Abrir menu principal

Desciclopédia β

Guará (Distrito Federal)

Guará é a mais próxima cidade-assaltélite de Brasília, foi criada através de mutirões de pobres que não davam conta de morar na Asa Sul. O nome Guará se deve aos Lobos-Guará, que antes habitavam a região em grandes matilhas até serem devorados por um grupo de mafagafos maconheiros da QI 3 ou serem assados nos churrasquinos de gato da esquina. Outros atribuem o nome ao pássaro de nome Guará, que revoavam por ali até os pobres chegarem e ter que caçar para sobreviver. Entretanto, nenhum desses animais e qualquer outro que haviam por lá não sobraram para contar a história, pois viraram farofa e churrasco.

Índice

HistóriaEditar

 
O destino do Lobo-Guará.

A pequena história do Guará pode ser resumida em "Alocaram um bando de pobres por ali em 1967, mas com o tempo os pobres foram sendo empurrados para as zonas mais longínquas do Plano Piloto, e então o Guará tornou-se um bairro de classe média cheio de gente metida e maconheiros que vedem drogas nas QIs".

A péssima urbanização da cidade contribui para que qualquer cidadão normal se perca andando nas estreitas ruas da cidade, onde os números das casas e letras dos blocos são distribuídas aleatoriamente, a tal ponto que nem os carteiros sabem onde fica o que no Guará... Por toda cidade encontram-se eternas e inacabadas obras que sempre atrasam por causa dos constantes ataques de vândalos que quebram tudo.

Com o crescimento populacional, surge num amplo terreno baldio, do dia para a noite o tal do Guará II. Uma réplica perfeita do Guará só que com mais playboys, mendigos, playssons e outros tipos de otários, o que atraiu muitas profissional do séquiçio que vivem rondando essas bandas.

Em 2005, o SIA (Setor de Imbecis Arrombados) se une ao SIN (Setor de Indescentes e Narcisistas) e ao STRC (Setor de Toupeiras Ratos e Cobras) e unidos conquistam independência do Guará após uma batalha financiada pelas muambas da Feira do Paraguai e outros seres mágicos do Park Shopping.

Um importante aspecto do Guará é que ele é uma espécie de Etiópia Brasileira, sonho de moradia de todos os rastas.

Até 2020 o projeto de expansão comercialização/destruição do Guará estará finalizado Sejam bem vindos a GUARATINGA o futuro do Guará

TrânsitoEditar

Infraestrutura zero o transito é uma zona na área dessa cidade sem qualquer planeamento de trafego, e ainda bestas do governo que fizeram pistas de acesso a outras cidades favelas próximas deixando o Guará ainda mais engarrafado e caótico no meio da cultura do carro do brasiliense. O Guará foi urbanizado por algum drogado para ser tão mal feito assim. Com apenas 1 grande avenida circular principal, e apenas duas saídas da cidade. O trânsito nas saídas do Guará às sete da manhã, meio-dia e seis da tarde, um velhinho aleijado manco subindo a ladeira se desloca mais rápido do que o carro dos trabalhadores indo ou voltando de seus trabalhos no Plano Piloto... Que tem que se virar pra não se fuder no SIA com a porra da obra da interminável da Linha Verde.

PopulaçãoEditar

Quando se trata de população o Guará é líder em criação de cachorro essa cidade é um verdadeiro canil, parece que para cada morador zé povinho tem 3 cachorros por barraco latindo sem parar, tamanha quantidade de bichos que tonar torna os passeios e caminhadas uma verdadeira aventura andar a pé pelas ruas além de não ter segurança nenhuma ainda são campos minados de bosta, só não se sabe se são dos cachorros ou dos donos que são em sua maioria sem educação

O Guará possui a maior concentração de gente da classe mérdia de Brasília que ficam ouvindo bitlous e por conseguinte, esse povo se acha gente, e constantemente frequentam a Asa Sul para posarem de ricos.

A cidade é muito conhecida no Distrito Federal por ser o maior foco de emos, roqueirinhos pés-de-chinelo e metidos a playboys, que ainda tem a coragem de se gabar para cima dos oriundos das demais Cidades-Assaltélites, achando que por estarem na divisa de Goiás, são piores que os outros[1].

Repleta de Pebas e cracudos nativos da cidade e ladroes de outras Cidades-Assaltélites próximas, o guara atualmente sofre com a marginalidade que só aumenta e evoluí sua taxa de roubos com o passar dos anos de bonés e chinelas kenner, para casas, celulares e bicicletas.

Além desses, a população de rastafaris e maconheiros é grande e só cresce, com diversas tabacarias, lojas de artigos rasta, os melhores dreadmakers do DF e até um sindicato do reggae.

È cultural do nativo vagabundo guaraense fumar maconha, a cidade parece ate que é um anexo da Jamaica por onde se vai tem maconheiro.

AtraçõesEditar

 
Polícia invadindo a Feira do Paraguai durante a guerra de independência do SIA.
  • CAVE - Um moderno estádio caindo aos pedaços onde os piores times do futebol candango costumam jogar. Ninguém se arrisca a ir nesse estádio.
  • Feira do Guará - Como se sabe, a grande especialidade do DF são as muambas, e a figura do camelô já é símbolo local. O Guará então tem a sua grande feira onde você pode encontrar todo o tipo de pirataria.
  • Park Shopping - Shopping de rico que o povo do Guará vai passear só para ficar olhando a vitrine, e talvez gastar o salário do mês inteiro numa refeição no McDonald's, e passar o restante do mês endividado.
  • Carrefour - Fazer compras é uma tradição cultural no Guará. O povo vai ao mercado diariamente, e só compra o que estiver em promoção.
  • Casa Park - Outro shopping. Só que esse é mais deserto que o estádio do CAVE em dia de jogo do Guará. Os poucos que aparecem pelo Casa Park na verdade erraram a entrada pro Park Shopping.
  • Sindicato do Reggae - Acervo denomidado sindicato (ninguém sabe o porquê) que reúne diversos objetos da cultura reggae e rasta como quadros e fotos. Um bom lugar para ir quando se está sob o efeito da maconha, planta natural do Guará.

Ligações externasEditar

  1. Até que isso não deixa de ser lá verdade...
v d e h
BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL