Abrir menu principal

Desciclopédia β

Esmegma

AAAcido.jpg ESTE ARTIGO É CORROSIVO!!!

Portanto, não o cheire, não o lamba e evite o contato com a pele, olhos e mucosas. Em caso de contato, não provoque vômito, procure ar fresco e lave a porra toda com água corrente em abundância.

Asclepius.png A Desciclopédia não é um consultório de medicuzinho.
Por isso, tome vergonha e vá procurar um para fazer seu check-up.
Lave bem o seu cannoli, senão fica essa sobra de creme...

O esmegma, conhecido também como queijinho do pau ou polenguinho, é uma moléstia que acomete dez entre dez pessoas providas de jeba (e muito raramente algumas desprovidas). É uma moléstia extremamente prejudicial à vida do indivíduo; apesar de a primeira vista parecer inócua, é mais prejudicial ainda pra parceira ou parceiro que colocar a boca no órgão.

Índice

DescriçãoEditar

O queijinho do pau, para os leigos, é aquele "patezinho" que fica escondido entre a chapeleta e o couro da pica. A função do queijinho é deixar o cabeção com aquele lustro, mas quando excessivamente presente, tende a causar danos ao bem-estar da donga (pingola) e ao seu proprietário. Por exemplo, no momento que a sua parceira vai pagar o boquetão, se ela observar a presença do queijinho do pau em sua pimba, ela vai ter a certeza de que você é um baita de um porco e se você é capaz de deixar seu próprio pau neste estado calamitoso, certamente é um daqueles tipos que comem o cu da parceira e depois enfiam diretamente na boceta, sem higiene nenhuma.

O que irá acontecer então é que ela pagará o boquete na maior má vontade, não lhe dará o cuzinho, e lhe dará somente a boceta uma única vez, e depois ainda espalhará para as amigas, que espalharão para outras amigas, que você é um baita de um porco e que comeu ela mal. Agora, vamos ser sinceros, quem deixa a piroca chegar nesse nível de produção de queijo pode até pagar de exportador, mas não come ninguém. Caso ocorra de o imbecil chegar nesse estado e conseguir uma noitada, será a última. Logo, toda a vida sexual desse homem estará em jogo, com a fama de ser porco e pouca-boia.

ClassificaçãoEditar

 
Nível de quem deixa o queijinho no pinto.

Para evitar os problemas relativos ao acúmulo de catupiry na piroca, foi criada uma classificação de saturação e porquice, baseada em anos de experimentação prática, a chamada "avaliação do queijinho do pau em grau e saturação".

Primeiro grau - Creme de leiteEditar

Esse é o grau de porquice moderada. Ocorre preferencialmente depois de uma trepada e na hora de mijar. O queijinho se assemelha a creme de leite dessorado.

Segundo grau - NataEditar

Grau de porquice baixo-médio, ocorre na manhã após a trepada. O queijinho se assemelha a nata batida, cobre todo o cabeção e deixa o mesmo com aroma de boceta mal lavada ou peixe podre.

Terceiro grau - HipoglósEditar

Grau de porquice médio. Ocorre normalmente em indivíduos relaxados, que deixam de tomar banho de manhã para ficar com "cheiro de buça no corpo". O queijinho tem aspecto de hipoglós, e normalmente cheira a uma mistura de peixe com mijo seco.

Quarto grau - RequeijãoEditar

Grau de porquice médio-alto. Ocorre normalmente em indivíduos bastante relaxados, o queijinho assume aspecto de requeijão, fede igual a peixe podre em fim de feira e costuma deixar a cueca do porco marcada de amarelo, tipo uma gola.

Quinto grau - Queijo QuarkEditar

Grau de porquice alto. Ocorre quando o indivíduo deixa de tomar banho por uns dois ou três dias, não troca a cueca, e ainda por cima toca umas duas punhetas por dia, independente de comer alguém ou não. Fedor de peixe, manteiga azeda e óleo de máquina.

Sexto grau - PolenguinhoEditar

O famoso grau de porquice altíssimo, que até dá nome ao boi. Ocorre quando o queijo do pau está acumulado há mais de semana, o pau está com a cabeça roxa de tanto sebo, a cueca amarela de sei lá quantos dias sem trocar, o banho é situação improvável, e a meleca em torno da chapeleta está tão dura que mais parece um polenguinho. O indivíduo neste estágio terminal, é improvável que coma ou tenha comido alguma mulher que possa ser classificada como do gênero humano. Cabritas e bezerros não valem, e a pingola e o indivíduo exalam um cheiro de curral insuportável para os outros seres humanos.

Sétimo grau - CremutchoEditar

Grau de porquice inominável, abissal. O indivíduo em grau sete de porquice está morto e não sabe. Este tipo de queijinho acomete somente zumbis-vodus e mendigos de esquina, ahn, e caminhoneiros, taxistas e comedores de travestis. Pingola absolutamente podre e descamante, queijinho colado em blocos coesos em torno da chapeleta, com cheiro de aipim podre. Não precisa nem cortar fora a pingola, basta pular da cadeira que essa merda cai.

PrevençãoEditar

Para evitar a ocorrência deste mal, lave sempre sua pingola com clorofila, querosene, álcool, Baygon ou anti-mofo lysol. Repasse para seus amigos porcos. Pessoas que tem queijo no pau costumam ser viúvos com o cabelo do cu medindo 4 metros. Caso você ingira um pouco do queijo do pau irá virar um mago que comanda todos os queijos e pintos do universo, porém terá de viver com uma tromba enfiada no bumbum e no nariz.

Ver tambémEditar

  Conheça também a versão oposta de Esmegma no Mundo do Contra: