Abrir menu principal

Desciclopédia β

Erval Grande

Gauchodanc.jpg Mas bah, tchê!

Este artigo buenaço e tri-legal é do mais puro humor gaudério dos pampas, vivente, então veste tua bombacha, recolhe teu pelego no galpão e toma um mate amargo com a gente, macanudo!

Chima.jpg



Erval Grande Capital nacional das azaléias
Ervalgrandee.JPG
Bandeira
Se tá ruim pra nós, imagina pra classe média!
Hino "Erval!!! Erval!!! tú é grande..."
Local Entre Erechim e Chapecó
Idioma Ervalês
Geografia
Clima Em épocas de eleição o clima fica quente...
Locais de referência Quiosque.
Economia Co.
Produtos exportados Tubete, Mudas de eucalipto, Muambas do paraguai.
Política
Governo
Nuvola apps core.png
Por voto
Atual prefeito
Nuvola apps core.png
Vice-prefeito
Nuvola apps core.png
Mídia
Cidadãos ilustres
Crystal Clear action bookmark.svg.png
Setembrino Schimileski, Simião e Papai Ghandão
Esporte símbolo Cacheta, Poker, Bocha e Jogo do bicho...
Santo local

Cquote1.png Você quis dizer: Herval Grande com H? Cquote2.png
Google sobre Erval Grande

Cquote1.png Você quis dizer: Capital Nacional das Azaléias???? Cquote2.png
Google sobre Erval Grande

Cquote1.png Você quis dizer: Maior concentração de machos por metro quadrado? Cquote2.png
Google sobre Erval Grande

Cquote1.png Você quis dizer: Terra natal de Setembrino Schimileski? Cquote2.png
Google sobre Erval Grande

Cquote1.png Você quis dizer: Filhos de Pitoco? Cquote2.png
Google sobre Erval Grande

Cquote1.png Erval! conheço sim, Eu nasci em Erval Cquote2.png
Funcionário da Sadia de Chapecó sobre Erval Grande
Cquote1.png Que tú acha de nós í joga uma cacheta no Pomba? Cquote2.png
Alguém que veio receber a aposentadoria sobre Erval Grande
Cquote1.png Vamo tchai tchai!!! Cquote2.png
Papai Ghandão sobre Um carro estacionado em Erval Grande
Cquote1.png É Herval Grande com H??? Cquote2.png
Estrangeiro sobre Erval Grande
Cquote1.png Essa rapaziada de erval tá perdida, vivem bebendo? Cquote2.png
Véia Fofoqueira sobre Piazada que vive bebendo em Erval Grande
Cquote1.png Tú vem lá da cidade das azaléias? ha ha ha ha Cquote2.png
Catarinense pegando no pé de ervalense sobre Título nada honroso
Cquote1.png Vamo bachá no matinê na Santana? Cquote2.png
Gurizada sobre Domingo em Erval Grande
Cquote1.png Foi aqui o primeiro mercado do Zaffari e do Sonda Cquote2.png
Cidadão orgulhoso contando vantagem sobre Erval Grande
Cquote1.png Ano que vem quero ver se vou morar pra Chapecó! Cquote2.png
Adolescente intediado sobre Erval Grande


Índice

HistóriaEditar

Erval Grande teve uma emancipação um tanto curiosa e que não é retratada para os jovens na escola, a fim de não incentivar os jogos de azar, e é isso que será relatado resumidamente a seguir para aqueles que não leram o livro o Segredo de Dan Brown, cap. 9 pag. 115. Segundo indícios encontrados neste livro, a emancipação deu-se por meio de uma partida de cacheta realizada no Bar do Pomba em 1959, entre Raí Zotto e o então governador e já falecido, que Deus o tenha, Leonel Brizola.

