o Che Guevara um bom rapaz.
  • Virar artigo no Desciclopedia (a sua maior realização)