Abrir menu principal

Desciclopédia β

Gigantismo

Asclepius.png A Desciclopédia não é um consultório de medicuzinho.
Por isso, tome vergonha e vá procurar um para fazer seu check-up.

Cquote1.png Eu juro que não tenho isso! Cquote2.png
Pé Grande sobre gigantismo.
Cquote1.png Nós também não. Cquote2.png
Jogadores de basquete sobre citação acima.
Cquote1.png Absolutamente eu desconheço este assunto. Cquote2.png
Nelson Ned sobre gigantismo.
Cquote1.png O gigantismo é um distúrbio hormonal da glândula pituitária... Cquote2.png
Dráuzio Varella sobre gigantismo.

Grande e pesado. Deve vencer todas as lutas em que participa.

Gigantismo é um problema de testosterana ou estrógeno nas glândulas pituitárias que causa crescimento excessivo do órgão sexual corpo inteiro, seja em crianças, adolescentes ou adultos. Segundo as palavras do grande filósofo doutor Spock o gigantismo é uma enfermidade que veio de uma outra galáxia para fazer os humanos ficarem com inveja de alguém que possa tocar arranha-céus e tenha uma jeba mão de mais de quinze centímetros de comprimento, largura e diâmetro.

Índice

Por dentro do problemaEditar

O cientista que descobriu essa doença foi o saudoso Doutor Chapatin que deu o diagnóstico para um homem mexicano galante, sedutor e conquistador da Velha Carcomida: Professor Girafales; mas o professor dizia que o gigantismo não atrapalhava a sua vida acadêmica ou sexual-bissexual. Chapatin se juntou com demais cientistas renomados para se aprofundar no estudo da enfermidade, descobrindo que o problema principal é a droga do tal hormônio do crescimento.

Mais anos de pesquisa mostraram que o gigantismo não escolhia nem sexo nem idade definida para fazer suas vítimas, podendo ser coroa, leoa, adúltero ou criancinha. A partir do século XXI os estudos estavam terminados e a comunidade científica já sabia como combater o gigantismo (ou não). Pessoas que medem de 2,30 M até 2,70 são muitas vezes portadoras do distúrbio de crescimento.

DiagnósticoEditar

 
Você acredita que o menorzinho já meteu a porrada no grandão?

Se você suspeita que tem dengue gigantismo precisa procurar um veterinário com urgência e mostrar as suas glândulas pituitárias. Se sua cabeça bate no espaço entre a o vão da porta e da parede com certeza vocè tem gigantismo, se não consegue entrar em um ônibus também. O diagnóstico mais preciso de gigantismo é o "exame do toque" (mas esse não tem nada a ver com a próstata!): você põe o grandão deitado em uma maca e encosta uma gelatina no seu pescoço. Caso o paciente se incomode com a gelatina ele sofre de gigantismo; caso contrário ele é uma pessoa normal.

Vale ressaltar que portadores de gigantismo e gigantes não são a mesma coisa . Os segundos são produtos das mentes virgens de nerds amantes de RPG e obras de Tolkien e Rowling. Gigantes não existem nessa buceta de mundo, apenas portadores de gigantismo.

TratamentoEditar

 
O amor não tem limite de idade, peso e tampouco altura o que vale é a xoxota dela .

O tratamento principal e tradicional contra esse distúrbio hormonal se dá por meio de duas fases: remédios tarja preta para mandar a glândula pituitária sossegar o facho e parar de produzir hormônio do crescimento. E a segunda fase consiste em procurar uma boa cartomante ou curandeira das trevas para te curar desse mal e tirar o olho gordo fazê-lo feliz.

O método alternativo e não aprovado pelos médicos é pôr o grandão agachado (mesmo assim ele ainda é maior que você) e pegar uma marreta biônica e marretar a cabeça do doente até que ele fique da estatura de uma pessoa normal ou a de um anão. Cuidado que o paciente pode te querer pegar na mão depois de você fazer isso com ele.

Como evitarEditar

Pegue uma faca, corte sua pele e remova sua glândula pituitária (está localizada no seu pé esquerdo). Assim você nunca mais irá crescer.

Problemas comuns enfrentados pelos grandõesEditar

  • Apelidos e zoações
  • Nunca poderão visitar um parquinho
  • Não conseguem limpar a casinha do cachorro
  • Caso se abaixem a coluna vai pro beléleu
  • A maioria é feia
  • Eles têm que usar muletas.

Ver tambémEditar