Reza a lenda que Leonel Brizola tinha um encontro com o então presidente da república Juscelino Kubitschek em Brasília, e como naquela época os políticos não andavam de jatinho, Leonel Brizola partiu de Porto Alegre com o carro oficial que era um fusca 58. Acontece que naquele ano houve a segunda maior tormenta de chuvas da história, superada apenas pelo Dilúvio aquele da Arca de Noé, e desta forma as pontes do Rio Uruguai ficaram 25 metros submersas. Sendo assim para garantir a segurança do governador, naquela noite, a comitiva obrigou-se a esperar o tempo melhorar para seguir viagem, e hospedaram-se em Erval Grande.

 
O famoso Bar do Pomba - Local da memorável partida de Cacheta e primeira prefeitura de Erval Grande.

Leonel Brizola que era fanático por jogos de azar, e que não gostava de canastra, motivo pelo qual não ficou jogando no hotel que se hospedara, soube que havia um bar naquela cidade onde se jogava cacheta, esse lugar era chamado bar do pomba, e foi ate lá que o então governador se dirigiu.

Com certeza aquele não era o dia do Governador, após perder 1.456.850 cruzeiros, o governador, que não queria deixar a mesa, apostou o carro oficial do governo, perdendo este também. Após longas quatro horas de jogo, eis que surge uma proposta vinda de um senhor chamado Raí Zotto, "Nobre Governador, eis que solicito a Vossa Senhoria um acordo de cavalheiros, uma partida de cacheta entre nós dois, se eu perder devolvo tudo que ganhei do senhor, mas se ganhar solicito que assine a emancipação deste munícipio e me declare prefeito desta terra". Após as emocionantes palavras, mais de 2.500 pessoas cercavam o bar a fim de conhecer o desenrolar da partida, aquele dia faltou cerveja no bar do pomba. A partida foi emociante, Brizolla bateu duas duplas, e parecia que a sorte iria sorrir para o governador. Tentando reverder o placar de 5 a 1, o jogador ervalense pede o apoio dos mais de 2.500 torcedores que estavam no bar, e assim, oconteuceu uma grande recuperação, a sorte mudou, e Zotto bateu 5 simples seguidas, e sagrou-se campeão e prefeito de Erval Grande. Após receber os comprimentos do governador, Zotto foi empossado prefeito aquele dia mesmo no Bar do Pomba, que passou a ser a prefeitura por 6 meses, até que uma nova fosse contruída.


Colonização, extermínio e migração ervalenseEditar

 
Família Schmileski no ano de 1962, uma das primeiras famílias a colonizar Erval Grande. No centro, com a gaita, "Véia Polenta", mãe de Setembrino (agachado, primeiro à esquerda) e outros 18 filhos.

Segundo historiadores, até 1920 viviam aqui pouco mais de 20 moradores, a colonização de Erval Grande teve uma grande revolução apartir da "destelevisionação" ou seja, em épocas remotas, período onde a televisão ainda não fazia parte dos usos domésticos e consequentemente a energia elétrica, era de se esperar que os habitantes ocupassem de outras formas de lazer. Sendo assim, segundo dados levantados, e "levantar", era algo que se fazia muito pelos homens daquela época, cada casal tinha em média 16 filhos, e após 16 anos (média de idade em que casavam e geravam o primeiro filho), mais 16 cidadão eram gerados e assim sucessivamente. Assim, é de se compreender como foi dada a disseminação da população ervalense.

Após vários anos em ascensão, Erval Grande teve em 1977, a maior população de sua história 45.685 habitantes. Mas com todo esse crescimento veio o declínio, a chegada da energia eletrica diminuiu em 452% o número de partos, segundo dados da Parteira Jurema.

 
Típico fim de baile no Alto Pará em 1965.

Aos poucos a população foi diminuindo em razão da violência, de 1978 à 1983, mais de 12.526 pessoas morreram vítimas de brigas após bailes ou festas, só no Alto Pará foram 10.568 mortes. Outro fator cidado pelos historiadores pela diminuição da população ervalense dá-se por meio da migração para outros municípios, segundo dados da época 78% da população mudou-se para Chapecó, cogitava-se ainda a construção de outra ponte sobre o Rio Uruguai para suprir tanta migração. Por esta razão alguns historiadores definem Erval Grande como o principal colonizador de Chapecó.

