Abrir menu principal

Desciclopédia β

Jack (BioShock)

Montfortpoulpe.jpeg Este artigo é aquático!

E é especialista em natação. Se você vandalizar, ele te joga uma tsunami, então cuidado com os tubarões e não leia sem usar uma máscara de oxigênio.

Dorgas melocoton.png Jack (BioShock) dá um tapa na pantera!

E é aprovado pelo Tio Bob!

Clique aqui se você quiser dar um tapa também.

Tomadinha do poder.jpg Jack (BioShock) tem PODER!
E te levará para qualquer lado da Força


Cquote1.png Toxic, toxic! Unclean! Cquote2.png
Dr. Grossman sobre Jack ficar chapado com ADAM
Cquote1.png Kill the parasite! Cquote2.png
Breadwinner sobre sua estima e consideração por Jack
Cquote1.png He is the poison! Kill him! Cquote2.png
Lady Smith sobre Jack deixar defuntos espalhados pelos jardins de Arcadia

Jack é o personagem principal de BioShock, famoso game de steampunk com temática de Terror e insinuações de pedofilia.

Índice

HistóriaEditar

 
Atlântida, Rapture, terra natal de Jack.

Jack, filho de Elementor com a Mulher Invisível, foi traficado ainda criança. Durante sua infância, passou a maior parte do tempo sendo obrigado a trabalhar em minas de carvão e cristal de cavernas submarinas, muitas vezes sem direito à sobremesa. Lá, levava uma vida desgraçada, até que um grupo de cientistas loucos nativos de Atlântida, resolveu comprá-lo para usá-lo como cobaia de laboratório, uma vez que os ratos tinham morrido todos nas experiências.

 
Suposta verdadeira aparência de Jack.

Como toda cobaia de laboratório, a primeira atitude dos cientistas foi de engordá-lo e alimentá-lo. Jack era obrigado a correr em rodas gigantes dentro de enormes jaulas e era submetido aos mais desumanos puzzles desafios para conseguir comida e água. Foi questão de tempo até Jack ficar maior do que uma orca. Porém, bastou 3 dias para que voltasse ao seu peso normal, já que ele era obrigado a ficar horas e horas correndo na roda que se encontrava dentro de sua gaiola.

Com o tempo, os cientistas doidos passaram a desenvolver uma espécie de chip de controle da mente, com tecnologia roubada dos aliens, o qual introduziram na cabeça de Jack. Não eram raras as ocasiões nas quais os cientistas se apropriavam do método para mandar Jack ir até a lavanderia quando eles estavam com preguiça, ou ir até o McDonald's mais próximo quando estavam com fome.

Em 1958, Jack foi sequestrado e contrabandeado para a superfície, onde ficou por um bom tempo até que certo dia, em um passeio aéreo, seu avião trombou com um outro avião, que era um avião terrorista portando os mais diversos explosivos, resultando numa grande queda, da qual por sorte, Jack conseguiu escapar.

De volta ao marEditar

Depois do acidente de avião, Jack se dirige até um farol que coincidentemente se encontrava ali perto. Coincidentemente, Jack se encontra com uma espécie de metrô em forma de cápsula, que coincidentemente o levaria até a cidade da qual coincidentemente ele tinha sido contrabandeado. O mecanismo conhecido como Bathysphere (não, não tem nada a ver com qualquer batfrescura que você já tenha visto antes), começa a afundar lentamente. Enquanto isso, ouve-se a voz de um cara chato numa espécie de fone que tinha dentro da cápsula, voz essa que Jack teria de aturar até o final da viagem, muito mais chata do que a voz daquelas pessoas irritantes que ficam nas rodoviárias falando de 5 em 5 minutos quando algum ônibus chega.

 
Jack na mira de seus inimigos.

Após a voz chata parar, surge uma outra voz, dessa vez de um anônimo que se auto-intitula Atlas, que iria infelizmente conduzir Jack por toda Atlântida Rapture, assumindo o papel que em universos paralelos, seria ocupado por uma tal de Navi. Quando o metrô-cápsula finalmente para, Jack é atacado por uma velhinha maluca que pensava que era o Homem-Aranha, mas Jack sobrevive. A partir daí, Atlas começa a ditar as regras dar as dicas de para qual lugar Jack seguir.

