Abrir menu principal

Desciclopédia β

História dos Estados Unidos do Sul

Este artigo é relacionado à história.

Não se surpreenda quando ler que a Rússia ganhou a guerra. 3 vezes.

Caravela-1.jpg



Os Estados Unidos do Sul são, atualmente, o país mais jovem do mundo, fundado em 7 de Julho de 2007 de acordo com a Declaração de Independência promulgada pelo então presidente do Brasil, Luís Inácio Mula da Silva, mas nem sempre foi assim.

Índice

Período Colonial ou Antiga EraEditar

 
Uma típica sulista, com a esperança de um novo amanhã.

Durante 507 anos, 7 meses, 7 dias, 7 horas, 7 minutos e 7 segundos, os Estados Unidos do Sul estiveram sobre o domínio autoritário Brasileiro, sendo considerados como a "Região Sul do Brasil". Leis absurdas impostas pelo governo estabelecido indevidamente em Brasília, atrapalhavam o cotidiano dos estados do Sul. A nação recebia as mesmas leis que eram dadas ao Acre, exceto pelo fato de que no Sul os impostos eram maiores.

Os "Estados do Sul", como eram chamados naquela época, eram os maiores produtores de carne (Rio Grande do Sul Südregion), de bananas (Santa Catarina Mittëlregion) e de "vinas" (Paraná Nördregion). Seus maiores rivais na exportação desses produtos eram a A-gente-tinha, o Urugay e a República dos Piratas. O Governo Brasileiro cobrava mais impostos dos Estados do Sul do que desses concorrentes, E como se não bastasse, os Estados do Sul eram obrigados a bancar o programa bilionário de ajuda aos nordestinos pobres, o famoso Bolsa Família. O povo organizou uma rebelião, a I Guerra dos Farrapos.

I Guerra dos FarraposEditar

 
Bento Gonçalves se preparando para a batalha.

A I Guerra dos Farrapos foi uma das muitas tentativas de separar os Estados Unidos do Sul de seu carrasco: o Brasil. Cansado de ouvir piadas de gaúcho, Bento Gonçalves, junto com milhões de rebeldes, proclamou a República Sulista do Sul e dlecarou guerra ao Brasil. Em pouco tempo, todo o antigo Rio Grande do Sul e metade da antiga Santa Catarina foram dominados. Com a ajuda de Garibaldi, um certo revolucionário italiano, a revolução continuou se expandindo. Mas então eles foram traídos e foram derrotados pelo exército imperialista. Um acordo foi assinado concordando que os Estados do Sul nunca mais tentariam uma revolução.
Muitos anos se passaram até que outra revolução começasse. então, em 2005, o povo Sulista deu inicio a uma nova revolução: a II Guerra dos Farrapos.

II Guerra dos FarraposEditar

A II Guerra dos Farrapos foi o conflito que, em 2005, queria levar os Estados Unidos do Sul a independência. Para acalmar as coisas, o presidente Lula fez a proposta de emancipar os três estados que compunham o sul brasileiro. A decisão do governo Lula de atender ao desejo sulista, durante as eleições, de poderem viver com liberdade e se livrarem de pagar o Bolsa Família para os nordestinos, foi vista como precipitada pelo governador Geraldo Alckmin, que dizia que essa separação seria prejudicial ao resto do Brasil, pois os recursos financeiros oriundos de roubo de mais-valia de bailes, em grande maioria, provinham dessa região. Após as eleições... Nada!

IndependênciaEditar

 
Lula momentos antes de assinar a declaração de independência.

Dois anos depois, em 2007, os agentes da ACIS (Agência Central de Inteligência Sulista) convidaram Lula para a Oktoberfest, que fora antecipada em três meses (para o dia 7 de Julho), o atraindo para uma armadilha. Havia chegado o dia previsto, e as iscas eram os barris de cerveja do estoque da festa. Lula foi diretamente conferir o depósito e checar se estavam com o selo Zeca Pagodinho de Qualidade (ZPQ) para depois aproveitar a hora alegre Zeca-hora.

  Companheirof, iff iffo tá muito bom! Traif máf uma...  
Lula sobre o playback do acontecimento.

Os governantes do Sul foram muito espertos, embebedaram Lula. Mas o golpe final estava por vir... A pequena catarinense, sim, aquela, a Menina do Bambu foi convocada à serviço da ACIS. O objetivo de sua missão era se dirigir a Lula e perguntar: Sabe qual a diferença entre o Poste, a Mulher e o Bambu? Os agentes e governantes se entre-olharam...

  A Mulhé dá luf incima, o Pofte da luf embaixo... E o bambu enfia no teu C*! Hehehe...  
Lula sobre o playback do acontecimento.

Os dirigentes sulistas comemoraram, era exatamente o que esperavam. Lula havia humilhado a pequena e inocente menina, e estava tudo gravado. Vocês não esperavam que o Lula caísse nessa né? Bom, o importante é que ele assinou a declaração de independência incondicionalmente, dando liberdade e autonomia aos Estados Unidos do Sul.

