Abrir menu principal

Desciclopédia β

Snake (jogo)

(Redirecionado de Jogo da cobrinha)


A90.jpg

Este artigo discute coisas intrínsecas aos Anos 90's!
Se você NÃO teve infância naquela época, com certeza você está no Facebook ou no Whatsapp neste instante.

Virtualgame.jpg Snake (jogo) é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, Jake Peril fura o chão.

Cobrinha feliz por ter o artigo do seu jogo na Desciclo.

Cquote1.png Você quis dizer: Jogo da cobrinha? Cquote2.png
Google sobre Snake (jogo)
Cquote1.png Experimente também: Tetris Cquote2.png
Sugestão do Google para Snake (jogo)
Cquote1.png Cara, isso é tão maneiro! Cquote2.png
Você em 1900 e guaraná com rolha, quando conheceu o jogo Snake

Índice

ApresentaçãoEditar

O joguinho de celular Snake, que é conhecido mundialmente (ou pelo menos brasileiramente, já que esses nomes em inglês sempre confundem todo mundo) como "Jogo da Cobrinha", foi (sendo que em alguns locais ainda é, principalmente os locais mais pobres do mundo) a maior tática para a venda massiva de celulares em todo o globo terrestre, que se tornou uma verdadeira revolução e febre geral nos jogos de celular, sendo (claro e logicamente) o primeiro gamezinho criado propriamente para atender as necessidades dos telefones portáteis de bolso da década de noventa, quando a venda de aparelhos começava a crescer. Sendo inimigo mortal do Tetris, que nem sequer chegou a entrar para os games dos cel's, o Snake era aquele jogo viciante, pertubador de multidões e que todo mundo, mesmo aqueles que não tinham celulares, davam de tudo (ui!) para pelo menos ver alguém jogando (de preferência naquele celular moderníssimo daquela época e que hoje virou peça de um museu que trata sobre modernidades do período jurássico).

O Celular com JogoEditar

 
Não venha me dizer que você nunca jogou isso...

Não se sabe quem foi o criador desse bagaceira toda (ou se teve uma única "mente brilhante" por trás de tudo isso, pois geralmente esses trabalhos são feitos pela únião de um monte de cabeças que não pensam em nada sozinhas), mas com certeza não foi nenhum nerd e muito menos um japonês o inventor, haja visto que seus gráficos, tecnologia e instruções de uso são as coisas mais banais que se viu depois da invenção da televisão, tão simples, fracas e totalmente chatas, sendo tão fáceis de se aprender que até a tua mãe conseguiria (porra, se até ela consegue, então quem não consegue?). Porém, não podemos negar que tal magnânima criação de merda foi um marco para qualquer idiota pessoa que comprou o seu primeiro celular naquela época, principalmente se foi um celular da Nokia, a primeira marca de cel a produzir o Snake para o mercado "celulístico" e o verdadeiro ganha pão da empresa, que disputava pau-coma-pau com a Sémen Siemens e outras mais.

 
Esse jogo não tem nada haver com esse cara.

A importância do joguinho foi tamanha para alavancar o crescimento de vendas dessa empresa (que não demorava muito a falir) por que, nesse época, nem as mensagens (conhecidas hoje somente como SMS, ou torpedos) que atualmente se trocam entre celulares, sequer existiam, e que foram o que realmente fizeram a diferença mais adiante. Então os celulares tinham que ter um diferencial para que não ficassem parecidos com um simples telefone sem fio que qualquer um tem na sua casa. Para você ver que o Snake foi tão importante saiba que ele veio primeiro que as SMS. Foi então que o Snake apareceu como um verdadeiro Macaco Gordo para essa empresa, sendo a verdadeira "mão na roda" para ela crescer nos negócios, o que veio a acontecer quase imediatamente. Raciocine comigo (claro, caso você tenha um cérebro pra isso), imagine você em uma fila de banco, ou mesmo em qualquer outra fila possível e que seja demais grande (como uma fila de distribuição de dinheiro, por exemplo, caso existisse uma), nessa época sem MP3, celular com câmera ou mesmo um Bluetooth, um joguinho até que não seria nada mal, não é?

