Abrir menu principal

Desciclopédia β

FIÊT

Macarraopre.jpg PORCA PUTTANA!!

Questo articolo è 100% made in Italia ed è sotto il controllo di Cosa Nostra! Perciò sta' bene attento a dove metti le tue manacce zozze o i nostri amici verranno a casa tua per spezzarti le gambine!

Carrinho spmercado.jpg Este artigo é sobre um carro.

♫ Não é homem, não é nada, mulher gosta é de carro... ♫

Ele queima óleo, suja sua garagem, solta fumaça e sempre lhe deixa na mão no meio da estrada!

Cquote1.png Você quis dizer: FIATinho? Cquote2.png
Google sobre FIÊT

A FIÊT (Fabbrica Italiana di Escrementi Totali) é uma cópia subdivisão da FIAT feita para países em subdesenvolvimento. Representada oficialmente no Brasil e República das Bananas pela Big Bill Hell's Motor Holdings Limited.

Índice

ModelosEditar

Todos (absolutamente TODOS) os FIÊTs têm opção de motor 1.0 ToscoFrécs, com 50 cv, e motores 1.4, 1.6, 1.8 e 2.0 8v JurassiFrécs. Vêm de série com transmissão manual de quatro marchas não-sincronizadas e o revolucionário sistema 0WD de tração em nenhuma roda.

CuloEditar

 
Comprando um Culo, você ganha o privilégio de participar do processo de montagem do próprio carro

  Uni-duni-tiê, compri la porri e vá se fodier  
Comercial do Culo

O Culo é o carro de entrada da FIÊT no mercado, derivado de uma gambiarra do Uno de primeira geração com o de segunda. Fabricado na moderna para os padrões da década de 20 fábrica em Ouagadougou, Burkina Faso. Tem versões em 3 e 5 portas, com as seguintes versões:

  • Superpeladus
  • Megabasic
  • Mortace
  • Espantalhative
  • Ófiroldi
  • Megasport
  • Culo 14 P-AMG

157Editar

 
Um 157 0km, recém-saído da linha de montagem

O 157 é o modelo compacto, ocupando um espaço parecido com o do Palio no mercado brasileiro. Disponível nas versões (em seus respectivos e verdadeiros nomes):

  • Rétbék (Hatchback) - Com opções de 3 e 5 portas
  • Çedãh (Sedan) - Com um porta-malas de 570 litros ou dois cadáveres médios
  • Uíquend (Weekend) - Perua que serve de base à versão Ófirôldi
  • Toscovan - minivan de cinco ou sete lugares
  • Plastickup - Capacidade de meia tonelada de plásticos, que são usados no acabamento do carro
  • Ófirôldi
  • Plastickup Ófirôldi
  • Megasport
  • 157 16 P-AMG - Versão usada no WSRC (Campeonato de Rali do Sahara Ocidental)

PilantraEditar

 
Um 1,30 zero. Detalhe: O dono pagou cinco mil reais a mais pela exclusiva pintura azul-escuro-quase-cinza


O Pilantra é o sedã mérdio da marca. Preparado pela P-AMG para competir no LTM, campeonato liechtensteinense de turismo. Disponível nas versões:

  • GL
  • GLS
  • GLX
  • GLXXX
  • 20 P-AMG Turbo (para homologação no LTM)

Todas as versões com nome começando em GL também estão disponíveis como hatchback (chamado de 1,30) e perua (chamada de Füder não é o que cê tá pensando).

PanamerdaEditar

Sedã executivo de alto luxo fabricado em Rondônia, muito popular entre membros de alto escalão de ditaduras militares do sudeste asiático. Entre os vários itens de série disponíveis encontram-se bancos de couro natural sem tratamento, pneus run-flat em madeira maciça tirada de um assentamento ilegal no mesmo estado onde foi fabricado, descontrole de tração e instabilidade, pintura em tom tosco, freios com sistema anti-frenagem de última geração da década de 40 e um fuzil 7.62mm para resolução de brigas no trânsito (como opcional, o comprador pode pedir uma AK-47).

SfincterEditar

Veículo inutilitário. Disponível nas configurações furgão, carro funerário, picape, carro alegórico, van para 10 ou 15 pessoas, e as mais populares: camburão e carro bomba.

QuebosterEditar

  Você que acha legal um carro de três portas? Tomou no cu! Chupa Hyundai, filhos da puta! Fizemos uma porra dum carro com UMA porta  
Campanha de marketing da FIÊT sobre seu rival de mercado

 
Queboster na ultraexclusiva cor vermelho hemorragia tosco, disponível como opcional por apenas 7.500 Didas


Esportivo de uma porta da FIÊT. Movido por quatro motores de CG unidos em uma gambiarra. Não pergunte como o departamento de engenharia de apertar parafusos da FIÊT conseguiu essa proeza, mas o mais impressionante é que o câmbio também é emprestado de uma moto: desta vez de uma Hornet que um boyzinho perdeu num semáforo no Rio, que também cedeu os freios. Rumores sugerem que a próxima geração virá sem portas, solução já adotada com sucesso na NASCAR.

MijjardoEditar

 
O Mijjardo, com exclusivo design italiano feito pelo renomado estúdio Buffone


Superesportivo de entrada da marca, movido por um AP 1.6 pego de um Gol 88 depenado num desmanche. Outras peças da Volkswagen são a suspensão de Pointer e o câmbio de Fusca. O sistema de tração integral vem da Lada Niva, mas, como tudo superesportivo, não espere que este carro sobreviva a um centímetro de lama. Conhecido competidor nos circuitos europeus, principalmente nos campeonatos nacionais da categoria GT16.

AmerdadorEditar

 
A revolucionária carroceria do Amerdador, totalmente imune à corrosão e à oxidação

Superesportivo intermediário, movido por um motor seis canecos tirado de um Opala, obtido por meios totalmente legais. Suas duas suspensões com tubos De Dion garantem a melhor dirigibilidade da categoria das supercadeiras-elétricas, e seu desempenho de primeira classe foi comprovado com um tempo de 9:56 em Nürburgring (a pista de F1, não o Nordschleife). Único da categoria cuja carroceria é imune a efeitos como corrosão e oxidação. Uma controvérsia foi gerada pelo fato de ter sido testado numa pista de F1.

Failon 20-3,5 P-AMGEditar

O esportivo máximo, o pica das galáxias da linha FIÊT. Projetado em parceria com a P-AMG para alcançar a estonteante velocidade de 400km/h, graças à potência praticamente infinita do lendário AP trêiskilimei.

O significado se seu nome: 20, para os dois litros de capacidade cúbica do motor, e 3,5 para os quilos de pressão do turbo tirado de um Scania 112 roubado de alguma cidade de dois mil habitantes do interior paranaense.

 
Protótipo da versão de competição, o Failon 20-3,5 Megalodontic Gogigagagagigicoskazal Maxxximum P-AMG

ModerfokEditar

A picape média da marca. Leva uma tonelada com sofrimento e desconforto extremo, ou até 24 talibans armados.

BundeiranteEditar

  Você quis dizer: Bandeirante?  
Google sobre FIÊT

 
Um casal de (in)felizes donos de um Bundeirante

Versão SUV (Sem Utilidade Verificada) da Moderfok. Único SUV conversível disponível no mercado. Note que a capota é um item opcional.

Modelos (para nossa alegria) descontinuadosEditar

EscrotEditar

Produzido de 1974 a 1991, praticamente sem modificações. Primeiro carro da FIÊT no mundo dos ralis. Eleito o Carro do Ânus da revista Auto Ixpó em 1975 e 1984. Modelo mais vendido da FIÊT, com mais de vinte exemplares produzidos.


