Abrir menu principal

Desciclopédia β

Instituto de Matemática e Estatística da Universidade de São Paulo

Cquote1.png O melhor lugar para fazer amigos imaginários Cquote2.png
Aluno sobre o IME-USP

Cquote1.png IME chupa IME lambe! Cquote2.png
Aluno da EACH em qualquer inter

Cquote1.png Deveria ter ido pra EACH Cquote2.png
Aluno do IME reparando na porcentagem esmagadora de homens em seu campus

Cquote1.png Não, tudo bobo ... Cquote2.png
Resposta de um aluno do IME-USP quando perguntado se tem muita diferença entre um aluno do IME-USP e da POLI

Cquote1.png PAU NO CU DA POLI Cquote2.png
Imeano que nao conseguiu entrar na poli sobre POLI
Cquote1.png Um dia eu me formo Cquote2.png
Aluno do IME-USP

Cquote1.png Por mim, ficaria aqui a vida inteira! Cquote2.png
Aluno do 14º ano do bacharelado em Matemática Aplicada (habilitação Métodos Matemáticos)

Cquote1.png Ainda bem que quem paga para eles estudarem é VOCÊ! Cquote2.png
Reversal Russa sobre estudantes da USP

Cquote1.png Eu fico na vivência pra estudar! Cquote2.png
Aluno do IME sobre dormir e jogar sinuca/pebolim/pokeralho/truco

Cquote1.png Essa prova estava ridiculamente fácil para os meus padrões! Cquote2.png
Professor de Cálculo sobre prova impossível

Cquote1.png Droga, tirei 4,5! Cquote2.png
Isaac Newton após receber a nota da prova "ridiculamente fácil" para os padrões do professor acima

Cquote1.png Professor, e se a gente pegasse e fizesse o pauzinho do mouse virar uma matriz multiplexada em um conjunto infinito de funções recursivas inversas com padrões caóticos de comportamento próximos de um primata caolho? Cquote2.png
Aluno viciado em café na aula de computação

Cquote1.png Alguém entendeu o que ele disse? Cquote2.png
Professor de computação sobre aluno acima

Cquote1.png <silêncio> Cquote2.png
reação da sala sobre pergunta do aluno viciado em café

Cquote1.png Me formei em 2 anos e meio! Cquote2.png
Chuck Norris sobre sua temporada no IME

Cquote1.png Fui o único aluno que passou em Programação linear! Cquote2.png
Chuck Norris, sobre sua prova de recuperação (no final, teve 10 de média)


IME-USP: Instituto de Matemática e Estatística da USP, também conhecido como Internato de Malucos Esquizofrênicos ou, ainda que pleonasticamente, Instituto da Mentira Estatística. Alguns alunos maldosos têm o costume de chamá-lo carinhosamente de Instituto da Mina Escrota, o que é bem aceito pela comunidade feminina imeana.

Caracterizado por suas aulas triviais, alunos bem ocupados e sexualmente maduros, professores exclusivamente brasileiros e altíssimas notas discentes. Venerado por todas as outras faculdades pelos excepcionais cursos grupais de estatística, bem como pelas exímias aulas de cálculo ministradas a diversas unidades da USP.

Típico aluno do IME-USP. É de fazer inveja a qualquer aluno do IFUSP

Índice

HistóriaEditar

O IME surgiu em 1970, fundado por um grupo de professores dissidentes da Escola Politécnica. Tais docentes não se conformavam com tamanhas heresias habitualmente praticadas por seus colegas. "Acredite, uma vez vi um Professor Doutor aplicando semelhança de triângulos para calcular a altura de um prédio", lembra um deles. "Foi aí que me perguntei, onde é que isso irá parar? Há de se notar que existe um colossal abismo epistêmico entre a bela axiomatização daquilo que nós hoje conhecemos por Matemática e o pragmatismo herético praticado por tais seres humanos. Decidimos então por criar uma nova unidade, juntamente com colegas da antiga Faculdade de Filosofia. Bons tempos eram aqueles", relembra emocionado o professor.

AlunosEditar

Os alunos do IME formam um espécime ímpar dentro da fauna uspiana. São desbravadoras criaturas, caracterizadas por suas grandes corcundas, fruto de seu mais primitivo e natural instinto pela sobrevivência nesse tenebroso meio, suas brancuras quase que transparentes, suas inegáveis magrezas esqueléticas e, claro, pelos óculos. Um típico aluno do IME passa em média 100% de seu dia no CEC (Centro de Ensino de Computação, ou então, Caramba, Estragou o Computador) e, em média, 100% do tempo de aula... na vivência, é claro! Quanto às noites, passam inteiras no bloco A jogando League of Legends na rede Linux. Intrigantemente, é justamente nesse inócuo ambiente que eles se sentem em seu hábitat natural e, portanto, livres para se expressar. "É lá que estudamos, almoçamos, nos socializamos com nossos amigos, jogamos Magic truco, praticamos esportes (como, por exemplo, o xadrez com a grande lenda, Pedrosa), recarregamos nossos celulares e dormimos. É nossa casa", comenta uma aluna.

Outros alunos preferem um ambiente mais insalubre, como por exemplo a rede linux ou a biblioteca.

Há determinadas castas dentro do público frequentador do IME, sendo a mais baixa delas a dos "não convidados", aqueles que não pertencem ao IME ou muito menos à USP. Um exemplo destes são as insuportáveis crianças que almoçavam no restaurante deste instituto.


Depois temos a casta dos "convidados". Nela se encontram os fracassados de disciplinas de matemática em sua unidade de origem ou ainda o famoso "pessoal do grupão". Dentro desse "grupão" estão as "menininhas bonitas das unidades legais da USP", evento suficientemente interessante para congestionar o trânsito Imeano nas quartas-feiras (dia da Farmácia ter aula no IME).

A casta dos "bixos" é sempre insuportável e comum a todos os ambientes universitários. Depois, temos a casta dos "típicos alunos", descrita acima. E finalmente temos a poderosa casta dos "Dinossauros", sábios homens que estão em seu centésimo ano de IME (ou de USP) e que não costumam lidar com os assuntos mundanos, dados que são Uber-nerds. Cabe lembrar que, embora demorem muito para se formar, os "Dinossauros" não devem ter seu poder nunca subestimado, normalmente são poderosos Cavaleiros Jedi que continuam no IME como desculpa para arrumarem discípulos a fim de jogar RPG.

Não podemos esquecer das IMEANAS. Grupo de estranhas meninas que ficaram muito felizes por entrarem em um instituto de grande maioria masculina. Mas quando viram a realidade, se desesperaram e hoje procuram homens em outros lugares. Principalmente na Poli. Elas tem comunidade no orkut que a cada dia cresce e ganha fãs.

"Quem foi que disse que no IME não tem mulher? Esta comunidade é dedicada a todas as meninas do IME e seus milhares de fãs é claro!!!!

Como já disseram: " Somos poucas porém SUFICIENTES.""

O grupo mais peculiar e espetacular de Imeanas, são as PORCAS. Iniciado em 2001 com a ajuda do Geba, Zé Corsini e Magrão, Eles intitularam a Mariana Smidt como "Primeira Porca". Depois dela vieram uma legião de meninas loucas para entrar nesse seleto grupo. Hoje são poucas e muito bem representadas.

Lema das porcas: "Muitas querem ser ..... mas poucas tornam-se PORCAS!!!"

No IME também tem muitos otakus (sempre tem aquele que não é japonês, mas adoraria ser...), além de nerds computeiros que se acham o máximo por fazer BCC e passar 25h (isso mesmo) por dia no computador. Mas o pior de todos e muito comum no ime é um tipo de "nerd enrustido", aquele camarada que sempre foi nerd, mas ao chegar no IME pensa que pode mudar e começa a se achar o malandrão, sendo idiota, zoando os mais nerds do que ele, ficando na vivência matando aula, tomando todas, pegando minas,e acaba até sendo meio popular para os idiotas lá dentro... Mas esse tipo não engana ninguém, a não ser a si mesmo. Tá na cara que por trás do babaca metido a besta tem o nerd zoado nos tempos de colégio... É, rapaz, como dizem por aí: "Enfiar penas no seu rabo não faz de você um frango." Lembre-se disso.

ProfessoresEditar

O IME possui uma amostra excêntrica dos melhores professores do Brasil. Um deles usa roupas de gari, vassouras ou capacete de construtor para mostrar aos alunos que um espaço vectorial sobre R, o conjuntos dos números reais, é chamado espaço vetorial real.

Restaurante Crisma (Sandrão)Editar

O restaurante foi fechado pela vigilância sanitária em 2011 por exceder a cota máxima de emissão de metano sem usar drenos. Inicialmente, uma crise econômica do local surgiu pela greve de fome que os ratos e baratas realizaram devido a baixa qualidade dos alimentos fornecidos.

Em 2007 já haviam denúncias a vigilância referentes às condições de higiene sujeira. A Cetesb constatou gás metano na área do restaurante, em índice que superou 35% da composição do ar, porém, a defesa civil e a promotoria mantiveram o local aberto para aumentar o risco de explosão do instituto e assim acabar com a maior fonte de problema social da USP.

A TiaEditar

Com a extinção do Sandrão, começou a era da Dona Iraci. Sua lanchonete (ou seja lá o que aquilo for) vende muito, não pela falta de outras opções no Instituto, mas pelos baixíssimos preços e pelo atendimento de qualidade. Seu marido, que a auxilia nas vendas, está sempre sorridente e disposto a acelerar o atendimento. Não há registro de um dia sequer em que a fila possuiu mais de 5 alunos.

Dentinhos BarEditar

Após 1398054908 anos de especulação sobre o que iria acontecer com o espaço deixado por Sandrão, apareceu uma nova lanchonete. Por causa do capitalismo, Dona Iraci foi expulsa convidada a sair do IME, e seu império acabou. A nova lanchonete possui variadas opções de alimentos, que você pode consumir após dividir o valor em 36 suaves prestações.

MatematecaEditar

Para reduzir o índice de mortalidade universitária causada por entorpecentes e suicídio, a CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Ausências) do IME criou o projeto da Matemateca. Cerca de duas vezes por ano os alunos podem visitar a exposição e ver brinquedos matemáticos que ensinam conteúdos de disciplinas que já vivenciaram reprovaram pelo menos uma vez.

Alunos do Bacharelado em Matemática Pura utilizam suas superfícies topológicas para substituir alguns tipos de drogas alucinógenas, oferecidas gratuitamente na biblioteca.

Veteranos dinossauros bem intencionados levam bixetes para mostrar o quanto sabem de matemática, lendo folder explicando em voz alta para que elas o achem o máximo.

ArquiteturaEditar

Por se encontrar próximo à FAU, o IME-USP também é dotado de uma engenhosa arquitetura. Há 4 blocos, mas nenhum supera o famigerado Bloco B, que possui ecossistema próprio. Tudo isso graças a um teto feito fora de sob medida para o edifício. "Quando faz calor fora, esse poderoso teto faz com que o calor aqui dentro seja ainda maior. Calefação própria. Quando fora esfria, aqui dentro congela. É bastante agradável e aconchegante", conta um aluno, justificando o motivo pelo qual ele reluta em se formar. E continua: "Esse teto também proporciona um lindo espetáculo da natureza: as cascatas. Quando chove muito, a água começa a descer pela escada, formando um belo cenário. Lembra-me das Cataratas do Iguaçu. Não há faculdade como o IME", conclui.