Abrir menu principal

Desciclopédia β

Hydlide

Virtualgame.jpg Hydlide é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, Ryu solta um Hadouken.


Zelda Japonês
Hydlide Capa.jpg

O anjo da morte veio levar mais uma pobre vítima desse jogo maldito.

Informações
Desenvolvedor Tortura & Endemoniamento Soft
Publicador Tortura & Endemoniamento Soft
Ano 1984
Gênero RPG/Aventura
Plataformas PC Seis Mil e Um, PC Oito Mil, Oitocentos e Um,
Ême Ésse Xis, MSX2, FM-7,
Outro PC ai de número longo, Sharp X1 e quando ninguém mais imaginava, Famicom/NES
Avaliação Esquecemos de perguntar
Idade para jogar -5 anos

Cquote1.png Sua intenção era pesquisar: The Legend of Zelda antes da fama Cquote2.png
Google dando uma de adivinho com a pesquisa de Hydlide
Cquote1.png Deve ser tão foda quanto Zelda... caralho, que diabo é isso? Cquote2.png
Você sobre esse jogo
Cquote1.png Eu fui inspirado nesse lixo? Cquote2.png
Link sobre Hydlide

Hyrule Hydlide é um jogo completamente primitivo e cuzão feito em 1984 no Japão e que deveria ter ficado apenas em malditos PCs minúsculos que ninguém daria a menor atenção, nem imaginaríamos que essa porra tinha sido feita.

Teria sido uma maravilha se isso tivesse mesmo ocorrido. Mas a vida, como já sabe a anos o Joseph Climber, é uma caixinha de surpresas...

Dai um tal de Zelda, ops, Link, fez um sucesso absurdo a partir de 1986, logo que apareceu pela primeira vez, e ai a Nintendo, na ânsia de ganhar gaita fácil enfiando um monte de jogos similares no mercado e já em 1986 no Japão e mais tardiamente, em 1989 no resto do planeta, esse bando de olhos puxados do caralho espalharam essa losna fedorenta por todo o cosmos, trazendo um dos jogos mais cagados do universo, que ganhou nada mais que o injusto apelido de plágio de Lenda de Zelda, mas na verdade, além de ter vindo antes (tecnicamente portanto nada de plágio ai), dizer que esse jogo foi sugado de qualquer forma de um jogo fuderosamente supremo como o do Zelda, ops, Link, é o cúmulo da ofensa, nem os artigos mais mal escritos da Desciclopédia sobre cidades ou artistas de bosta cheios de xingamentos conseguiriam ser tão maldosos quanto dizer que Hydlide é uma cópia do joguinho do cartucho dourado. AINDA MAIS BLASFEMOSO É DIZER O CONTRÁRIO, APENAS PENSE ISSO E EU DESEJO QUE GANON DIGA "VOCÊ DEVE MORREEEEEEEER!" Agora, dizer que "Silver Sword" é um plágio de Hydlide é algo bem natural, afinal, pensando bem, é quase o mesmo jogo...

Índice

HistóriaEditar

Escrita por Walt Disney:

"No reino de Fairyland, três joias mágicas foram consagradas no palácio para manter a paz no reino. Um dia, um homem do mal invadiu o palácio e roubou uma das três joias mágicas. Sem a terceira joia, as duas joias restantes perderam o seu brilho mágico. A magia que selou o poder de Boralis, o demônio mais cruel no reino, foi quebrado. Durante o tumulto que se seguiu, as duas últimas joias foram roubadas. ROUBADAS!!! Boralis lançou um especial de porrada sobre a princesa Ann (ãnn?), transformando-a em três fadas (O RLY?), e se escondeu em algum lugar no reino. Em seguida, ele soltou uma horda de monstros em toda a terra e tornou-se o governante do reino.

Finalmente, depois que viu que enfim a porra toda tinha já rolado, o jovem cavaleiro Jim levantou-se da cadeira de onde estava assistindo tudo enfim e tomou medidas para restaurar a paz no reino. Ele corajosamente fez o seu caminho para o deserto de armadura completa para lutar contra os monstros..."

Pegaram a história de Ultima e de Dragon Slayer, fizeram um cocozaço bem amarelinho, juntaram com uns ovos mexidos e com uma farinha de mandioca e fez um virado pra dar pra todo mundo comer e cheirar jogar e achar que tá legalzinho mesmo.

