Abrir menu principal

Desciclopédia β

Guardiões da Galáxia Vol. 2

(Redirecionado de Guardiões da Galáxia 2)


Guardiões da Galáxia Vol. 2 é um filme de space opera comédia que conta a história de um circo espacial itinerante e toda a relação entre os degenerados integrantes desse grupo, sendo um filme que fala sobre amizade, companheirismo, aceitação das diferenças, e claro, salvar o universo. O filme foi um tapa na cara dos preconceituosos quando pela primeira vez em sua história, a Disney, empresa de valores familiares, exibiu uma cena de um beijo entre um humano e uma alienígena de pele verde, como mensagem de que o amor é sim uma linguagem universal, não importa quantos vírus diferentes uma raça alienígena possua em sua saliva.

Disney Star Wars 2: Marry Poppins & Guardians of Galaxy
Star Episode II: How to Save a Galaxy Again
Star Wars: Guardando a Galáxia Volume 2 (BR)
Mary Poppins 2 (PT)
Marvel May Poppins.png
Poster de lançamento do filme
Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
2017 • Colorido • 2 horas
Direção Um pedófilo
Produção Marvel na Disney
Produção executiva Kevin Faig
Elenco Chris Pratt como um cara
Zoe Saldana como uma mulher verde
Dave Bautista como um cara rosado
Vin Diesel como uma árvore
Bradley Cooper como um guaxinim
Karen Gillan como uma mulher azul
Michael Rooker como um cara azul
Sylvester Stallone como Juiz Dredd do futuro
Gênero Space opera de comédia romântica

Índice

ProduçãoEditar

Guardiões da Galáxia 1 foi um inesperado sucesso, um filme que inicialmente era apenas um despretensioso spin-off de Star Wars viria a se tornar parte do MCU e como recompensa teria também sua sequência, que foi confirmado sobretudo para explorar perguntas e questões deixadas em aberto pelo primeiro filme, como a verdadeira identidade do pai de Senhor das Estrelas, o mistério sobre o bebê Groot ser na verdade filho de Groot contrariando todo conhecimento de botânica, como um guaxinim não sabe que é um guaxinim e o principal mistério de todos, e mais polêmico, como os mamilos de uma garota verde seriam. O filme começou a ser filmado em 2016, e com a exceção do mistério polêmico sobre como seriam os mamilos de uma mulher verde (verde mais escuro ou verde mais clarinho), que aparentemente foi uma brincadeira da equipe técnica, todas as outras questões foram respondidas.

RecepçãoEditar

O filme foi bem recebido pela crítica e considerado sobretudo como "melhor que muita porcaria por aí". O humor bobo e o enredo nada a ver agradaram o séquito de fãs desse tipo de filme insosso da Marvel Studios. Embora seja um filme sem graça e sem o menor propósito, atingiu o seu relativo sucesso nas bilheterias porque é só criança retardada que vai ao cinema mesmo que se contenta com qualquer tipo de história básica desde que tenha muitas explosões genéricas e coloridas, algo que esse filme tem muito.

Em relação ao primeiro filme trouxe as mesmas piadas, as mesmas situações, os mesmos draminhas. Guardiões da Galáxia Vol. 2 sofreu com o fato de ser uma sequência, por isso todos os sites especializados ficaram com vergonha de elogiar o filme, mas também eram todos nerds demais para criticar algo que no fundo os agradou. Mas claramente, se o filme fosse sobre algum grupo diferente, formado por um homem com rosto de cristal, um computador com a voz da Miley Cirrus, uma gótica, um viciado em anabolizante e o Juiz Dredd idoso liderando esse grupo, certamente o filme faria mais sucesso do que ter sido feito como foi, utilizando personagens já conhecidos fazendo as mesmas coisas do filme anterior.