A maioria dessas pessoas que saíram de Erval Grande em busca de melhores condições de vida, foram bem sucedidas, segundo dados levantados, 98% destas pessoas que migraram, retornam de carro novo nas festas de fim de ano e natal. Não se sabe ao certo o motivo pelo qual se deve tal fenômeno, mas é por isso que seu tio que mora em outra cidade tem um carro melhor que teu pai.


Distribuição dos Ervalenses no MundoEditar

Como dito anteriormente, muitos habitantes saíram desta terra em busca de novas regiões para trabalhar e morrar. Será agora relatada as principais cidades onde a população ervalense migrou nos últimos 15 anos, segundo dados de 2009:

Você sabia que...
  • ...Erval Grande será a primeira cidade da América Latina à sediar a Copa do Mundo de Cacheta.
Você sabia que...
  • ...na década de 60, morreu mais gente em brigas no Alto Pará que na Guerra do Vietnã.
Distribuição de ervalenses no mundo
68,46% estão trabalhando na Sadia ou Aurora em Chapecó.
12,67% estão em São Paulo no Sonda.
9,92% estão carregando frango em alguma região de SC ou RS.
4,25% estão em Erechim não se sabe fazendo o quê.
2,98% estão em Paragominas.
1,72% estão passando o verâneio em Meia Praia - Itapema.
Fonte:Ijuí


CulturaEditar

 
Filhos de Pitoco - Filme produzido em Erval Grande.

Erval Grande possui uma cultura muito rica, tem o grupo dos véio idoso e a invernada do João Grando artística, acho que é só. Dentre os principais movimentos culturais destaca-se o cinema que será retratado no tópico a seguir.


Filhos de PitocoEditar

Gravado em uma época onde haviam confiltos entre Estados Unidos e Afeganistão, o filme busca transmitir uma mensagem de paz para a sociedade. Projeto independete e com orçamento limitado (R$ 150,00), Filhos de Pitoco utilizou-se de personagens ilustres da cidade, tais como, Setembrino Shimileski (Presidente dos EUA), Simião Carvalho (Bombim Ladem) e Nerico Zacarias (Agente do Esquadrão Pitoco). Não se sabe ao certo, mas acredita-se que o filme foi o principal motivo para o fim da guerra entre os dois países, uma cópia foi enviada para o então presidente dos EUA George Bush e para o líder Afegã Kush Nãn Rashkar, comovidos, os líderes dos dois países optaram por uma trégua.

 
Setembrino e Simião - Atores de Filhos de Pitoco.

Filhos de Pitoco que também é conhecido pela sigla FDP, (não confundir com Filho da Puta), é até hoje considerado o único melhor filme produzido em Erval Grande. Em 2005, Filhos do pitoco concorreu ao Oscar daquele ano, nas categorias de Melhor Filme Estrangeiro, Melhores Efeitos Visuais, Melhor Direção e Melhor Ator. Setembrino, comoveu o mundo com seu apelo pela Paz Mundial, e recebeu o prêmio de melhor ator, já o filme ganhou o Oscar de Melhor Direção, os jurados ficaram impressionados, com a direção da brasília branca, na cena em que foram efetuados vários ganchos. Cogita-se a realização de uma trilogia, e a sequência do filme, mas Setembrino tem tido problemas com o álcool e isso tem prejudicado a continuação do projeto.


Costumes, hábitos e práticas ervalensesEditar

A população ervalense, seja ela, rural ou urbana, apresenta em sua grande maioria a utilização de costumes ou hábitos comuns, que caracterizam a sociedade como um todo. Esse fato pôde ser observado por meio do Censo de 2006. Sabe-se que o Censo tem como objetivo principal encher o saco servir de fonte de informação sobre a situação de vida da população nos municípios. Acontece, porém, que estes dados muitas vezes não são divulgados à população, mas um militante ervalense muito amigo do presidente Lula molusco nos forneceu alguns dados sobre a população ervalense que nunca foram revelados. Segue abaixo lista de fatos que os recenseadores encontraram nas moradias na colônia zona rural ervalense, bem como, o seu percentual.

  • 99,92% das casas tinham pelo menos uma perna de salame dependurada pendurada no poron porão.
  • 99,56% das casas tinham garrafa de refri de 2 litros com vinho ou cachaça dentro.
  • 98,26% das casas tinham o calendário de "Santo Antônio" dependurado pendurado na parede.
  • 98,11% das casas tinham um baráio baralho de cacheta.
  • 92,58% das casas tinham o quadro do bisavô, quando era novo, na parede da sala.
  • 88,62% das casas tinham cutrina cortina ao invés de porta.
  • 82,21% das casas tinham uma vassoura de galho para varrer o pátio, escorrado em uma árvore.
  • 78,88% das casas tinham flores de plástico que se colocam açucre açucar, para alimentar os beja-frô beija-flores.
  • 73,78% das casas tinham um sabugo de milho enrolado em um pano pra tranca a água do tanque.
  • 70,86% das casas tinham roupa secando no ferrinho do fogon fogão a lenha.
  • 68,22% das casas tinham latas em cima do balcão da cozinha com farinha, açucre açucar, arrois arroz, erva, que também servem pros néne pras crianças sentarem em cima e ficarem do tamanho da mesa.
  • 65,38% das casas tinham casca de laranja dependurada pendurada atrás do fogão a lenha secando pra fazer chá.
  • 64,77% das casas tinham batata doce e mindoím amendoim assando no fogon fogão à lenha.
  • 62,68% das casas tinham um chinelo havaiana embaixo da porta pra fazer parar de bater.
  • 59,06% das casas tinham o pôster do Grêmio campeão de 1996.
  • 53,61% das casas tinham uma antena de tv pirata, tipo, Probox, Azbox, ou alguma porcaria terminada em box.

Fonte: Arial Itálico


A Capital Nacional das AzaléiasEditar

 
Título nada honroso.
 
Projeto que tramita na câmara de vereadores.

Como em qualquer outra cidade do mundo, Erval Grande, possui rios, animais, plantas, árvores e flores. Aconteceu, porém, que muitos anos atrás, uma ideia foi muito além disso, e resolveram identificar Erval Grande com uma flor, e não só isso, tornar a cidade ícone nacional no cultivo desta espécie, e este fenômeno denominou-se "Erval Grande - Capital Nacional das Azaléias".

Convém dizer, que este título, representa para a classe masculina da cidade um certo desagrado, e estes, para não serem motivo de chacotas e causar uma má impressão em outras cidades, escondem o fato de morarem em uma cidade com este título nada honroso.

Como forma de evitar constrangimentos, tramita na câmara de vereadores de Erval Grande projeto para alterar tal conotação. Se aprovada, Erval Grande passará a ser conhecida como a Capital Nacional da Cacheta. Segundo os mentores do projeto, a Cacheta representa muito mais para Erval Grande do que Azaleias, e com isso, os ervalenses vão poder estufar o peito e gritar bem alto com muito orgulho para o mundo inteiro ouvir "Eu nasci na Capital Nacional da Cacheta".


Pontos TurísticosEditar

Turismo pode ser definido como deslocamento voluntário por período de tempo superior a 24 horas para bodega local diferente de sua residência com objetivo a obtenção de gole lazer. Se considerarmos isso Erval Grande apresenta muitos lugares aonde os visiantes podem encher a carra descontrair. Aqui serão catalogados, os principais pontos turísticos ervalenses, aonde o turista será recebido de freezer braços abertos.

Ponto turístico Gole Cancha de Bocha Mesa de Sinuca Baralho
Quiosque Liberado até as 10 da noite Não Não Não
Bar do Pomba Enquanto durar os estoques Não (desativado faz um mês) Não (desativado) Mas é claro que sim!
Bar da Bachada À vontade Sim Sim Sim
Bar da Escora - Diúza Sempre Sim Sim Certamente
Bar da Salette Até cair Não Sim Sim, se quiser.
Júlio´s Bar Liberado Não Sim Sim (o dinheiro das apostas somente será aceito em banana mercadorias do bar.
Bar do Naldinho Até aguentar Não Sim Sim
Bar do Capeletto Liberado Não Sim Sim
Bar do Juruna Em pequenas quantidades Não Não Sim, se trazer de casa
Bar do Nei Até encher as tampa Sim, inclusive cinquilo curto Sim Sim, inclusive 9.
Bar do Bolufa - Ginásio Claro que sim Não Sim Só se convidar o Bolufa.
Bar do Redondo Sim, se você quiser tomar no redondo, pode. Não Não Sim
Bar do Lotte Com certeza! Não Não Sim.
Fonte: Times New Roman


EsportesEditar

Erval Grande é uma cidade que possui uma enorme diversidade de esportes, também dispõe de uma vasta estrutura poliesportiva, por toda a cidade os cidadãos encontram mesas de sinucas, canchas de bocha e mesas de baralho, para praticar os seus esportes preferidos. Com o objetivo de demonstrar toda essa diversidade, serão listados nos tópicos a seguir os principais esportes praticados pela população ervalense.


Cacheta, pontinho, poker e outros jogos de cartasEditar

 
Partida de cacheta, no canto inferior, jogador mostrando para seus adversários que possui dois coringas.

A ligação de Erval Grande com jogos de cartas começa muito antes do ano da emancipação do município. Após um trabalho de escavação e exploração foi constatado por arqueólogos, indícios que confirmam a prática de jogo de carta por povos primitivos que povoavam a região aonde Erval Grande se encontra hoje, bem antes de 1.300 d.c.. Os arqueólogos encontraram enterrado em solo ervalense, o que seriam dois baralhos, cada um deles constituídos de 52 folhas e 2 coringas, todo elaborado em folhas de erva-mate. Estas folhas de erva-mate encontradas no sítio arqueológico ervalense, fazem parte do mais antigo baralho do mundo.

Jogos de azar para uns, jogos de sorte para outros, sem dúvida nenhuma estes jogos de se carniá são os mais praticados pelos ervalenses, é muito comum você andar pelas ruas ervalinas ervalenses e ao olhar pela janela de um ponto turístico uma bodega, encontrar adeptos de jogos de cartas praticando ou cacheta ou pontinho ou pife ou nove ou poker...

Segundo estatísticas pelo menos 95% dos ervalenses são viciados praticantes de um desses jogos citados a cima, os outros 5% são de alguma religião em que não são permitidos tais jogos. Pessoas de todas as classes, cores, idades, religião, movimentam todos os anos nas mesas de baralho ervalense quase R$850.000,00/ano, o que equivale a 8,5% de toda a arrecadação do município.


BochaEditar

 
Adeptos da bocha praticando o esporte no Bar da Bachada.

A origem do jogo de bocha em Erval Grande é incerta, porém, acredita-se que no ano de 1963 ervalenses que foram ao Paraná visitar seus parentes, aprenderam naquele estado famoso pelas suas araucárias, um jogo até então desconhecido. De volta a Erval Grande o jogo logo se popularizou, entretanto, naquela época jogava-se bocha de uma modo diferente do atual, o esporte era praticado com bochas de pinhão, por isso o nome "bocha". Outra diferença inusitada da bocha daquela época é que o objetivo era destruir as bochas, com a finalidade de arrecadar o maior número de pinhão possível, sendo que a equipe que fosse mais bem sucedida, vencia o jogo. De lá para a cá, a bocha mudou muito, hoje se joga com pedras arredondadas no esmirilho.

Existem jogadores ervalenses que acreditam em forças sobrenaturais ou forças que desafiam as Leis da física no jogo da bocha, pois não é difícil de encontrar jogadores que inclinam seu corpo e se movimentam para os lados, a fim de mudar a trajetória da bocha.

Assim como em qualquer outro esporte, acidentes em jogos de bocha também são muitos comuns, registros apontam que em 1982, uma pessoa morreu em decorrência de uma bocha aremessada contra a sua cabeça enquanto assitia uma partida, a este termo deu-se o nome de "bochada", e é por isso que até hoje, quando alguém quer dar um soco desferir um golpe em outra pessoa, este fenômeno é definido como: uma "bochada".

Além dessa tragédia, outro fato deixou muitos adeptos tristes e a cidade de luto por três dias. No final de 2009 foi desativada a cancha de bocha do Bar do Pomba. Em razão disso e chateados com a perda, os adeptos da bocha, sentiram-se ameaçados e com medo de que o esporte possa desaparecer nos próximos anos, por isso cogita-se indicar Erval Grande para sediar a Copa do Mundo de Bocha em 2014.


MarratonaEditar

 
Vencedor da última Meia Marratona Internacional da Volta do Rio Jacutinga.











O Dialeto ErvalêsEditar

Embora Erval Grande tenha o português como língua oficial, é muito relevante a utilização do dialeto Ervalês pela população em geral. Este dialeto nada mais é do que uma variação da língua portuguesa que só é conhecida pelos munícipes. Estrangeiros que gostariam de conhecer um pouco mais sobre este dialeto podem agora comprar o dicionário Ervalês-Português Português-Ervalês, à venda nas melhores bancas. Aqui estarão relacionadas as principais expressões dialéticas de Erval Grande, bem como a utilização em frases, para o melhor entendimento.

Ervalês Português Frase em Ervalês Frase em Português
Andarola Objeto qualquer que não existe. Podia ir lá na mecânica buscar as andarolas pra mim? Podia ir lá no mecânica buscar um objeto que não existe pra mim?
Baixar Ir, deslocar, mover-se Vamo bachá no baile. Vamos nos deslocar até o baile.
Carca de a pá Advérbio de quantidade, em exagero. Vamo carcá de a pá nesse jogo! Vamos ganhar de muita vantagem neste jogo!
Espiculão Esperar o momento certo. Não dá pra jogar baralho com ele, é muito espiculão. Não dá pra jogar baralho com ele, só vai nas jogadas boas.
Estufar a gandola Correr, fugir, sair em retirada. Chamei ele pro braço, mas ele estufou a gandola. Propostiei uma briga, mas ele saiu em retirada.
Peidar Ingerir alcool em excesso Tinha neguinho peidando! Tinha indivíduo bebendo alcool exageradamente!
Pique Sujeito que causa incômodo Não vamo convida, ele é muito pique! Não vamos convidar, ele é muito incomodativo.
Pitoco Revólver, arma de fogo. Se esses cara mechê ca gente, vamo puchá o pitoco! Se esses sujeitos mecherem com a gente, vamos puchar o revólver.
Preto de Bespa Bêbado, alcoolizado, embriagado. Eu vi ele na bodega preto de bespa. Eu vi ele no bar muito bêbado.
Saltar da Grápia desistir, renunciar. Ele me fez salta da grápia. Ele me fez desistir.
Socar o barrote Ganhar, vencer, triunfar. Quero socá o barrote nesse campeonato. Quero sair vitorioso neste campeonato.
Socar a bota Ter relações sexuais com alguém. Tô loco pra socar a bota nessa guria. Tenho muita vontade te ter relações sexuais com esta guria.
Tigüera Cansado, acabado, fatigado Não consigo mais correr, eu to em tigüera Não consigo mais correr, estou muito cansado.
Tigüera 2 Feio, de aspécto desagradável Aquela mulher é muito tigüera. Aquela mulher é muito feia.
Vilinbrailing Pessoa, Sujeito, Indivíduo. Muitas Vilinbrailing? Muitas Sujeito?
Fonte: © 1998-2009 Editora Ervalense Ltda. © 2009 Moderno Dicionário do Dialeto Ervalês. Todos os direitos reservados.