ConstituiçãoEditar

 
Vossa Majestade, a Rainha dos Estados Unidos do Sul: Gisele Bündchen.

Na tarde daquele mesmo dia, os dirigentes e governantes convocaram uma Assembléia Nacional Constituinte para decidir os rumos do novo país. Muitas decisões importantes foram tomadas naquele dia. Na reunião (reconhecida pela ONU) também foram decididos o status e os limites dos territórios, domínios e ilhas dos Estados Unidos do Sul, sendo divididos em STC, STO e STE. Dentre outras leis, a pena de morte foi implatada, o aborto abolido e em uma seção especial, foi aprovado o casamento gay para a STC-4 de Pelotville, rebelde-unionista.

Milhares de leis de apoio à população foram implantadas, o que levou a um rápido desenvolvimento social e econômico geral. As cidades (STC-4) dos Estados Unidos do Sul foram eleitas cidades-modelo para o mundo pela Organização das Nações Unidas, devido às suas leis eficientes e população consciente.

A constituição também restringe a entrada de imigrantes, e prevê a construção de uma muralha para separar os Estados Unidos do Sul das nações de terceiro mundo localizadas ao seu redor. As leis contra a violência são severas, incluindo a pena de morte.

Também durante a Assembléia Constituínte, o sistema de governo adotado foi a Monarquia Parlamentarista, sendo Gisele Bündchen, Vossa Majestade, a Rainha dos Estados Unidos do Sul. O honorável Jorge Bornhausen, Membro do Parlamento, foi eleito o primeiro-ministro da nação. Ronaldinho foi escolhido Führer. Vera Fisher foi nomeada como Chanceler e Alborghetti como Porta-Voz do Império Sul-Estado-Unidense.

As sedes administrativas da união foram divididas em três capitais: Tchêville (executiva), Curitiba (judicial) e MenorqueJoinville Beachville (legislativa), descentralizando (pelo menos de forma relativa) o poder. A Vossa Majestade, Rainha dos Estados Unidos do Sul possui três palácios em cada uma das capitais, além do palácio de inverno em Snowville e o palácio de verão em Balneário Cambville.Também há também a importante cidade de Pato Branco ou Pato Brancosville que se destaca nos EUS.

Nova EraEditar

 
Tchêville vista do Rio Tâmisa.

A Nova Era veio acompanhada de prosperidade, desenvolvimento, crescimento e felicidade. No primeiro mês de vida sem o encosto brasileiro, os Estados Unidos do Sul cresceram 327% frente aos 2,3% crescidos pelo Brasil. Os índices sociais nacionais medidos pelo ANUS (Agência Nacional Unilateral Social), saltaram surpreendentemente. Os Estados Unidos do Sul, possuem hoje, os melhores índices sócio-econômicos do mundo, devido às políticas públicas eficazes.

Segundo a revista Caras, os Estados Unidos do Sul tem o povo mais feliz do mundo (felicidade posta em dúvida quando se refere ao pólo exportador de Pelotville) (cidade rebelde-unionista), graças à qualidade de vida ímpar em toda a Terra. Os Estados Unidos do Sul foram o primeiro país do planeta a atingir um Índice de Desenvolvimento Humano medido pela ONU em 1.000 (vale lembrar que a escala é de 0 a 1), sendo um país superdesenvolvido.

Cidades como Blumeville, onde foi declarada a independência sulista, receberam prêmios internacionais como o Oscar, devido as suas excelentes políticas públicas, sendo cidades-modelo para o mundo.

Inicio da Expansão SulistaEditar

 
Mulheres Sulistas comemorando a expansão. Veja a cara de safada!

No dia 15 de dezembro de 2007, o Primeiro-ministro Jorge Bornhausen chocou os países vizinhos ao declarar que o destino divino dos EUS deve ser o de controlar a bacia do rio da Prata, em seu relatório intitulado Ö Deustchin ul Meinifestö.

Uma semana depois, em 22 de dezembro, um ataque surpresa a ex-província brasileira Cisplatina pegou os governos da Argentina, Brasil e Paraguai desprevenidos, que fizeram uma reunião de emergência enquanto o Primeiro-ministro sulista oficializou a Doutrina Bornhausen como política oficial dos próximos meses, enquanto tropas sulistas iniciavam o bombardeio à cidade cisplatina de Rivera.

No ano seguinte, a Cisplatina foi dominada, mas o número de rebelde-unionistas aumentou muito, o que ocasionou a Guerra Civil Sulista.

Guerra CivilEditar

A Guerra Civil Sulista foi uma guerra interna dos EUS, no ano de 2008. Essa guerra foi travada entre os Sulistas-Separatistas e os Rebeldes-Unionistas. A rebelião começou em Pelotville, onde os dois exércitos combateram durante 7 8 meses e 7 8 dias, até que o Exército Rebelde foi finalmente esmagado.