Abrir menu principal

Desciclopédia β

Ilhéus

Ilhéus é supostamente a capital de uma província imaginária chamada de "Litoral Sul Baiano", um município reconhecido por suas belezas naturais como praias poluídas e povo receptivo e hospitaleiro que te manda ir pra porra ou tomar no cu se pedir um desconto na água de coco.

Município de Ilhéus
"Capital do cacau"
Bandeira de Ilhéus.png
Bandeira
Aniversário 28 de junho
Fundação 1500
Gentílico ilhéuense
Lema Eu nasci assim, eu cresci assim, vou ser sempre assim
Apelidos tocaia grande
Prefeito(a) Ne-ne-ne-new-ton-ton-ton Li-li-li-ma PSBê
Localização
Localização de Ilhéus
Estado link={{{3}}} Bahia
Mesorregião República da Bahia do Sul
Microrregião Liga Ilhéus-Itabuna
Municípios limítrofes Aurelino Leal, Buerarema, Coaraci, Itabuna, Itacaré, Itajuípe, Itapitanga, Oceano Atlântico, Una, Uruçuca
Distância até a capital Se acha a capital de alguma coisa km
Características geográficas
Área Só uma praia km²
População 182.350 não turistas hab. ontem
Idioma Ga-ga-ga-ga-guês
Densidade altíssima hab./km²
Altitude 0 metros
Clima tenso pqp
Fuso horário UTC (+)3
Indicadores
IDH 0,7 aparentando 0,1 1500
PIB R$ acarajé² 1500
PIB per capita R$ 1 acarajé por habitante 1500

Cquote1.png Eaw! Finalmente a festa começou, já vi o primeiro morto por arma branca Cquote2.png
Itabunense indo ao carnaval de Ilhéus
Cquote1.png Tudo filho da puta, criado ao leite com pera! Cquote2.png
Gil Brother sobre Ilhéus
Cquote1.png A-A-A-A-A-A-Aquilo lá fica uma porcaria quando cho-cho-cho-cho-cho-cho-chove... Cquote2.png
Solange sobre Ilhéus
Cquote1.png Ilhéus não é mara, nem deli... é horri! Cquote2.png
Ladir sobre Ilhéus
Cquote1.png Prefiro não comentar... Cquote2.png
Copélia sobre Ilhéus

É de extrema importância lembrar a todos que a Ilhéus de Jorge Amado só existe nos livros. Queira Deus que um tsunami varra do mapa essa desgraça de cidade.

Índice

HistóriaEditar

Com o descobrimento do Brasil em 1500, a coroa portuguesa da época, ainda achando a descoberta de um novo e vasto território uma grande novidade, sem saber no que estava se metendo, decide enviar vários emissários para o Nordeste do Brasil para criar mega-empreendimentos hoteleiros, como Canoa Quebrada, Porto de Galinhas, Costa do Sauipe e várias outras capitanias hereditárias. Para os menos favorecidos, em 1935 era criada a Capitania de Ilhéus, doada para algum portuga que não vem ao caso ficar decorando o nome, território oficialmente delimitado por toda a região ao sul do Morro de São Paulo, mas sem incluir Guarapari, ou seja, a atual Ilhéus. Como eram portugueses, quando chegaram pela primeira vez na região, não entenderam que se tratavam de várias penínsulas, acharam que eram várias ilhas (os ilhéus) e batizaram o nome de qualquer jeito.

Ilhéus então atravessaria os séculos seguintes se desenvolvendo graças ao fato de ser o ponto de descanso de viajantes que faziam o percurso Itabuna-Chuí. Como o percurso era longo e na época todo mundo andava só de cavalo, os viajantes como bons baianos paravam no meio do caminho para dormir em redes. Mas como a noite é uma criança, alguns viajantes mais boêmios não queriam simplesmente parar e dormir, daí começaram a trazer consigo putas e bebidas, e isso foi atraindo turistas. Com toda essa sodomia beirando o local, muitas pessoas foram atraídas pela vagabundagem total, inclusive Jorge Amado, que em uma das viagens para Itacaré, desistiu e ficou em Ilhéus (município o qual ele chamou pseudonimamente, por questões de privacidade de seus amigos, de Tocaia Grande em um dos seus ilustres livros).

Ilhéus foi aos poucos tornando-se o município polo daquela região antes desabitada no entreposto entre Espírito Santo e Salvador, ganhando sempre mais habitantes toda vez que servia de abrigo para itabunenses sem casa depois de uma enchente (alguns também pedem água quando falta lá).

O século XX foi de grande prosperidade, capitalistas selvagens não perderam tempo e decidiram explorar e comercializar a putaria tão abundante na região, abrindo puteiros pela cidade e tornando o que antes era só um hábito local em algo rentável. Inicialmente o negócio não deu certo, já que na região ninguém trabalhava (nem trabalha) e por isso não tinham dinheiro para pagar as moças que antes agarravam de graça, mas então o turismo sexual foi implementado e Ilhéus passou a ser uma das mais importantes cidade baianas.

GeografiaEditar

Ilhéus é tão ruim que tem mais área que Salvador e isso só significa perda de espaço. Só não é menor porque seus distritos tem preguiça de pedir a emancipação. Cidade litorânea, é dessas que quando chove falta água tratada, vai entender como a prefeitura consegue essa façanha.

EconomiaEditar

A economia de Ilhéus é totalmente centrada na produção, industrialização e comercialização do cacau, havendo também piaçava e dendê porque não é só de sobremesa que eles poderiam viver. As plantações e as indústrias de cacau são controladas por multinacionais, então mal o cacau foi colhido de seu pé e no dia seguinte já está exportado para a China. O habitante médio e normal de Ilhéus, então, ganha a vida puxando o saco de turistas, vendendo coco na praia ou só vagabundeando mesmo. Recentemente o comércio de calcinhas de tigresa da filha do prefeito também tem sido um negócio bem rentável.

Em Ilhéus o trabalho infantil é permitido por lei. As crianças não usam chupetas convencionais mas sim são contratadas para chupar caroço de cacau, que são depois postos pra secar por José Inocêncio na sua imensa fazenda e vendidas torradas pra multinacional Cacau Show.

PopulaçãoEditar

 
Toda a beleza e simpatia de uma típica mulher ilheense.

Com uma população de 180.000 nativos, Ilhéus é uma das maiores cidades da Bahia. Fora das praias é um verdadeiro Deus nos acuda, a cidade é visivelmente lar de uma das populações mais desprovidas de beleza que já se viu, é tanta gente feia que me fez até perder o medo de assistir filme de terror. Todas as mulheres bonitas que encontramos nas praias são de Itabuna. Ilhéus é tão ruim que se fosse uma musica seria: vo não, posso não, minha mulher não deixa não.

EducaçãoEditar

Ilhéus, cidade com escolas cheia de mauricinhos que andam com roupa de marca e se acham os fodões e patricinhas frescas que só leem revista Capricho e gostam do Justin Bieber. A grande maioria dos alunos de Ilhéus, segundo o Ideb, é burra e só quer saber de fumar, jogar vôlei e pular no mar depois que acaba o terceirão, afinal dá para matar aula fácil, é só ir na torre ou na rocinha que ninguém te acha lá. Todo mundo se acha nessa espelunca, serão os grandiosos merdas no futuro. Se for estudar lá, tome vacina para meningite.

As melhores escolas onde vivem os nerds e otakus estão nos piores bairros, então o aluno deve optar pelo risco de ser assaltado ou assassinado na hora de optar seu colégio, escolas que são grandes antros de mini-piriguetes, as meninas de lá só pensam em sexo, as meninas de 15 acham que tem 25 e só usam mini saia sem calcinha, se você não quer pagar um puteiro estude em Ilhéus, e fica na frente da praia, então assim que acaba as aulas você pode pegar umas ondas.

Nessa cidade é comum que as escolas só tenham repetentes, é muito comum encontrar em Ilhéus netos e avôs estudando juntos, tem até uma área para os velhos jogarem dominó e xadrez nessas escolas. Nem a Escola Militar salva, só serve para fazer desfile de 7 de setembro, onde a putaria rola solta e não existem alunas virgens, um grande centro de jogadores virgens de LoL sendo que dos quais 99,9% viram soldado raso e os 0,1% resolve virar político ou adevogado.

TransportesEditar

 
Uma rua símbolo da boa educação ilheense.

Ilhéus possui a sua própria versão do Caminhos de Santiago, o Caminho de Itacaré até Olivença, ou a famigerada BA-001, uma rota utilizada apenas por pessoas precisando pagar alguma penitência braba, visto que as taxas de mortandade nessas estradas esburacadas e mal sinalizadas é de 95%. Para aqueles ainda mais radicais e sem noção do perigo, viciados em adrenalina, podem tentar uma viagem até Una.

A cidade destaca-se por ser a única cidade da Bahia fora de Salvador que tem um porto e um aeroporto. Isos gera uma falsa sensação em seus habitantes de que eles são a segunda cidade mais importante da Bahia, e que podem repetir rivalidades existentes nos demais estados nordestinos, como Mossoró contra Natal, Campina Grande contra João Pessoa, Caruaru contra Recife, Juazeiro do Norte contra Fortaleza e tantas outras. A diferença é que ninguém liga para Ilhéus, e que na prática não etsá nem entre as 20 cidades baianas mais importantes, e se tem um porto e um aeroporto é para servir de meios de fuga mais eficientes da região.

O Aeroporto de Ilhéus detém o título de pior do Brasil. A sua pista de pouso, projetada por baianos claro, foi milimetricamente pensada para propiciar imensos desastres aéreos, e por isso grandes aviões se recusam pousar no local. Já o Porto de Ilhéus, todo assoreado, está sempre vazio entregue às gaivotas.

SaúdeEditar

Não fique doente em Ilhéus, porque se for depender de um médicos nativo de lá, eles sempre diagnosticam a mesma coisa: "não sabemos a causa, pode ser fungo, vírus, bactéria, microcefalia da zika ou a ira de deus".

CulturaEditar

O ilheense é um ser complexado, alvo de diversos estudos, facilmente reconhecível devido ao seu comportamento típico e único. Em Ilhéus, por exemplo, existe o toque de recolher, sempre às 22:00. A partir deste horário não existem pessoas nas ruas, salvo algumas exceções, em alguns lugares durante alguns fins de semana e os "bate carteiras" espalhados por toda a cidade.

Ilhéus é também a única cidade com mais de 200.000 habitantes onde restaurante fecha para almoço. Como todo ilheense precisa tirar uma sesta no começo d atarde, uma soneca no meio da tarde e dormir de noite, não tem nada na cidade que funcione 24 horas, não tem shopping center, não tem um cinema de verdade e as pessoas ainda acham que tem diversão.

As pessoas andam mal vestidas, são mal educadas e frequentam os mesmos lugares sempre porque se acomodaram a viver na merda, não se espante em ir para uma "boate" ilheense (uma festa que só por ter um "DJ" eles chamam de "buatchi") e lá só tocar arrocha, pagode, axé ou encontrar pessoas de chinelo e bermuda. Não se espantem ao ver lixo pelo chão, é um costume local, a maioria das pessoas são porcas mesmos, a prefeitura não faz nada e também a maioria da população curte destruir onde passar, as pessoas de Ilhéus destroem tudo onde quer que vá. Não existem pessoas educadas na cidade, não tente pedir informações pois estará correndo risco de ser agredido ou assaltado, mas não se preocupe a população adora turistas, principalmente para cobrar caro e arrancar o máximo de dinheiro possível.

A maioria tem um péssimo gosto musical, isso se você for legal e chamar de "música" o "lixo" que todos na cidade escutam, é como ver carros tocando arrocha, axé, pagodão e ver um bando de homem requebrando e achando aquilo super legal e descolado, especialmente quando algumas dessas pessoas são tiradas a Playboys, Patricinhas ou Surfistas, mas não tente entender, só são retardados perdendo tempo tentando ser algo que eles não são. Não se espante com o hábito horrível de escutar músicas bregas no volume máximo do celular (sem fone, claro).

Além de tudo isso, outros costumes incluem comprar fiado e nunca pagar, e acabar virando viciado de crack. Esperar o que de uma cidade cuja musa, a Gabriela de Jorge Amado é uma puta que fica pagando calcinha para todos?

ModaEditar

Por se ruma cidade turística, o ilheense precisa se dedicar muito para assumir uma vestimenta que não o confunda com um turista. Os habitnates da cidade portanto, vestem boné falsificados de marca (cyclone, maresia, smolder, "grenishy"), casacos de marca falsificados de marca (cyclone, maresia, smolder, "grenishy"), camisas de marca falsificados de marca (cyclone, maresia, smolder, "grenishy"), bermudas tactels de marca falsificados de marca (cyclone, maresia, smolder, "grenishy"), bermudas de veludos de marca falsificados de marca (cyclone, maresia, smolder, "grenishy"), calças de veludos de marca falsificados de marca (cyclone, maresia, smolder, "grenishy") e chinelos (só Kenner).

EsporteEditar

Os ilhados tem no Colo-Colo a sua maior esperança no futebol nacional. Entretanto, a esperança já pediu arrego e está mostrando sinais de baixa vitalidade. Ela anda incrédula com a quantidade de bolas tomadas pelo time ilheense, o time não chega se quer ao "TOP5" do futebol baiano (que por sinal é uma merda), uma vez ganhou um título estadual, mas vamos combinar que isso e nada é a mesma coisa, um campeonato em que os maiores vencedores são Bahia e Vitória não pode ser considerado um "Campeonato Estadual de respeito" é um "campeonatozinho estadual".

A cidade não tem mais nada além de futebol, como você é azarento de estar em Ilhéus, em qualquer praia dessas terá pessoas "batendo o baba" mostrando seus corpos gordos e destruídos, é a visão do inferno.

O esporte mais famoso é o chamado Sobreviver ao Carnaval “Micareta”, um esporte para os mais corajosos. Existem muitas modalidades nesse conjunto completo de alto risco como agressão por arma branca, o ágil batedor de carteira, o terrível latrocínio e para as mulheres correr da violação “estupro”. Tentaram diminuir a violência no carnaval de “Ilheuson” mudando a data do evento mas não deu certo.

Não necessariamente vinculado ao carnaval, outro esporte que vem se popularizando é o assalto a mão armada, ocorrência cada vez maior nas belas praias cheias de baronesas e detritos vindos de Itabuna.

LazerEditar

Esta cidade linda e maravilhosa funciona mesmo apenas em fim-de-semana, tanto que está sendo realizado um estudo pelo National Geographic intitulado "O que os ilheenses fazem em Ilhéus quando não é fim-de-semana?". O povo de Ilhéus se contenta com ir de noite comer um irado hot dog. Os restaurantes ilheenses, em especial as barracas de cachorro-quente instalam-se em local estratégicos de modo que o cliente possa saborear um cachorro-quente enquanto sente o adorável aroma insuportável de fedor de uns esgotos brabos que saem por ali. O tédio é tanto, que ao conhecer alguém novo, o primeiro tópico para conversa sempre é "tem nada pra fazer em Ilhéus".

A maior diversão mesmo é quando a galera se reúne para falar mal de Itabuna. Ilhéus é tão ruim que chegou Heineken ontem mas mesmo assim os bares oferecem Skol por causa do baixo nível da população.

TurismoEditar

 
Praia em Ilhéus, dizem ser uma das mais bonitas da Bahia.

A melhor parte de Ilhpeus na verdade não fica em Ilhéus, mas sim numa cidade vizinha chamada Olivença, que não virou município por preguiça, sabe como é baiano, então são um distrito de Ilhéus. O local é famoso por ser onde rola altas ondas e por ter as praias que melhor agradam maior parte do povo itabunense. Outro ponto turístico interessante também não fica em Ilhéus, que é Itacaré, esse pelo menos tomou vergonha na cara e virou município, onde também rola muitas ondas e gente bonita vinda de Itabuna. As praias de Ilhéus em si, por sua vez, estão impróprias para o banho afinal um rio de esgoto deságua ali.

Outros pontos turísticos marcantes são:

  • Praça da Irene - Um lcoal onde não há nada de interessante a se fazer, a não ser conversar com piriguetes ou impressionar patricinhas dizendo que é do Sudeste. Lá é o local ideal para as pattys mostrarem sua roupa nova de piriguete, quando não estão fazendo isso no Shopping de Itabuna. Todavia, tome cuidado, é um local pobre e repleto de ladrão e pastel de segunda qualidade.
  • Avenida Itabuna - Não é bem um ponto turístico, mas leva para o principal espaço de lazer noturno da cidade.
  • Praias - Point oficial da farofada regional, teoricamente tais praias deveriam estar interditadas para o banho, mas os analfabetos que dominam a cidade não sabem ler as placas e continuam a ir assim mesmo nas águas e como o prefeito manda tirar as placas de água imprópria, os turistas não sabem que estão nadando num esgoto.
  • Pista De Skate - Onde os maconheiros da cidade se encontram, acredita-se que 70% da poluição mundial começa lá.
  • Linha Verde - Grande ponto de tráfego da cidade, liga o aeroporto à Itacaré.

Em suma, Ilhéus é tão ruim que precisa de um "Ilhéus, eu te amo" capinado na grama só para o povo se sentir amado ao passar pela ponte prestes a morrer.