Abrir menu principal

Desciclopédia β

Exército Argentino

Mantenha distância... ALLAHU AKBAR!!!!

Esta página contém elementos bélicos, químicos, atômicos ou bombásticos,
podendo causar um grande estrago no computador (e na mente) do leitor.
Bombanuclear4.gif
Tango.gif ¡¡NO DJORES POR MI, DESCICLOPÉDIA!!

La hinchada del Boca Xuniors há assegurado que esto artículo és un lerrítimo arrentino porteño, y por eso, és lo más merrór de la Desciclopédia, así como Maradona és merrór que Pelé.

Coléégas! Marchar con el nuevo modelito! Uno, dós! Uno, dós! Uno, dós!

Cquote1.png Experimente também: Fiasco Militar Cquote2.png
Sugestão do Google para Exército Argentino
Cquote1.png Fuck you, baby! Cquote2.png
Margaret Thatcher sobre Exército Argentino
Cquote1.png Joy no servi o egérxito arrentino ma joy sey que son el mejores del mundo. Cquote2.png
Tevez sobre Exército Argentino
Cquote1.png Eles merecem tudo o que tem, afinal, são os vice-campeões da Guerra das Malvinas Cquote2.png
Marco Bianchi sobre Exército Argentino
Cquote1.png VvoOuu xXxÉeRVíi a ExXXxí ExXérxXiTO! Cquote2.png
Emo sobre Exército Argentino
Cquote1.png Jo soy do grandioso exérdito de la arhentina! Cquote2.png
Alguém do exército da argentina admitindo que é gay

A Argentina é um país que está permanentemente pronto para conflitos bélicos, afinal, enchem o saco de toda a vizinhança, e até de outros países que não tem nada a ver com eles, como a Inglaterra, que os surrou humilhou venceu na Guerra das Malvinas. Por esses motivos, existe o Exército Argentino, segundo eles, "El más grande del mundo".

Soldado argentino pronto para o combate.

O Exército Argentino é uma das Forças Armadas responsáveis pela defesa da pátria (deles é claro) e pela garantia da lei, da ordem, dos poderes constitucionais e da superioridade argentina sobre todos os países do mundo. A Guerra das Malvinas, a questão do Canal de Beagle, os panelaços que derrubaram o Presidente Fernando de La Rua comprovam isso.

Índice

EstruturaEditar

O Exército Argentino apresenta uma estrutura muito bem estruturada, com muitas armas, bombas, aviões, enfim, tudo o que é necessário para garantir a defesa argentina. (Na verdade, como na Argentina o serviço militar deixou de ser obrigatório na década de 1990, o exército do país resume-se a 15 soldados, dois jegues, 12 bodoques, um fusca 1969 e uma foto do Maradona em tamanho natural. Perguntado da utilidade da foto, o General Juan Perón Jr. disse que, ao ver Deus, os soldados inimigos largariam as armas e renderiam-se ao exército divino.)

HistóriaEditar

 
Típicos soldados argentinos

O Exército Argentino foi constituído no ano de 1810, para libertar a Argentina do domínio espanhol. As tropas portenhas eram tão ridículas, que os espanhóis começaram a rir, e chegaram a colclusão que seria até feio para a Espanha ter algum vínculo com aquele povinho.

A segunda grande expedição dessa garbosa instituição foi a Guerra do Paraguai, onde, por diversas vezes. foram derrotados em batalha pelo Exército Paraguaio made in China. Depois disso, o Brasil assumiu o controle da expedição e ganhou a guerra. Aliás, o conflito foi uma atrocidade em relação aos índios paraguaios, mas isso são apenas meros detalhes.

 
Argentino feliz com seu exército

Em 1982, um General argentino, chamado Juan Pablo Maradona, terminou seu namoro com um inglês, conhecido como Big Phil, de forma muito traumática, o que o fez ficar com muita raiva da Inglaterra, resolvendo vingar-se. O General, então, fez a cabeça do seu primo, e Rei da Argentina, Diego, que resolveu invadir as Ilhas Malvinas, um paraíso tropical no extremíssimo-sul da América. Depois de 3 horas de guerra, os argentinos voltaram para casa com o c* na mão renderam-se e devolveram as Ilhas Falklands, como são atualmente chamadas, para a Rainha.

Depois disso, o Exército passou a ser utilizado em benefício da vida civil, executando funções como animação de festas infantis, plantio de margaridas e falar mal do Brasil.

Vitórias Bélicas ArgentinasEditar

  Isto no ecziste!  
Padre Quemedo sobre Vitórias Bélicas Argentinas

Exército Argentino em açãoEditar