EnredoEditar

Conhecendo os SoberanosEditar

Após a conclusão de Guardiões 1, Peter Quill e seus amigos aberrações decidem abrir um circo itinerante para que assim pudessem ser aceitos. Embora não possua a menor vocação para liderar, Quill se auto-intitula líder desse novo grupo circense, denominado de Carreta Furacão, mas por questões de divergências criativas, Fofão e Homem-Aranha deixam o grupo, incentivados pelo Capitão América (como retratado na Guerra Civil) e criam o seu próprio time de dança de rua, que inclui a técnica de subir o muro. Peter Quill e seus amigos, todavia, continuam suas vidas e decidem realizar a sua primeira apresentação no Planeta Xuxa, um local habitado exclusivamente por clones da Barbie e do Ken (não o do Street Fighter, mas o Ken humano). Nesta apresentação os Guardiões exibem shows de pirotecnia, dança, música, piruetas, malabares, trapézio e inspirado no Cirque du Soleil, com um enredo por trás da apresentação, que no caso é o assassinato do Monstro Espaguete Voador, um ser que conforme os fieis é extra-dimensional e aparece só a cada 666 anos após a profetização de um mico-azul falante. O monstro é derrotado com sucesso, tudo graças à principal habilidade dessa equipe, que é dar cagada em tudo o que fazem (porque se fossem depender de estratégia, inteligência e habilidade de combate, daria tudo errado). A líder das Barbies, a Dona Xuxa, ou simplesmente Ayeasha, se empolga tanto que diz que vai passar a apresentar um programa novo chamado Dancing Brasil e recompensa os Guardiões dando para eles uma mulher de uma cor bem diferentinha, a Nebulosa de cor azul-turquesa, a irmã adotiva de Gamora.

Pai biológico vs. pai adotivoEditar

Enquanto estão indo embora Rocket admite que é um cleptomaníaco e que roubou uma bateria da Xuxa, que furiosa ordena que seu exército de go-go-boys comecem acessem suas contas no Twitter e xinguem muito os Guardiões da Galáxia. Mesmo possuindo um planeta inteiro formado por haters, a Xuxa não tem sucesso em desmoralizar os Guardiões da Galáxia, que conseguem fugir com a ajuda misteriosa de algum poder intergalático, mas acabam caindo com sua nave nas proximidades do Acre. Mas antes que o grupo pudesse decidir o que fazer, porque ainda estavam em DR, o pai de Peter Quill, Ego, aparece do anda e se apresenta voluntariamente, poupando muito enredo a ser escrito. Ego revela-se ser um planeta inteiro desafiando todas as lógicas da astronomia, física e biologia juntas, mas que isso pouco importa porque ele pode assumir a cara do Kurt Russell e isso já é o bastante para todos acreditarem que ele é mesmo algum tipo de divindade. E assim Ego leva Quill, Gamora e Drax até seu planeta que na verdade é ele mesmo.

 
Até decepando dedos Groot continua sendo apenas um personagem fofo.

Rocket, Groot e Nebula ficam porque querem conhecer mais como é o Acre e seus habitantes, mas logo são capturados por Yondu e seus subordinados que são todos um monte de arruaceiros, pichadores, vândalos de Wikipédia e comentaristas profissionais de Youtube (haters em geral), um grande grupo de malandros de toda espécie que ficam extremamente ressentidos quando seu chefe proíbe que façam refogado de guaxinim, pois muitos ali estavam curiosos como era a textura de carne de guaxinim. Por isso ocorre um motim na nave de Yondu e o grande Taserface assume o comando da tripulação, cujo nome teoricamente deveria inspirar medo no coração das pessoas, e que não solta nenhum taser pela face, pois esse nome é meramente metafórico, mas ele tem cara de malvado sim, embora não ponha taaanto medo assim. O que Taserface não esperava é que Groot, mesmo sendo burro como uma planta, conseguiria trazer o moicano de Yondu, adereço cabelístico que traz confiança ao anti-herói que com o comando de assobios guia um lápis telecinético da Faber Castell para assassinar todos seus ex-tripulantes, exceto Kraglin, que não possui nome tão idiota assim.

 
A inimizade entre Nebulosa e Gamora tem um desfecho inesperado.

Enquanto isso, Nebulosa escapou a vai fazer a única coisa que sabe fazer na vida, começar um catfight com sua irmã porque aparentemente é só isso que ela sabe da vida. Aparentemente também é masoquista, porque como sempre termina derrotada.

Enquanto isso, Ego revela sua verdadeira natureza, que ele na verdade é um moleque-piranha e saiu pela galáxia comendo um monte de mulheres de todas as espécies imagináveis, que pra ele não tinha tempo ruim se houvesse uma buceta e que ele entende o filho ter se apaixonado por uma habitante de Pandora e que aceita os fetiches estranhos de seu filho. Mas ele também revela que a mãe de Quill, Meredith, foi apenas mais uma peguete e nada de mais, e que induziu câncer na moça porque ele descarta mulheres como um bom macho escroto. E que esse tempo Yondu, que deveria apenas sequestrar Quill e lavá-lo à Ego, não resistiu aos seus instintos maternos e raptou Quill, o que explica porque Yondu foi excomungado pelo Juiz Dredd da Liga dos Malfeitores das Galáxias, porque pedofilia era algo que até os bandidos desprezavam.

Combate genérico finalEditar

 
No final Ego se demonstra na verdade ser um gigantesco CGI do tamanho de um planeta. O que o constitui como mais um vilão genérico da Marvel.

Mantis, apesar de ser horrorosa e completamente repugnante, tem um bom coração e acaba se afeiçoando por Drax que se demonstra um cavalheiro ao sempre tratá-la com responsabilidade. mantis é uma pet de Ego e serve para Ego o que Conrad Murray serviu ao Michael Jackson, ajuda a dormir. Ela, todavia, revela os planos de seu mestre que é o de dominar o mundo, basicamente como qualquer vilão genérico de filme de super-herói, afinal quem nunca quis dominar a galáxia?

Para não perder o costume, a Marvel também fez o combate final de grandes proporções, com Ego ativando um cocô que consumiria todos os planetas da galáxia e criando todo um senso de urgência que ele precisa ser derrotado logo antes que o universo inteiro se transforme naquele cocô. É tudo bem simples, enquanto Quill usa seus poderes de Super Sayajin adquiridos porque sim, os seus amigos tentam destruir o núcleo do planeta ignorando todas as variáveis físicas de pressão, temperatura resultante de quilômetros de rochas orgânicas amontoadas sobre sua cabeça e diversas coisas facilmente desprezíveis por uma mágica chamada suspensão de descrença. Graças a um bom trabalho em equipe e um sacrifício absolutamente desnecessário de um personagem descartável (já idoso). Pela segunda vez consecutiva a galáxia é salva na cagada por essas aberrações.

Cena pós-créditosEditar

 
Nos é revelado que Ayesha está criando uma bixona suprema. Denominado Adam.
 
Juiz Dredd se reúne com algumas aberrações para criar ele próprio um circo itinerante.

PersonagensEditar

 
Drax e Mantis rindo sem parar das piadas ruins do filme. A ingenuidade de ambos os fazem rir de qualquer porcaria.
  • Star Lord / Peter Quill (Chris Pratt) - Cada vez mais demende, comprovando que marombados são todos pela-saco porque quando ele era gordinho ele sempre foi gente fina, mas agora que ficou bombado virou um cuzão. É um adestrador de velociraptors que possui um estranho fetiche envolvendo mulheres de pele verde. A história gira em seu torno porque ele descobre que possui poderes ilimitados de Super Sayajin nível Deus e isso seria um problema gigantesco porque a galáxia não está preparada para um retardado mental com poderes tão avançados, então antes que o Tribunal Vivo faça alguma coisa, seu próprio pai, um planeta, decide incorporá-lo. Mas Quill luta, mata o próprio pai e convenientemente perde todos os poderes.
  • Gamora (Zoë Saldaña) - Exilada do Planeta Pandora por não possuir a coloração azul adequada para uma Na'vi, encontrou num humano bobalhão um namorado perfeito para o seu coração de mulher selvagem. Está ali no filme para ser a voz ignorada da razão, porque o que sabe manusear uma espada não sabe em argumentar para convencer seus amigos das burrices que andam fazendo.
  • Drax, o Destruidor (Dave Bautista) - Continua junto ali no bando sem motivo nenhum, só um personagem sem propósito que serve apenas para comprovar como anabolizantes fazem mal para o cérebro e para o tamanho do pênis, porque ele não tem nenhum dos dois por isso se um dia amar alguém, será apenas pela beleza interior da pessoa.
  • Rocket Raccoon (Bradley Cooper) - Guaxinim falante que é o capitão e líder dos Guardiões da Galáxia, tem a sua autoridade contestada o tempo inteiro por um humano completamente inepto, o Peter Quill.
  • Baby Groot (Eu sou Groot) - Filhote do Groot original que morreu no filme anterior, embora todos os biólogos clamem que, se ele nasceu a partir de uma muda de seu progenitor, na verdade é apenas um clone doGroot original com todas as suas antigas memórias, no filme é o filho do Groot que foi gerado a partir da reprodução sexuada de consigo mesmo do Groot (não queira entender a reprodução das plantas, é uma grande putaria). Está no filme apenas para ser fofinho e adorável, não possuindo a menor importância.
  • Nebulosa (Karen Gillan) - Mulher de pele azul. Nesse filme nos é revelado que ela sofria o tempo todo de Transtorno Disfórico Pré-Menstrual, o que explica suas altas variações de humor que vão de louca agressiva assassina à fofa tímida carente. Devido aos seus hormônios não estarem agindo muito bem em seu corpo, Nebula pode em determinado minuto estar disposta a assassinar a própria irmã num rompante de fúria e mágoa, e depois no minuto seguinte estar chorando completamente carente de afeto, ou seja, uma verdadeira lunática muito perigosa e por isso os Guardiões da Galáxia a querem capturar. No final faz as pazes com a irmã ao perceber que o culpado de tudo sempre foi seu tirânico pai que a desmembrou sadisticamente.
  • Yondu Udonta (Michael Rooker) - Homem de pele azul. É odiado por todos os bandidos do universo porque lhe foi imputado a acusação de ser um sequestrador de crianças. E até no universo pedófilos são desprezados por tudo e todos. Fica esclarecido que ele nunca foi pedófilo, e sequestrou Peter Quill quando criança apenas para livrá-lo do pai biológico, que aquele sim é um psicopata sociopata perigoso. Possui como poder especial a capacidade de controlar um lápis da Faber Castell apenas com assobios, tornando-o um dos personagens mais apelões já vistos, por isso o roteiro faz questão de eliminá-lo num sacrifício absolutamente desnecessário, para que não haja um aliado tão forte aos Guardiões.
  • Mantis (Pom Klementieff) - Uma poderosa empata, ou seja, um ser que é tão entediante que é capaz de fazer qualquer um dormir, é uma alien que possui um par de antenas grotescas que a torna definitivamente repugnante, mas que mesmo assim é adotada como pet por Ego, que gosta dela por sua beleza interior, já que lhe falta beleza exterior. No final acaba traindo o antigo mestre ao perceber que morreria se ele concretizasse seu sonho maluco de assimilar todo universo, então se alia aos Guardiões da Galáxia.
  • Ayesha (Elizabeth Debicki) - Dona do Planeta Xuxa, onde vivem os Soberanos, é a líder de uma raça de nazistas metidos a besta que possuem a mania de tentar resolver tudo jogando videogame. Assim como todos outros integrantes de sua raça, é uma branquela loira que por ausência de um Sol, que está no sistema solar, precisa usar câmaras de bronzeamento artificial para dar mais cor à sua pele. Apesar de seu achar o máximo, no filme só coleciona fracassos e por isso é rebaixada a ter que trabalhar na Record.
  • Ego, o planeta vivo (Kurt Russell) - Um planeta vivo, literalmente, e que graças à curiosidade de Drax sabemos que possui um pênis também. Ele assumiu a aparência de Kurt Russell porque gosta da aparência de um bigode imponente. Como possui pênis ele consegue copular com qualquer espécie humanoide, o que inclui a mãe de Peter Quill, sendo ele o misterioso pai de Quill. Embora no começo pareça um cara legal e tenha demonstrado chances de ter se tornado uma entidade que desperta simpatia, no final das contas se revela como apenas mais um vilão genérico do tipo que quer conquistar o universo e só. E por isso precisa ser derrotado.