Flow Podcast

Babel fish.gifTraduzindo: Fluxo Conversação
Babel Fish sobre Flow Podcast
Cquote1.svg O Estado infinitamente burocrático com seus impostos tirânicos é responsável pela derradeira aniquilação da maconha e da liberdade individual, e isso se conecta com o universo de certa forma. Cquote2.svg
Monark monarkando
Cquote1.svg Caraaaalho... Cquote2.svg
Igor sobre comentário acima
Cquote1.svg Não necessariamente Cquote2.svg
Monark sobre qualquer coisa
Cquote1.svg Respeito é sempre importante. Cquote2.svg
Felipe Neto sobre Flow Podcast
Cquote1.svg Respeito quem merece. Cquote2.svg
Monark sobre Felipe Neto
Cquote1.svg É que eu tô vendo a parada aqui do meu vídeo, tá pessoal? Pode continuar com o raciocínio aí! Tô escutando. Cquote2.svg
Convidado interessado na conversa

Salve salve família, bem-vindos à Desciclopédia do Flow Podcast, mas antes deixa eu ficar meia hora agradecendo aos nossos patrocinadores... Primeiro vamos falar da ExitLag, um serviço para pessoas que ao invés de comprar um pacote melhor de internet prefere pagar um segundo serviço de internet. E tem também a Wise Up Online onde você pode fazer um curso online de inglês mesmo que qualquer idiota saiba que não se aprende inglês em cursos a distância (além de ter grátis no torrent). E não menos importante, o patrocínio da Twitch que vai te banir caso você seja xenofóbico e relacione a etnia mongol à uma suposta similaridade com portadores de síndrome de Down, por isso não chame ninguém de mongoloide.

E pau no cu dos cachorros.

SobreEditar

 
Convidado típico do Flow ignorando os dois entrevistadores
 
Gian e seu inconfundível bigode de ator pornô dos anos 70.

Flow Podcast NÃO é um programa jornalístico! É uma conversa de bar, numa mesa (não mais rachada no meio), é tipo uma cópia gorda e paraguaia do Joe Rogan e um grande palco pra Zé Droguinha, na qual os apresentadores são dois caras que ressurgiram das profundezas do YouTube,e que não entendem de absolutamente nada (assim como seus inscritos) e por isso precisam chamar entrevistados mais inteligentes que eles (as vezes não, vide Dread Hot) para explicar as coisas. A burrice desses dois fica explicitada toda vez que o assunto é política, momento quando demonstram toda a falta de apreço pelo nosso pai e todo protetor, Estado, mas se um esquerdista vai ao programa os dois não conseguem o mínimo de argumento para refutar ou pelo menos debater com o convidado que é pró-estado, e assim acabam só balançando a cabeça concordando.

Igor 3 KaralhosEditar

Igor 3k é um ex-careca com duax filhax (a escola pública de uma delas tem aula de tênis), que trabalhou na Cultura Inglesa, estudou no CEFET, serviu por um tempo, xingava muito no Mario Maker e conheceu o Elimar Gonzalez jogando Magic. O cara é dono do maior canal de games de luta do Brasil (falecido assim como seu canal original após o sucesso do Flow) mas não sabe o nome dos personagens, o nome dos golpes, as lores dos jogos, não conhece nem uma variedade decente de jogo de luta, e como todo kofeiro é um pedante no quesito jogo de luta considerando lixo tudo que não é KOF. No Flow gosta de se posicionar dizendo que está pouco se fodendo para as coisas, que está cagando pra opinião dos outros sobre o Flow e que não liga para os números do Flow. 3k possui a mania de botar o pé descalço, cheio de sujeira e ranço, em cima da mesa na cara do convidado, ignorando qualquer senso de educação básica e independente do contexto ou clima da conversa, visto quando colocou o pezão na cara do ex-Casseta & Planeta Marcelo Madureira no meio do depoimento dele sobre a morte de Bussunda e a pior semana que teve na televisão. E se reclamar, vão ser 2 pés.

MonarkEditar

O outro é um maconheiro anacap (de acordo com o próprio), ex-ateu nilista que não acredita na Bíblia (convertido por Jordan Peterson e que por um tempo enfiava Deus em literalmente qualquer assunto como todo recém-convertido), prega a ideia de democracia direta e adora cantar ponte ponte a todo momento. Ama falar bosta chapado nas entrevistas e estava até vendendo seda, pensando na possibilidade de expandir para a venda de pedras de crack. Monark tinha ficado 3 anos parado e agora só quer ganhar dinheiro para mudar a indústria dos games com seu joguinho que nunca será lançado. Visivelmente viciado em maconha e DotA, ainda tem cara de pau de recomendar drogas para seu público maior de 25 anos e em todo Flow sempre dá um jeito de falar sobre maconha, oque ele não sabe é que é um ótimo exemplo contra às drogas, claramente dependente químico daquilo. Como todo maconheiro, Monark não possui um pingo de amor próprio e por isso parece que foi encontrado na lata de lixo, sempre esfarrapado, tanto que quando foi ao The Noite no dia 22 de Setembro de 2020 foi com a mesma roupa que ele dorme.

GianzãoEditar

O autodenominado diretor e produtor, que aperta vários botões, fica rindo atrás das câmeras e pisca "o jogo" na cadeira de alguma pessoa que saiu da entrevista pra ir cagar, se chama Gizão (de acordo com Ricardo Ohara), ele é basicamente um Fred do iCarly (não é farpa se for true), com o bigodinho de ator pornô dos anos 70, quando deu aquela piscadela ao passar na frente da câmera molhou até a lava do inferno.

Cópias do Joe Rogan FlowEditar

Recentemente replicaram o canal na mesma salinha, mas com outros apresentadores que depois traíram os ex-chefes do Flow:

  • Judascast Podpah, que basicamente é o Flow de Osasco com dois manos funkeiros apresentando. Talvez pelo apelo à comunidade urbana, cada edição do programa tem um quinzilhão de views, o bastante para chutarem a bunda do Monark e do Igor.
  • Cativeirocast Master Podcast, com dois tiozinhos da pré-história da internet, da época da internet discada e do BBS (que porra são essas?). Sua principal diferença do Flow é a clara falta de interesse que Vinheteiro demonstra por todos os convidados e o fato de que, após saírem do estúdio do Flow, começaram a gravar o programa num cativeiro improvisado do PCC.
  • Saco Cheio Podcast/À Deriva Podcast, os dois apresentados por Arthur Petry, um MGTOW de terceira idade que gosta de falar sobre depressão, tristeza, o quanto a vida é merda e dar esporro em adolescente. Tão na mesma categoria porque são basicamente a mesma merda.
  • Venus Podcast, um Flow versão pepeka para quem está farto de só ver apresentador com piroca. Estrelado por Yasmin Yassine, uma mulher-bomba, e Criss Paiva ("com dois s"), uma comediante de stand-up aleatória que basicamente recebeu um podcast de presente e se juntou ao programa 5 minutos antes dele estrear. Apesar do nome, este podcast não foge da premissa original de ser um "Flow Delas" e é basicamente o Flow Cotista.

Requisitos para você ir ao FlowEditar

  1. Ninguém liga se você é famoso, eles vão te chamar se eles QUISEREM. A não ser que você seja um famosinho que vai trazer views, como Felipe Neto ou os gordos do Nerdcast, daí eles começam a implorar loucamente que você vá e, se você ignora, eles começam a criar tretinha para tentar aparecer no Treta News.
  2. Saiba conversar, essa merda NÃO É UMA ENTREVISTA, é uma conversa de boteco monetizada.
  3. Não venha com roteirinho, essa merda NÃO É UMA APRESENTAÇÃO, já que não precisa de roteiro nenhum pra falar merda.
  4. Não precisa ser YOUTUBER ou qualquer bobagem de internet, mas na maioria dos convidados possui esse perfil de meme da internet como é o caso dos apresentadores dessa merda.
  5. Não fique no celular porque isso é mó bad vibes, sacou?

Canais Oficiais do FlowEditar

Melhores canais sobre o FlowEditar