Abrir menu principal

Desciclopédia β

Expressionismo

O Grito, a mais famosa obra expressionista.

O Expressionismo foi um movimento de libertação homossexual do início do século 20. Este movimento causou grande impacto principalmente nas artes e na arquitetura: homens-libélula de toda a Europa passaram a perceber a maravilha das cores cintilantes combinada com uma intensa angústia emo.

Este estilo é uma resposta ao excesso de heterossexualidade presente no Impressionismo.

Índice

Expressionismo nas artesEditar

Artistas expressionistas priorizavam duas coisas em suas obras: gay e emo. O resto valia tudo. Quadros rosa com flores mortas, homens beijando homens, gritos, dor, angústia, vermelho com preto, orgias homossexuais, animais mortos, lágrimas, sofrimento, suicídio e automutilação eram temas frequentes. O mais famoso quadro expressionista é O Grito, uma pintura com um emo gritando em dor e desespero ao descobrir que seu namorado por correspondência era, na verdade, uma loira peituda.

 
Outra versão do quadro O Grito

Não é preciso dizer que um movimento tão "liberal" só poderia ter nascido na Europa, mas após um tempo pequenas vertentes do movimento se espalharam pelo resto do mundo, como uma praga de borboletas. No Brasil, a artista expressionista mais famosa é Anita Malfatti.

Expressionismo na arquiteturaEditar

 
Típica construção fálica expressionista

O expressionismo arquitetônico coincide com o início da arquitetura moderna, em que os arquitetos ainda não sabiam muito bem o que fazer a seguir, e deixar os expressionistas se meterem na arquitetura pareceu uma boa ideia.

Na arquitetura expressionista, arquitetos resolveram soltar completamente a franga e, abandonando o pouco de engenheiro que tinham no sangue, decidiram que a arquitetura é uma forma de arte, e os prédios devem ser esculturas! Seguindo a frescurite de seu estilo irmão Art Noveau, os prédios eram super ornamentados e cheios de firulas, com ondas, afrescos, lantejoulas, vidrinhos coloridos, glitter, uma alegria sem tamanho nem medida. E qual era o formato destes prédios tão alegres, você pergunta? Pênis, é claro!

Teve início um período em que todos os prédios deveriam ser um culto à (homos)sexualidade humana, este período logo enfrentou problemas pois as antes tão valorizadas coberturas dos edifícios permaneciam inabitadas, com as pessoas se recusando a ir morar dentro de uma gigantesca glande. Tão rápido como começou, o expressionismo repentinamente desapareceu, com o início do antagônico e sério período do Estilo Internacional.

Outras formas expressionistasEditar

Em menor escala, o expressionismo esteve presente também na música, na literatura e no teatro. Independente da forma, era sempre a mesma salada de frutas envolvendo angústia com gay com frescura.

Veja tambémEditar