Atlas então, se aproveita da boa vontade de Jack e pede para que o mesmo salve a sua suposta família que supostamente está perdida por algum lugar de Rapture dentro de um submarino. No caminho até o dito cujo submarino, Jack topa com inúmeras garotinhas chatas que vivem sendo perseguidas por pedófilos. Eis então que uma velha surge. Essa velha era Brigid Tenenbaum, que pede para que Jack exorcise salve as garotinhas (conhecidas como Irmãzinhas Little Sisters) das roupas de mergulho ambulantes pedófilas chamadas de Papaizões Big Daddies em troca de um prêmio. Jack a partir daí começa a destruir qualquer Papaizão Big Daddy que esteja acompanhado de alguma Irmãzinha Little Sister que ele encontra pelo caminho.

 
Atlas, guia de Jack pelo mundo afora durante o jogo todo.

Ao chegar no submarino apontado por Atlas, a voz chata do início torna a aparecer. Dessa vez, a voz, que pertence a Andrew Ryan, age de forma muito mais FDP: além de te incomodar com um falatório chato, ainda envia um grupo de velhinhos drogados para destruírem o submarino. Em seguida, Atlas diz que Andrew Ryan era um grande desgraçado que deveria morrer, fazendo com que Jack vá em busca dele para exterminá-lo.

Após muitos médicos malucos, velhos esquizofrênicos, água, atores desocupados, pianistas de quinta, gelo, mecânicos desempregados, música clássica, trilhas sonoras dos anos 60 e encheção de linguiça, Jack finalmente se depara com o maldito Andrew Ryan. Lá, como de costume, Andrew Ryan (que depois descobre-se ser o pai adotivo de Jack) começa com o falatório chato de sempre. Já irritado com toda aquela ladainha, Jack finalmente se revolta contra o chato e o mata com um taco de golfe.

Eis então que o tal Atlas se revela como sendo Frank Fontaine, o verdadeiro chefão da história toda. Jack fica sabendo que estava sendo hipnotizado pelo mesmo durante o tempo todo, o que o deixa completamente puto por ter sido feito de trouxa. Para se vingar, Jack jura morte ao miserável do Fontaine, mas em seguida acaba caindo de burro em um armadilha e ficando ferido. A velha cura ele e ele novamente vai em busca de Fontaine.

Chegando lá, Jack se depara com Fontaine novamente, agora numa versão super apelona que tinha adquirido um aspecto monstruoso após uma maratona de cheiramento de erva e de gatinhos. Após queimar, congelar, eletrocutar, e arremessar abelhas contra o mesmo, Jack finalmente derrota Fontaine com a ajuda das Lolicons Little Sisters. Jack então resolve abrir um orfanato e recolher todas as Little Sisters de rua que ele encontrar e salvá-las das garras dos pedófilos Big Daddies.

HabilidadesEditar

Todas as técnicas de Jack são provenientes do consumo excessivo de uma droga chamada de ADAM. Após ficar horas e horas consumindo essa droga, Jack passa a controlar diversas habilidades, que variam desde ser o mestre dos hackers até ser o líder de uma comunidade de abelhas. Algumas das técnicas, denominadas Plasmids, são:

  • Cyclone Trap: Jack produz um vendaval com a mão, que em pouco tempo se torna um furacão e fica parado no meio do caminho esperando algum trouxa pisar em cima.
 
Pessoas ao serem atingidas pelo Enrage.
  • Enrage: Jack passa um trote no indivíduo e põe a culpa em quem estiver mais próximo, fazendo com que ambos comecem a se matar.
  • Hypnotize Big Daddy: Jack passa a perna num Big Daddy, fazendo a criatura atacar os inimigos enquanto ele tira um cochilo na rede.
  • Incinerate!: Jack arremessa um acarajé apimentado caprichado nos inimigos até que os mesmos entrem em combustão espontânea.
  • Insect Swarm: Jack joga mel nos inimigos, fazendo com que um bando de abelhas os ataque pensando que são algum tipo de urso.
  • Security Bullseye: Jack arremessa um círculo de tiro ao alvo nos inimigos, fazendo com que todo o tipo de arma que esteja no local mire neles enquanto ele foge.
  • Target Dummy: Jack usa mágica de enganar trouxa de ilusão de óptica e faz os inimigos burros perseguirem um fantasma pensando que é ele.
  • Telekinesis: Jack dessa vez resolve copiar a Jean Grey e levitar tudo o que é bugiganga que achar pelo caminho para arremessar nos inimigos.

Ver tambémEditar