Abrir menu principal

Desciclopédia β

Jejum de Amor

Cquote1.png Você quis dizer: Coisa de virgem Cquote2.png
Google sobre Jejum de Amor
Cquote1.png Você é maravilhoso de um modo odioso... Cquote2.png
Esposa paradoxal encontrada no filme
Cquote1.png Sou meio exigente com quem minha esposa se casa... Cquote2.png
Marido idiota encontrado no filme
Cquote1.png Deveria ter sido exigente com a única pessoa que importava: você mesmo! Cquote2.png
Esposa dando um owned no marido

Alô! É do Piratebay? Parece que vocês esqueceram um de seus tesouros aqui!

Jejum de Amor é um filme de 1940 que se encaixa nos padrões de "filme que mostra a submissão feminina". Para se ter uma ideia, este é mais um daqueles vários filmes que envolvem jornalistas que acabam se envolvendo em uma trama psicótica e quase inevitável... Mas claro, era assim na época do onça. Atualmente jornalistas são seres sem ética e nem alma que estão pro aí, matando por uma manchete de capa.

Jejum de Amor tenta quebrar esse tabu: "até seres sem coração amam!". Tecnicamente, se não tem coração está morto, e se está morto é considerado necrofilia.

Índice

SinopseEditar

 
- Sabe por que me divorciei de você?
- Por Quê?
- Porque metade das suas cantadas eram feitas com os telefones do escritório...
- Sim, mas e daí?
- Daí que eu imaginava como é que seria a conta do telefone daqui 50 anos, babaca!

Conta a história de uma famosa jornalista investigativa, que após ter feito uma manchete devastadora que acabou derrubando uma multinacional, acusando seus sócios de praticarem canibalismo, a jornalista acaba conhecendo um moreno rico (combinação inexistente, pois ele era jovem, tinha pau grande e não era branco... E ainda por cima era rico) que a convence a ela deixar de ser jornalista para ser totalmente submissa a ele, que iria sustentá-la e ela iria apenas virar uma esposa que ficaria guardadinha em casa, aproveitando a vida doméstica.

Novidade: o ex-marido dela (que é diretor chefe do jornal onde ela trabalha) está tentando convencer a ela voltar a ser a machona de antes e não deixar de ser jornalista. É claro que no final eles ficam juntos, sendo que o romance permeia o filme, fazendo com que o título "Jejum de Amor" se torne nonsense.

CuriosidadesEditar

 
Tua mãe desencoraja seções de curiosidades, mas nós não ligamos a mínima! Sob as políticas da Desciclopédia
Mas bem que esta seção pode ser aproveitada integrando-se piadas decentes às seções mais adequadas.
Cada curiosidade pode render uns bons parágrafos, então faça direito!
  • As cantadas de telefone são o ápice do filme, pois podemos ver várias delas que são completamente fails. Mais tarde elas foram retrazidas por adolescentes que acabavam fazendo apostas idiotas com os amigos, do tipo "veja o Tele Cine Cult por 10 horas seguidas e te daremos 20 reais!". Os adolescentes viram as cantadas do ex-marido gostosão e resolveram trazer de volta para o século XXI.
  • O fato das paqueradas terem sido perdidas era porque a maioria das pessoas sãs não arriscariam usá-las se antes levar um chute quádruplo na coluna.
  • Jejum de Amor virou exemplo para enredos de comédias românticas da Jennifer Aniston.
  • O fato acima justifica a falta de criatividade de Hollywood.

PrêmiosEditar

Não ganhou nenhum prêmio, por ser um filme fracassado. Apenas o prêmio All Your Base are Belong to Us que define se um filme é clássico ou não pelo seu diretor ter sido um cuzão durante a carreira. Aliás, alguém sabe por onde anda o criador de Jejum de Amor?

  Talvez no túmulo...  
Você sobre o diretor de Jejum de Amor

Sim... Todos nós já sabíamos da respostas, não precisava apenas dar mais ênfase a ela. Coisa típica de filmes antigaços...

Ver tambémEditar