PersonagensEditar

  • Jim (nome genérico pra carvalho): Herói
  • Ann (outro nome putamente genérico): Princesa
  • Boralis (já esse nome foi bem criativo, ainda que feio pra caralho): Vilão

E só. Nada de NPCs. Nada de lojas de itens. Nada de grandes vilões (só um monte de inimigo genérico). E nada mais. Até o Adventure do Atari era mais criativo que esta bosta.

JogabilidadeEditar

 
Já sabe de onde tiraram para fazer Tibia né?

O jogo em si você percebe que é uma bosta já na maldita música inicial: a trilha sonora de Indiana Jones inteira, toda copiadinha. E o pior: em 8 bits nintendocóricos e intermináveis, ela fica num looping infinito daqueles.

O ataque é absurdo: Aperte o botão de ataque (A) e corra pra cima dos inimigos. Isso mesmo. Um ataque berseker. E bota berzeker nisso! Você pode simplesmente ao invés de acertar o inimigo com sua espada invisível, acabar sendo atingido e... morto. Sim, você morre com um só ataque e... volta pro início. Nada de continues. Nada mesmo. Bem, ao menos tem uma opção de salvar o jogo... mas... bem, ela não exatamente salva o jogo, a não ser que você aperte em "Load" durante o próprio jogo. É... estranho né? O que acontece é que ao apertar "salvar", ele gera um código enorme de password, e você só pode ver esse password clicando em password. E que belo password viu, uma sequência diabolicamente aleatória de um monte de letras e números sem sentido algum. No fim das contas, poderiam ter facilitado as coisas e usado o código Konami Ikari Warriors: ABBA (os coreanos são fãs de bandas suecas bizarras? Que descoberta fascinante e inútil, se bem que... que porra isso tem a ver com esse jogo?

O jogo também possui magias e alguns puzzles a serem descobertos, mas... usar essas magias é um sacrifício pior do que fazer o ritual para criar uma Genki Dama decente ou assar uma pizza (é sério, eu acho isso complicado pra caralho). E os enigmas... pfff. Pense comigo: anos 80, você tem um jogo sem NPCs, sem manual de instruções decente e sem nenhum amigo seu do lado com coragem igual a sua de comprar esse maldito jogo (ou que, ao contrário de você, conseguiu comprar a tempo um cartucho de Legend of Zelda antes que esgotasse o estoque das Lojas Americanas), descobrir esses segredos absurdos (como por exemplo, descobrir que uma das fadas está em alguma das árvores, completamente aleatória, no meio de alguma das mais de mil florestas do jogo). É realmente frustrante...

E o pior: Zelda veio 2 anos depois dele, recebendo a possível possibilidade de ser um plágio desse jogo maldito, e a Nintendo não satisfeita ainda consegue republicar esse pedaço de cocô no seu console pegando carona no sucesso da Lenda de Zelda?

Ok, vou vomitar: RAIDLAAAAAAIDIIIIIIIIIIIIII...

Continuações (é, pois é...)Editar

Acredite. Fizeram continuações pra essa josta delirante.

  • Hydlide II: Shine of Darkness (ou "Shit of Darkness"), lançado em 1985 só para um daqueles PCs cheios de números e depois pro MSX e só no Japão. O resto do mundo só conheceu uma versão em inglês no final de 2006 num site chamado WOOMB.net. Esse webdesigner que permitiu isso deve ser um viciado em crack.
  • Hydlide 3: The Space Memories, lançado em 1987 no MSX japonês, também só apareceu no resto do mundo em 2006 pelo mesmo site citado acima (esse site deve ser pior que o nosso, porque é muita piada e muita merda também.).
  • Super Hydlide, apesar do nome, não foi lançado pro Super Nãointendo e sim pro Méga Draivi entre 1989 e 1991 pelo mundo afora. Não se engane pelo "Super": é a mesma merda, só que um pouquinho mais colorida.
  • Virtual Hydlide, uma versão em 3D (ou quase isso) do Sega Saturn de 1995. E eu que tava dizendo que só a Nintendo pra republicar uma merda assim, não, aí vem a Empresa Deficiente Visual e consegue fazer pior, vide Action 52 e alguns outros jogos mais cagados ainda que eles pioraram mais do que já eram cagados antes em plataformas de outras empresas.