 
O Escrot tinha uma legião de fãs no Campeonato Suazilandês de Rali. Veja os seguidores da FIÊT apreciando a belíssima carroceria deste modelo 1986

CancerEditar

Substituto do Escrot, ficou de 1992 a 2008 em produção. Sua versão Regression representou a FIÊT nos campeonatos, tendo sido tetracampeã papuásio de rali de 1996 a 1999.

 
Cancer Regression XXX, modelo 2008, o último Cancer de rali da FIÊT

HifuxEditar

Picape média da marca desde 1994 até a chegada da Moderfok em 2011. Campeã do Dakar-Dakar por sete anos consecutivos na classe Veículos Doadores de Peças em Casos Extremos.

FIÊT no AutomobilismoEditar

 
Quando você ver este símbolo no porta-malas de um carro, é sinal de que agora a porra ficou séria... NOT


A FIÊT tem uma história extremamente longa no mundo das competições. Com vitórias em Nürburgring, Le Mans, Indianapolis e Spa, todas conseguidas por equipes lendárias como a NARM (North American Racing Merda), a Pesca Rola (patrocinada pelo famosíssimo Guaraná Jesus) e a atual preparadora de fábrica da FIÊT, a P-AMG (Pelo Amor da Mariana Graciolli), cujos carros ganharam o apelido de Granadas Prateadas por sua aceleração explosiva.

Grandes vitórias da FIÊTEditar

 
Um Pilantra da Pesca Rola e um Pilantra da NARM disputam a liderança nos 24 Minutos de Daytona de 2008. Uma clara demonstração da superioridade do motor de combustão externa da FIÊT
  • Índice de Efluência nas 24 Horas de LeMons de 1984, por aguentarem dez voltas (somados) enquanto todos apostavam que os FIÊTs iriam quebrar no primeiro quilômetro de reta.
  • Vencedor dos 500 Metros de Indianópolis de 1968, em ferrenha disputa contra suas rivais Zastava e Trabant.
  • Vencedores do Mundial de Marcas Descontinuadas de 1988, superando Edsel, DKW-Vemag e Simca.
  • 27 vitórias em Microprêmios da Fórmula 0,001, sendo cinco no Microprêmio de Gana.
  • 23 campeonatos mundiais de pirotecnia automotiva, sendo 20 seguidos desde 1997.

DesServiçosEditar

A FIÊT tem vários meios de irritar ajudar os otários seus consumidores.

  • Banco FIÊT: Para financiamentos de até 84 vezes, com juros de no mínimo 5% ao mês.
  • Péssas Jhenuhynas FIÊT: Catálogo de peças sempre atualizado e com grandes estoques, mantido graças a conexões com desmanches ilegais em todo o Brasil.
  • Cartão FIÊT MasterCard: Aceito desde vintões a bocas de fumo. O único que permite ao portador pagar resgate de sequestro-relâmpago.
  • Clube FIÊT: Os membros deste seleto clube de clientes fiéis (ou seja, todo mundo que comprar uma joça dessas) tem privilégios como participar da montagem do próprio carro (uma expansão da idéia da AMG, em que um engenheiro monta o motor completo, aqui uma pessoa monta o carro completo), receber convites para atividades culturais como bailes funk, eventos esportivos como o Campeonato Piauiense de Futebol, patrocinado pela fabricante.

InstalaçõesEditar

A FIÊT possui uma megaplanta de aproximadamente um milhão de milímetros quadrados em São Luís do Piauí, com capacidade para sem mil carros por ano. Junto a esta fábrica se encontra o avançado (para os padrões da Grécia Antiga) Centro de Subdesenvolvimento e Pesquisa de Automóveis, Atropelamento e Fuga, Alvos Móveis, Atropelamento e Fuga e os túneis de ventilador desenvolvidos em parceria com a Faculdade Fábrica de Diplomas.

  Conheça também a versão oposta de FIÊT no Mundo do Contra: