Abrir menu principal

Desciclopédia β

Hólmio
Hólmio.jpg
Um pedaço de hólmio que ninguém teve a menor paciência ou vontade em transformar em algum lingote bonito
Símbolo, número Ho, 67
Série Ninguém se importa (terra rara)
Principal isótopo 165Ho
Propriedades atômicas
Massa atômica 164,93032(2) cus
Dureza Ninguém se importa
Nível de radioatividade Baixa
Nível de toxicidade Nula
Propriedades físicas
Comestível? Não testado ainda
Inalável? Não testado ainda
Posso passar na pele? Não testado ainda
Onde encontrar Monazita
ponto de fudição dado irrelevante de se saber
ponto de rebuliço dado irrelevante de se saber²
Coisas de quadrinhos
Probabilidade de te transformar num super-herói Média (te transformam no Homem-Ímã)



Hólmio é só mais um elemento escondido no meio dos lantanídios, nem tão no começo como o lantânio e nem tão no final como o lutécio, ou seja, sempre completamente esquecido, e nem para ser o elemento de número 69 para render algum trocadilho, o seu número é o 67, outro número sem importância e sem possibilidades de gerar bons trocadilhos. Seus únicos amigos são o einstênio, o disprósio e o érbio, com que se reúne frequentemente em minérios obscuros.

CaracterísticasEditar

Trata-se de um metal quebradiço, maleável, nada dúctil e corrosivo, ou seja, um metal extremamente imprestável. Se você fizesse uma casa com hólmio ao invés de ferro, a casa ruiria em menos de 50 segundos. Se o hólmio tem uma característica mais útil, é o seu suposto altíssimo magnetismo, embora esse estado só possa ser alcançado em baixíssima temperaturas, o que mantém a alta inutilidade do hólmio.

A sua principal característica afetiva é o seu grande amor pelo oxigênio, o seu principal crush, se um hólmio ver um oxigênio, ele não pensa duas vezes e já se oxida na hora. É um elemento extremamente carente que odeia ficar solitário.

HistóriaEditar

O elemento foi inventado em 1878 na Suíça, época em que todos os elementos mais importantes já haviam sido descobertos e os químicos estavam inventando só os mais imprestáveis. Por assistir muito As Meninas Superpoderosas, o primeiro nome dado ao elemento teórico do número 67 era Elemento X, mas obviamente tal nomenclatura não foi aceita pela UIPAC, afinal não fazia nenhuma menina ganhar mega poderes.

Foi no ano seguinte, em 1879, que o hólmio viria a ser parcialmente isolado por um químico muito desocupado, o sueco Per Teodor Cleve, afinal se não há nada de bom para se fazer na Suécia de hoje em dia, imagine então no século XIX o tédio que deveria ser. Cleve, demonstrando realmente não ter nada de melhor para fazer da vida, pegou um pedaço de barro e misturou com pó de pirilimpimpim, e dessa solução resultou-se um barro marrom cor de diarreia e um barro verde radioativo. Deu o nome ao barro marrom de "hólmio" em homenagem ao seu personagem favorito da literatura, o Xeroque Holmes.

Só em 1911, mais de 30 anos depois, é que o químico Homberg isolou o hólmio, e por nenhum motivo, apenas porque achou que deveria fazer isso, afinal diziam que haviam um elemento parecido com o nome dele, e ele ficou curioso para ver como era um hólmio, e chegou à conclusão que era tão inútil como qualquer outro lantanídio, e desde então nunca surgiu um químico desocupado para isolar hólmio novamente.

AplicaçõesEditar

Como todo bom lantanídio, não possui qualquer utilidade, nem para comer e nem para fazer qualquer aço. Seja lá em que te falaram que estão usando o hólmio, na verdade sempre será só conversa fiada, pois a verdade é que nenhum químico tem paciência pra ficar diferenciando hólmio, disprósio, neodímio, etc, então sempre mencionam algum deles aleatoriamente (as vezes o hólmio) quando dizem que estão usando algum metal raro para gerar campos magnéticos em reatores nucleares.