Foi vendo essa necessidade (mas, claro, também visando o lucro imediato, já que nenhuma outra fábrica tinha isso em seus aparelhos) que o nosso "Jogo da Cobrinha" tornou-se uma febre, sendo que, quando alguém queria comprar um celular novo (ou mesmo comprar o seu primeiro celular) sempre ocorria a pergunta na loja de aparelhos: "Esse celular vem com o Joguinho da Cobrinha?", ou seja, ela já estava marcada como um ícone mundial, um importante recurso, sendo também uns dos primeiros existentes nos telefones móveis, além das funcionalidades de podermos carregar o aparelho para onde quiserssemos e fazer ligações de onde assim desejassemos (isso se tiver uma boa rede no local), sendo que, agora, ainda tinhamos a funcionalidade lúdica dos games, pois ainda poderíamos nos distrair um pouco com o aparelho quando ninguém estava ligando pra gente no momento (o que geralmente acontecia, já que eram poucas as pessoas que possuiam um aparelho celular na época hoje já até dão de graça).

Conhecendo o JogoEditar

 
Snake virando moda em vários outros lugares.

Como já dito acima, os gráficos do jogo não são nada comparados à qualquer jogo de celular de atualmente, mas vamos levar em consideração que nenhum celular do passado é igual ao de atualmente, muito menos se comparado com o estilo de tecnologia aplicado. Só para começar (para você ver como o significado de high tech do passado nem se compara ao de atualmente), as telas dos celulares nem coloridas eram, sendo que, no maior dos casos, ela ainda era de uma cor verde folha, que fugia um pouco do monocromático branco e preto do início (sendo que quando chegou os cels com tela azul da morte eles foram um grande sucesso para aqueles que já estavam de saco cheio do verde). Sem falar que o próprio celular também nem sequer tinha papel de parede (pra que? se ele nem cor tinha?) sendo que muitos tinham que apelar para as mais de oito mil capas coloridas para celular, para ver se podiam deixar o seu aparelho com um estilo difente do resto do mundo Brasil. Mesmo assim, o que ainda era bom nos objetos, ainda era o Jogo da Cobrinha (ou não).

 
O futuro do Snake, Snake em realidade aumentada.

Ele era um joguinho bem tosco simples, consistia em fazer uma linha (mas que eles consideravam ser uma cobra, apesar de não parecer com porra nenhuma a não ser uma linha mesmo) ficar girando na tela do cel e sair pegando alguns pontinhos que apareciam em qualquer lugar inoportuno (de preferência em um local aonde a cobra tinha acabado de passar, para que ela fizesse a curva e voltasse para onde tinha acabado de vir). A cada vez que a pseudo-cobra comesse um desses pontinhos, ela ganhava um pedaço a mais no seu corpo, de preferência no rabo, que consistia ao volume do que ela havia ingerido, em suma, ela tinha altas tendência à obesidade, mas ninguém se importava com isso, queriam mesmo que ela se fudesse comesse, até ficar rabuda. Para que a pessoa não perdesse no jogo, ela não poderia deixar que a cabeça do pau da cobra batesse na linha delimitadora do celular (afinal, ela não teria para onde figir mesmo, nem que tentasse), ou acabasse batendo em seu rabo grande que não parava de crescer.

Caso isso ocorresse, além de perder o jogo, ainda se corria o alto risco de ficar sem o celular, haja visto que (principalmente nos casos dos seres humanos mais viciados no jogo), o risco dele tacar o celular contra a parede ao perder era grande (maus perdedores são phodas). Ele também tinha os mais variados níveis de dificuldades, que iam da cobra estilo lesma, até a cobra que corre pra caralho, o nível mais alto e complicado, somente os mais apelões conseguiam jogar nesse eu não conseguia!. A cada comida que se dava no pontinho perseguindo, um score dava uma pontuação "X" para o jogador, sendo que tal pontuação adquirida a cada comida era constante e dependia do nível em que o jogador jogava, sendo que, no nível mais alto, o ponto máximo de cada comida era 9 pontos. Ao final, quando se perdia, a sua nota era mostrada na tela, sendo que, a mais alta de todas, ficava em um racking inapagável do celular, o que era ótimo, principalmente quando o celular não era seu e o recorde era, somente para você humillhar o dono do aparelho, por ter conseguindo um score maior do que o dele.

Evolução do SnakeEditar

 
Game Over

É claro que, para variar um pouco a coisa, o Snake não poderia ficar naquela porcaria simplicidade para sempre, ainda mais com a tecnologia dos celulares mudando tanto quanto o humor de uma pessoa com Transtorno Bipolar. Para acompanhar essa leva de desenvolvimento, o Jogo da Cobrinha também mudou para pior melhor, sempre mantendo a sua semelhança com o réptil (ou não). Vejamos as evoluções do jogo que, para que sempre fosse lembrado como Snake, somente se diferencia pelos modificadores I, II e X III:

Imagem do Jogo Nome Peripécia
  Snake I Foi o primeiro jogo inventado da cobrinha para os aparelhos portáteis, plagiado dos games. Consistia em um traço saindo em busca de um ponto e que não poderia encostar tanto nas laterais do celular quanto no próprio rabo. Viciante, sempre era o jogo mais jogado dos celulares (isso quando ainda vinha com mais de um). O único problema dele é que, depois de dar pausa, não se sabia mais onde era a cabeça e onde era o rabo, já que ele continuava como somente um traço no visor do aparelho.
  Snake II Foi a evolução do primeiro (O RLY?), só que agora com fases para serem vencidas, mais obstáculos e mais comidas (além das comidas bônus, que aumentavam ainda mais os pontos), além dos mais variados níveis de campos, coisa não existente na sua patente original. Foi uma grande ajuda principalmente para as pessoas que não sabiam diferenciar a cabeça do rabo da cobra, já que nesse Snake 2 as duas extremidades eram bem diferenciadas. Sem falar que, ainda se podia ficar girando na tela sem se preocupar em bater (claro, dependendo do campo em que se jogava, tinha alguns que colocavam o limite e até mais coisas).
  Snake III Colorido, divertido e bem mais legal de se jogar, o Snake III foi o último lançamento do jogo (até agora), que consiste em uma cobra colorida, que se bater na parede não morre e que, se comer o próprio rabo não termina o jogo, mas tudo com um objetivo. Dessa vez é registrada a contagem de tempo, sendo que você tem que comer o máximo de frutinhas (não pontos) para poder sair do cercado em que está antes do término do tempo (óbvio). Caso você acabe mordendo o seu próprio rabo (ui!) essa parte é retirada e você tem que pegar mais frutas para repor as que comeu do rabo, sendo que isso tem que ser feito rapidamente, senão o tempo acaba e você morre. Jura?
  Snake IV: Snake World Snake 4 conta com 7 mundos é em 3D e está disponível para Nintendo DS.E conta com o modo Two Player, onde você pode foder seu amigo com balas, tsunamis, furacões e maçãs bombas, onde quem pegar mais pontos, ganha.Termina quando todas comem as bolinhas do percurso são devoradas impediosamente, sem dó!Para terminar cada level você come todas as bolinhas denovo (santa falta de criatividade, batman!).A história (se é que esse jogo tem) é a de que a Princesa Cobra é raptada pela Serpente DORGADA IRIRIRIAIRIARI maluca para ser estuprada ...huum...Ah, sei lá e, daí no maior estilo de plagiamento de Super Mario World, você tem que salvá-la.

CuriosidadesEditar

  • O Jogo da Cobrinha foi o ganha-pão da Nokia durante muito tempo, o que tirou a empresa da lama que a ameaçava soterrar;
  • Ele só acabou perdendo a graça quando os celulares começaram a trocar mensagens entre sí com o surgimento das SMS (o vulgo torpedo);
  • Ele também perdeu a graça com o lançamento de jogos bem mais legais e, principalmente, coloridos, sem falar dos gráficos mais realistas;
  • Hoje em dia ninguém compra um celular visando os jogos dele;
  • Ou não (tem doido pra tudo).

Ver tambémEditar