Abrir menu principal

Desciclopédia β

Ilhas Atlânticas Brasileiras: Reservas de Fernando de Noronha e Atol das Rocas

Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


As Reservas das Ilhas Atlânticas Brasileiras de Fernando de Noronha e Atol das Rocas é um patrimônio brasileiro, um país que ao contrário que qualquer potência mundial, não possui ilhas o bastante e valoriza até demais o que lhe sobra.

Parque Nacional Marinho de Fernando de NoronhaEditar

 
Um espécime local. Como se pode notar, as ilhas atlânticas brasileiras não são normais.

Esse parque foi fundado homenageando Roberto Marinho e Sérgio Noronha, dois grandes ilustres da ilha.

O parque oferece várias opções aos turistas, desde que não desmatem, nem joguem lixo na natureza. As maiores atrações são a observação de baleias, a devoração de baleias e chutar cachorros vira-latas.

O parque ainda conta com uma praia aonde tartarugas-marinhas colocam seus ovos, uma verdadeira iguaria nos restaurantes locais.

O ecossistema terrestre porém está 100% destruído. Pois recentemente, após a privatização dos serviços presidiários, Fernando de Noronha foi alugada para servir de presídio de segurança máxima aonde hoje estão Fernandinho Beira-Mar e Lalau. Para evitar que eles construíssem qualquer jangada, todas as matas foram devastadas.

Reserva Biológica Marinha do Atol das RocasEditar

A Reserva de Atol das Rocas é menos badalada que a de Fernando de Noronha por que tem vezes que o atol está submerso, sendo então uma reserva muito difícil de visitar, assim como a sua localização incerta.

É possível encontrar em suas facilidades um hotel 0,5 estrelas, o melhor do atol.

Acredita-se também que a marinha brasileira, aquela repartição das Forças Armadas que ninguém nunca vê, está situada nas áreas de preservação de Atol das Rocas.

Mergulhadores profissionais hoje, submergem nos arredores de Atol das Rocas catalogando todas as inúmeras embarcações que ali jazem. Há desde submarinos nazistas a botes holandeses.